Nova YorkDicas e artigos

Conheça o High Line, símbolo da renovação urbana de Nova York

O High Line é uma surpresa na paisagem nova-iorquina

Orgulho do recente ímpeto de renovação urbana, o High Line sem dúvida é uma comprovação da vocação da cidade para transformar vestígios de seu passado industrial em áreas agradáveis. O antigo elevado com trilhos de trem e nenhum encanto, que passava no meio de antigos matadouros e pequenos prédios, deu lugar a um parque, um “calçadão” no meio da cidade. Como se podia esperar, funcionou como ímã e atraiu arquitetos renomados, que criaram espaços que dialogam com o novo reduto de lazer de NY.

No início do século 20, a zona oeste ao redor do Meatpacking District e do Chelsea era o maior setor industrial de Manhattan e um circuito férreo elevado movimentava a carga. Com a evolução da cidade, os trilhos caíram em desuso. Em 1999, foi criado um plano para converter a área em parque público e, em 9 de junho de 2009, foi inaugurada a primeira parte daquele que seria um dos mais amados projetos de revitalização urbana local – hoje uma das principais atrações de Nova York.

 

Passado industrial

O impressionante parque elevado, em plena cidade
©Matt Munro/Lonely Planet

 

É difícil acreditar que o High Line Park – exemplo de renovação urbana – já foi uma feiosa linha de trem situada em um bairro degradado, cheio de marginais e de matadouros. O circuito foi originalmente encomendado em 1930, quando a prefeitura decidiu fazer trilhos suspensos depois de anos de graves acidentes na área, que valeram à Tenth Avenue o apelido de “Avenida da Morte”. O projeto consumiu mais de US$150 milhões (o equivalente hoje a US$2 bilhões) e demorou cinco anos para ficar pronto. Depois de duas décadas de uso efetivo, o crescimento do transporte por caminhão decretou a gradativa obsolescência do sistema, até os anos 1980. Moradores fizeram abaixo-assinados para pedir a remoção dos velhos trilhos; em 1999 formou-se um comitê intitulado Friends of the High Line – fundado por Joshua David e Robert Hammond –, dedicado a salvar o circuito enferrujado, convertendo-o num singular espaço verde nas alturas.

 

Um futuro verde

Central Park? Nada disso, o novo parque hype fica bem no meio da zona industrial
©Matt Munro/Lonely Planet

 

Em um quente dia de primavera de 2009, o High Line – repleto de áreas verdes – inaugurou a primeira das três fases do projeto que, concluído, ligará o Meatpacking District a Midtown. A chamada Section 1 começa na Gansevoort St e corre paralela à Tenth St até a W 20th St. Repleto de lugares para descansar – de cadeiras de praia a assentos tipo arquibancada –, esse trecho logo se tornou cenário para várias obras públicas e atividades, a maioria voltada para a crescente população de famílias do bairro.

Dois anos depois foi aberta a Section 2, adicionando dez quadras. A entrega da última parte ficou para o final de 2014. Nesta, o High Line serpenteia da 30th St até a 34th St e ruma até o redor de West Side Rail Yards, fazendo um “U”. Ao virar para oeste rumo à 12th Avenue, chega mais perto do rio do que em qualquer outra parte. O trecho final mantém os ares do antigo cenário, com a preservação dos trilhos. Também há um playground, com um trepa-trepa feito de vigas expostas cobertas sobre uma superfície macia.

O trecho final da prestigiada área verde instalada sobre um antigo elevado conta com o design ousado de Diller Scofidio + Renfro. E o que vem pela frente? Empreendimentos estimados em US$15 bilhões, na região de Hudson Yards, perto do High Line.

 

Mais que um espaço público

O espaço verde em plena área urbana é encantador
©Matt Munro/Lonely Planet 

 

A influência do High Line Park vai além do fato de o projeto inovar na revitalização verde da ilha. Na medida em que o West Village e o Chelsea continuam a abraçar sua recém-descoberta vocação residencial, o High Line se transforma em algo mais significativo que um espaço público – é um inspirador ponto de encontro para famílias e amigos. Ao andar por lá, você encontra funcionários de camiseta com o logotipo do duplo H, que podem lhe dar informações sobre o trajeto ou sobre como os trilhos se converteram em parque. Outra miríade de funcionários atua nos bastidores, organizando exposições de arte pública e diversas atividades. Nos meses mais quentes, há passeios gratuitos nas noites de terça-feira, às 18h30; inscreva-se perto da entrada da 14th St, mas chegue cedo. Outros passeios especiais e eventos exploram uma variedade de temas: história, horticultura, design, arte e gastronomia. Confira o calendário de eventos no site (www.thehighline.org).

Quem quiser apoiar a iniciativa da High Line por meio de contribuição financeira pode se associar on-line à Friends of the High Line. Os membros do nível “Spike” ganham desconto em lojas da área, seja na butique de Diane von Furstenberg ou na Amy’s Bread, deliciosa padaria no Chelsea Market.

 

Esta matéria faz parte da 3ª edição do guia Nova York, da Lonely Planet Brasil.

Este artigo foi publicado em Julho de 2015 e foi atualizado em Julho de 2015.

Nova York

Destaques