Montpellier

Todas em Montpellier

‹ Anterior

de 2

  1. Auberge de Jeunesse

    (montpellier@fuaj.org; dc incl café da manhã €19,60) O albergue da juventude de Montpellier, filiado à Hostelling International, fica próximo à rue des Écoles Laïques. Os quartos comportam de duas a dez pessoas e há um pequeno jardim. Pegue o bonde e desça no ponto Louis Blanc.

  2. Baudon de Mauny

    (c a partir de €150) Os proprietários Alain e Nathalie de Bordas fizeram mágica nessa pousada palaciana, misturando graciosamente seu gosto pelo moderno a um prédio do século 18. Lareiras, portas e janelas de madeira originais dividem
    espaço com móveis modernos e inusitadas luminárias Anglepoise. O resultado é uma pousada cheia de estilo, clean e absolutamente século 21. O estacionamento mais conveniente é o Parking du Corum, a 500m.

  3. Hôtel Le Guilhem

    (q €96-190) Não há como ficar mais próximo do centro antigo do que isso. Instalado em duas mansões geminadas do século 16 numa rua estreita, esse elegante hotel da rede internacional Best Western possui quartos em três categorias de “conforto”. A decoração combina antiguidades e refinamento moderno – cômodas de madeira de lei ao lado de tecidos exclusivos e móveis inusitados – e o quarto 100 (€158) tem um terraço ajardinado próprio. O estacionamento mais próximo é o Parking Peyrou.

  4. Hôtels Particuliers

    Nos séculos 17 e 18, os comerciantes mais ricos de Montpellier construíram grandiosos hôtels particuliers, em geral com aparência externa bastante sóbria, mas com pátios internos resplandecentes (a maioria, infelizmente, fechada ao público). As casas mais importantes estão marcadas com uma placa descritiva em francês. Em frente à place Pétrarque, o Hôtel de Varennes (2 place Pétrarque) é um prédio medival que passou por uma interessante
    repaginação renascentista e agora abriga o pequeno museu de história da cidade, o Musée du Vieux Montpellier. Na próxima rue Jacques Coeur se encontra o Hôtel des Trésoriers de France (7 rue Jacques Coeur), do século 17, que abriga o Musée Languedocien. Um pouco adiante fica o Hôtel St-Côme (Grand Rue Jean Moulin), grandioso o bastante para abrigar a Câmara Comercial da cidade. Próximo à Cathédrale St-Pierre, fica o Hôtel de la Vieille Intendance (rue de la Vieille Intendance), construído no início do século 17 durante o reinado de Luís XIII para a rainha-mãe e sua sobrinha Marie-Louise d’Orléans (popularmente conhecida como “La Grande Mademoiselle”). A casa foi depois ocupada pelo intendant (governador) da cidade, pelo filósofo Auguste Comte e pelo poeta Paul Valéry, nascido em Sète.

  5. Jardin des Plantes

    Ao norte da place Royale du Peyrou fica o encantador jardim botânico de Montpellier, o mais antigo da França (1593) e ainda utilizado como fonte de pesquisas pela Universidade de Montpellier.

  6. Jardin des Sens

    (menu de almoço €49, pratos principais jantar €45-79, menu de jantar €84-173) Folgue o cinto: o Jardins des Sens é mítico entre os gourmands franceses. Com duas estrelas Michelin, é administrado pelos irmãos Jacques e Laurent Pourcel, cuja paixão pela arte contemporânea fica visível tanto na decoração quanto na comida – suas criações culinárias
    são tanto esculturais quanto grastonômicas. Se isso justifica os preços estratosféricos depende do seu ponto de vista – seja como for, é uma experiência gastronômica que você não esquecerá tão cedo.

  7. Le Bookshop

    Livraria simpática com bom acervo e uma seção de livros em inglês.

  8. Le Café de la Mer

    Um dos bares gays mais veneráveis da cidade. Peça no bar um mapa grátis de outros locais que estão em alta (ou não).

  9. Le Huit

    Experimente coquetéis e cervejas bem geladas enquanto ouve bandas locais nesse bar no centro antigo frequentado por descolados.

  10. Les Bains de Montpellier

    (pratos principais €21-28) Esse recomendadíssimo restaurante no passado abrigava os banhos públicos da cidade. As mesas são organizadas ao redor dos antigos banheiros, e é quase possível ouvir o som das banheiras há muito esvaziadas. Os frutos do mar são a melhor escolha.

  11. Les Cinq Continents

    Livraria especializada em livros sobre viagens.

  12. Musée Fabre

    (adulto/criança €6/4, com Département des Art Décoratifs €7/5, 1º dom do mês franca) Fundado em 1825 pelo pintor François-Xavier Fabre e completamente reformado ao custo de €61 milhões entre 2002 e 2007, esse renomado museu abriga uma das mais ricas coleções de arte europeia da França. As salas, claras e amplas, são divididas em três áreas principais: Mestres Antigos, Movimentos Modernos e Artes Decorativas. Os destaques da primeira área incluem três
    quadros de Rubens, o sonhador Vênus e Adonis, de Nicholas Poussin, e uma notável seleção de obras de Jacques-Louis David. A seção Movimentos Modernos possui uma boa seleção de quadros de Delacroix, Géricault e Gustave Courbet, e uma coleção vibrante e repleta de cores de nomes importantes como Manet, Degas, Delaunay, Frédéric Bazille e Kees van Dongen. Cerâmica, móveis, faiança e joias compõem a excelente seção de Artes Decorativas, abrigada em uma extravagante mansão que pertenceu à notável local madame Frédéric Sabatier d’Espeyran.

  13. Odysseum

    (adulto/criança €12,50/9) Esse complexo de lazer possui rinque de patinação no gelo, planetário, cinema com várias
    salas e o Aquarium Mare Nostrum (adulto/criança €12,50/9; 10-19h, 20h ou 22h), que abrange 15 ambientes aquáticos diferentes, de águas polares a florestas tropicais.

  14. Opéra-Comédie

    Os ingressos para os teatros de Montpellier são vendidos na bilheteria da Opéra-Comédie.

  15. Praias nos arredores de Montpellier

    Caminhando pelo centro da cidade é fácil´esquecer que Montpellier fica no litoral. Há ônibus urbanos para as principais praias. A mais próxima é a Palavas-les-Flots, a 12km da cidade e uma verdadeira Montpellier-no-Mar durante o verão. Em sentido norte pela estrada litorânea na direção de Carnon, você pode ter a sorte de ver flamingos
    nas lagoas que margeiam a D21. 

    Já Carnon não tem tanto charme, apesar de sua imensa marina. Melhor continuar na
    costa pela D59 (Le Petit Travers), com quilômetros de areia branca sem multidões e ao menos um quiosque ou café à vista. 

    A cerca de 10km de Carnon, La Grande Motte foi construída em grande escala na década de 1960 com o intuito de atrair os turistas que seguiam para a Espanha. Sua arquitetura, considerada revolucionária na época, hoje parece um tanto opressiva, especialmente se comparada à autenticidade do porto de pesca Grau du Roi, próximo. 

    Aigues-Mortes, no extremo oeste de Camargue, fica a 11km de distância.