LondresDicas e artigos

20 atrações gratuitas em Londres

Londres

Robert Reid, autor da Lonely Planet

Quem se importa se os hotéis e os restaurantes de Londres costumam ser um pouco caros? Nenhuma outra cidade no mundo tem tanta coisa para se fazer de graça. Além de ótimos museus com entrada gratuita, você ainda tem parques, passeios pelos canais, grandes mercados (Portobello Road Market no Notting Hill Gate, Camden Market na Chalk Farm Rd, o maravilhoso Columbia Road Flower Market na Gosset St, no leste de Londres etc.) e até pode avistar um membro da realeza, pense só. Obrigado, Londres!

Este é só o começo de uma longa lista:

1. Borough Market

Desde por volta do século 13, o mercado Borough é repleto de amantes da boa comida e de tudo de que você precisa para um delicioso café da manhã ou almoço para viagem. É uma das melhores atrações ao sul do rio. Fica aberto de quinta a sábado (vá no sábado para pegar o mercado em seu auge semanal).

 

2. Mídiateca do Instituto Britânico de Cinema

Escondido sob a Waterloo Bridge, o instituto abriga quatro cinemas (pagos) e a divertida Mídiateca, onde você pode mergulhar na coleção de filmes e assisti-los sem pagar nada.

 

3. British Museum

É quase surreal: uma das melhores atrações de Londres, e totalmente de graça. Quando estava em Londres, dava um pulo de 20 minutos no museu, só para ver a Rosetta Stone, deixando as máscaras de mosaico astecas e o “Lindow Man”, com sua cabeça esmagada (datado do século 1, foi descoberto em 1984), entre outros sete milhões de objetos, para outras visita. Fique de olho nos tours de 20 e 50 minutos, chamados eyeOpener, também gratuitos.

 

4. Casas do Parlamento

O Palácio de Westminster, onde fica o Big Ben (ou Torre do Relógio), é uma maravilha neogótica de meados do século 19. E é cheio de “casas”: a House of Commons e a House of Lords. Reserve com antecedência para assistir ao que rola durnte as sessões do Parlamento.

 

5. London Museum

Fora do radar da maioria dos visitantes, mas ainda assim uma das grandes atrações da cidade, o museu oferce um passeio pelas várias incarnações de Londres – da história geológica de Vale do Tâmisa aos banqueiros anglo-saxões do século 21. Além disso, há um café agradável no jardim.

 

6. National Gallery

Seus 2000 clássicos do mundo ocidental, de Van Gogh, Renoir, Leonardo da Vinci e Michelangelo, entre muitos outros, fazem da National Gallery um programa de arte essencial. Mais de 5 milhões de pessoas entram no prédio da Trafalgar Square todos os anos. Escolha uma manhã de um dia da semana, ou visite-a na quarta-feira à noite (depois das 18h), para driblar a multidão. Em qualquer dia, é de graça.

 

7. National Maritime Museum

O Museu Marítimo Nacional é a melhor atração do Greenwich. Esse prédio neoclássico vai ficando mais divertindo e interessante conforme você o explora mais a fundo. O foco é no passado de explorações marítimas da Grã-Betranha, com objetos como a bala que atingiu Horatio Nelson e uma réplica do barco salva-vidas de Ernest Shackletom, além de muitas exibições interativas que encantam as crianças na seção Your Ocean.

 

8. National Portrait Gallery

Antes de pesquisar no Google ou na Wikipedia, os ingleses vêm aqui para relacinar um determinado nome ao rosto que corresponde a ele, pois a galeria reúne uma longa lista de quem é quem na história. Aqui, um bloco ao norte da National Gallery na St Martin’s Pl, você vai ver pinturas e esculturas, entre as quais a interpretação que Andy Warhol fez da Rainha.

 

9. Natural History Museum

Os vitorianas amavam mesmo o famoso “C & C” (colecionar e catalogar). E este é o resultado: uma incrível coleção de tudo que é coisa natural em um lindo edifício, uma releitura do gótico feita em 1880. Um esqueleto de um dinossauro diplodoco vigia a entrada. Mais para dentro, está um tiranossauro rex e o Darwin Centre, com 450 mil jarros de espécies em conserva. Um jardim de vida selvagem fica aberto de abril a setembro.

 

10. Photographers’ Gallery

Uma maravilhosa coleção de fotografia contemporânea no West End se beneficia do espaço de dois andares – que a galeria ocupa desde 2008. E ainda tem um ótimo café.

 

11. Science Museum

O Museu de Ciência, muito informativo e divertido, ocupa seta andares com exibições interativas. No Energy Hall, o destaque são as locomotivas a vapor do começo do século 19; as crianças adoram as atrações do terceiro andar, entre elas antigos aviõezinhos, balões de água quente e simuladores de voo.

