Montpellier

Atrações em Montpellier

‹ Anterior

de 1

Próxima ›
  1. Hôtels Particuliers

    Nos séculos 17 e 18, os comerciantes mais ricos de Montpellier construíram grandiosos hôtels particuliers, em geral com aparência externa bastante sóbria, mas com pátios internos resplandecentes (a maioria, infelizmente, fechada ao público). As casas mais importantes estão marcadas com uma placa descritiva em francês. Em frente à place Pétrarque, o Hôtel de Varennes (2 place Pétrarque) é um prédio medival que passou por uma interessante
    repaginação renascentista e agora abriga o pequeno museu de história da cidade, o Musée du Vieux Montpellier. Na próxima rue Jacques Coeur se encontra o Hôtel des Trésoriers de France (7 rue Jacques Coeur), do século 17, que abriga o Musée Languedocien. Um pouco adiante fica o Hôtel St-Côme (Grand Rue Jean Moulin), grandioso o bastante para abrigar a Câmara Comercial da cidade. Próximo à Cathédrale St-Pierre, fica o Hôtel de la Vieille Intendance (rue de la Vieille Intendance), construído no início do século 17 durante o reinado de Luís XIII para a rainha-mãe e sua sobrinha Marie-Louise d’Orléans (popularmente conhecida como “La Grande Mademoiselle”). A casa foi depois ocupada pelo intendant (governador) da cidade, pelo filósofo Auguste Comte e pelo poeta Paul Valéry, nascido em Sète.

  2. Jardin des Plantes

    Ao norte da place Royale du Peyrou fica o encantador jardim botânico de Montpellier, o mais antigo da França (1593) e ainda utilizado como fonte de pesquisas pela Universidade de Montpellier.

  3. Musée Fabre

    (adulto/criança €6/4, com Département des Art Décoratifs €7/5, 1º dom do mês franca) Fundado em 1825 pelo pintor François-Xavier Fabre e completamente reformado ao custo de €61 milhões entre 2002 e 2007, esse renomado museu abriga uma das mais ricas coleções de arte europeia da França. As salas, claras e amplas, são divididas em três áreas principais: Mestres Antigos, Movimentos Modernos e Artes Decorativas. Os destaques da primeira área incluem três
    quadros de Rubens, o sonhador Vênus e Adonis, de Nicholas Poussin, e uma notável seleção de obras de Jacques-Louis David. A seção Movimentos Modernos possui uma boa seleção de quadros de Delacroix, Géricault e Gustave Courbet, e uma coleção vibrante e repleta de cores de nomes importantes como Manet, Degas, Delaunay, Frédéric Bazille e Kees van Dongen. Cerâmica, móveis, faiança e joias compõem a excelente seção de Artes Decorativas, abrigada em uma extravagante mansão que pertenceu à notável local madame Frédéric Sabatier d’Espeyran.