Machu Picchu, Cuzco

Todas em Machu Picchu, Cuzco

‹ Anterior

de 1

Próxima ›
  1. Café Inkaterra

    Inigualável como ambiente, esse restaurante à beira do rio ocupa construções de sapé com vista para a água batendo nas pedras. Os preços são bastante razoáveis. Tente o bem preparado lomo saltado com molho saboroso e cebolas vermelhas
    crocantes. Procure bem, porque fica escondido atrás da estação de trem.

  2. Informações úteis para seus passeios

    As ruínas são mais visitadas entre 10h e 14h; os meses mais movimentados são junho a agosto. Programe visitar no início ou no fim do dia para evitar as multidões. Uma visita no início da manhã no meio da semana durante a estação chuvosa é mais tranquila, especialmente em fevereiro, quando a Trilha Inca fica fechada. Cajados e mochilas de mais de 20 litros não são permitidos nas ruínas. Há onde deixar a bagagem no portão de entrada (S5 por item; das 6-16h) e no complexo (S3 por item; das 6-17h). Guias locais (por pessoa S100-150, em grupos de 6-10 S20) estão prontamente disponíveis na entrada. A qualidade varia; procure um com carteira oficial de guia da Dircetur. Combine o preço antes, esclareça se o valor é por pessoa ou por grupo e entre em acordo sobre a extensão do passeio e o tamanho máximo do grupo.

  3. Intihuatana (ruína)

    Essa palavra quíchua, que pode ser traduzida livremente como “onde se amarra o Sol”, refere-se ao pilarete de pedra esculpida, muitas vezes chamado erroneamente de relógio de sol, que fica no topo do morro Intihuatana. Os astrônomos incas previam os solstícios usando os ângulos desse pilarete. Assim, eram capazes de reivindicar o controle sobre a volta dos longos dias de verão. Não se sabe exatamente como o pilar foi usado para esses fins astronômicos, mas a simplicidade elegante e a bela confecção fazem dele um dos destaques do complexo.

  4. Intipunku (trilha)

    A Trilha Inca termina depois da descida final a partir da fenda no horizonte chamada Intipunku (Portal do Sol). Se olhar para o morro às suas costas ao entrar nas ruínas, você pode ver a trilha e o Intipunku. Essa colina, chamada de Machu Picchu (Pico Velho), dá nome ao sítio. Demora cerca de 1h para chegar ao Intipunku, e se tiver pelo menos metade de um dia para a ida e a volta, você pode prosseguir até Wiñaywayna. Espere ter de pagar S15 ou mais como taxa não oficial de admissão para a Trilha Inca. Não deixe de voltar antes das 15h, que é quando o posto de controle costuma fechar.

  5. Rupa Wasi Hotel

    Escondido no alto de uma escadaria íngreme, fica numa encosta com escadas de madeira e caminhos de pedra repletos de musgo. É elegante e um pouco selvagem, mas o preço reflete a proximidade de Machu Picchu. Os quartos, estilo chalé,
    têm edredons e vista. Um bom café da manhã norte-americano é servido no café Tree House.

  6. Vida Noturna/Onde beber

    Não há muita vida noturna em Aguas Calientes. Restaurantes desesperados oferecem happy hours à base de quatro por um (provavelmente não é a melhor maneira de se preparar para correr até o Wayna Picchu). A Wasicha (+51 84 21-1282; Lloque Yupanqui s/n) é uma discoteca popular que vai até altas horas.