 

12. Serpentine Gallery

Com estilo de salão de chá dos anos 1930, nos arborizados Kensington Gardens, essa galeria é uma parada deliciosa para ver as mais importantes coleções de arte contemporâneas de Londres, com trabalhos de Damien Hirst e Jeff Koons, entre outros. Muita luz natural passa pelas grandes janelas. Todos os anos (de maio a outubro), um “pavilhão de verão” é aberto ali perto para abrir um cinema a céu aberto e leituras dramáticas.

 

13. Museu Sir John Soane

Este filho de pedreiro morava nessa casa no West End, repleta de curiosidades e objetos pessoais do arquiteto que a tornam uma das visitas mais fascinantes de Londres, e que poucos conhecem. O ambiente ficou praticamente como Soane o deixou na sua morte, em 1837, com desenhos de Christopher Wren, um observatório e correntes de escravos. Tente ir na primeira terça-feira do mês, quando a casa está iluminada por velas.

 

14. Igreja St Paul

Não a confunda com a Catedral St Paul (uma grande atração que vem com um preço à altura). Essa igreja no lado oeste da Covent Garden Piazza é conhecida como a “igreja do ator”. O primeiro show de Punch e Judy aconteceu ali em 1662, e há memoriais para Charlie Chaplin and Vivien Leigh.

 

15. Tate Britain

A metade mais antiga da dupla Tate (a parte moderna foi para mais para baixo do rio em 2000) não é uma irmã invejosa. Aqui, a coleção permanente reúne obras-primas britânicas do século 16 a o final do século 20. Faça um dos tours temáticos de 1h ou uma das conversas de 15 minutos sobre pintores e pinturas, tudo por um preço único: nenhum.

 

16. Tate Modern

Falando das Tates, a metade moderna tem localização descolada, na Bankside Power Station, no Tâmisa, e é uma das atrações mais amadas de Londres. Exposições especiais custam £8-10, mas você pode passar muito tempo explorando sua coleção permanente (e gratuita), com 60 mil obras de arte (há Pollock, Warhol, Rodin, Matisse) organizadas em exibições temáticas como “Poesia e Sonho” para os surrealistas. O café no topo da escada tem vistas maravilhosas para o Tâmisa, e o prédio é fantástico.

 

17. Igreja Temple

Fãs de O Código Da Vinci e, admita, você é um deles, colocam essa igreja em sua lista de atrações imperdíveis – já que ela está em uma cena-chave do romance. Construída por monges envolvidos nas cruzadas, suas origens datam do século 12. Trata-se de um lugar marcante e também um oásis de tranquilidade em meio aos prédios do centro da cidade.

 

18. Museu Victoria & Albert

Aberto desde 1852, com 4,5 milhões de objetos – como o deslumbrante lustre do hall de entrada, de Dale Chihuly –, é simplesmente o melhor museu de artes decorativas do mundo. Separe bastante tempo para conhecê-lo. O primeiro andar foca na arte asiática (espadas japonesas, antigas cerâmicas chinesas) e reúne também um pouco de arte europeia, como os moldes de gessos usados por Michelangelo para fazer seu Davi. Há, ainda, uma coleção de fotografia de meio milhão de imagens, escolhidas nesses 160 anos do museu. O Tapete de Ardabil, que fica na Jameel Gallery, especializada em Oriente Médio, é um dos mais antigos do mundo, tendo sito feito no Irã nos anos 1500.

 

19. Wallace Collection

Talvez a melhor entre as pequenas galerias de Londres, e bem fora do itinerário de costume, essa coleção transporta o visitante para a vida aristocrática do século 18. Fica uma suntuosa mansão restaurada, em estilo italiano, repleta de obras de arte dos séculos 17 e 18. Soberba, a menos que você já more num lugar assim.

 

20. Whitechapel Gallery

Esse edifício art nouveau briga 10 galerias. Aberto em 1899, o Whitechapel mistura em suas exibições o trabalho de artistas emergentes aos de artistas já consolidados. A Guernica, de Picasso, foi exposta primeiro aqui, em 1939. Às quintas e sextas-feiras, você pode ver apresentações de música, leituras ou filmes, ou simplesmente parar para tomar um café em ambiente hiperdescolado.

A Virgin Atlantic patrocinou esta reportagem. Todos os pontos de vista apresentados são da Lonely Planet e refletem a nossa visão de independência e imparcialidade e

Este artigo foi publicado em Novembro de 2012 e foi atualizado em Novembro de 2014.

Londres