Irã

Todas em Irã

‹ Anterior

de 2

  1. Fallahi Miniatures

    Encantador e conhecido internacionalmente, o trabalho artístico de Hossein Fallahi é absolutamente espetacular.

  2. Abbasi Hotel

    O edifício principal do Hotel Abbasi já foi o caravançarai da Madraseh-ye Chahar Bagh e tem personalidade de sobra. Infelizmente, o mesmo não se pode dizer sobre o novo edifício sem sal na parte leste do jardim interno central. Se ficar hospedado em uma das espetaculares suítes ou em um dos quartos duplos deluxe no edifício principal, ficará extremamente satisfeito, mas se for relegado para o novo edifício, é bem provável que fique decepcionado. As instalações incluem uma maravilhosa casa de chá tradicional, um café simpático, um business centre (internet US$2,70/hora, wi-fi US$4,50/24h) e também piscina coberta, sauna e academia. O restaurante, apesar da sua aparência suntuosa, serve pratos muito caros e pouco impressionantes. Não há descontos de baixa temporada.

    Nossos autores independentes visitaram o Hotel Abbasi e o selecionaram como um dos nossos hotéis de luxo recomendados em Esfahan.

  3. Abbasi Hotel Teahouse

    A localização no fundo do jardim interno do hotel é encantadora, e apesar de ser necessário um pouco de jogo de cintura para atrair a atenção do garçom depois das 18h, quando os locais invadem o local para comer ash-e reshte (sopa de massa com feijão e vegetais; US$4,50), vale a pena o esforço. São servidos alguns petiscos, como halva (um doce feito de gergelim e mel), tâmaras, beterraba aquecida e fereni (um doce feito de açúcar, farinha de arroz e água de rosas). O pedido e o pagamento são feitos no caixa; depois é só dar o recibo para o garçom.

  4. Aladdin Carpets

    Essa é uma loja pequena, que possui uma variedade de tapetes. Os vendedores são experientes, e os passeios nômades oferecidos não são lá muito empolgantes.  

  5. Azade Kazemi

    Guia turístico extremamente profissional. Fala inglês e espanhol.

  6. Azadegan Teahouse

    Em uma faixa na parte nordeste da praça de Naqsh-e Jahan (Imam), esse local popular possui uma impressionante coleção de bricabraques de chá pendurada na parede e no teto. O salão da frente normalmente é frequentado por homens taciturnos, mas o salão de trás está cheio de grupos animados de moças e rapazes bebendo chá e compartilhando narguilés. Entre pela passagem alinhada de scooters, lustres e rádios antigos.

  7. Azady Hotel

    Com boa gerência, limpo e confortável, o Azady é uma boa escolha, apesar de estar localizado em uma das ruas mais movimentadas de Esfahan. Os quartos da frente têm janelas com vidros duplos, mas recomendamos os quartos dos fundos para garantir uma boa noite de sono. Não há descontos de baixa temporada.

    Nossos autores independentes visitaram o Hotel Azady e o selecionaram como um dos nossos hoteis recomendados em Esfahan.

  8. Bastani

    Esse é um dos restaurantes mais característicos de Esfahan e está localizado à sombra da mesquita Masjed-e Shah. Ele foi recentemente reformado e possui uma belíssima decoração interior, incluindo um jardim interno com fonte, paredes cobertas de azulejos, e teto abobadado coberto de espelhos. Apesar de ser frequentado por grupos de turistas (o que não é necessariamente um bom sinal), a comida é muito boa, com pratos como khoresh-e beh (cozido de carneiro e marmelos) e khoresh-e alu (cozido de frango com ameixa), que aparecem sazonalmente no cardápio. Na nossa última visita, um terraço com vista para a mesquita estava em construção. É cobrada uma taxa mínima de US$1,60 se pedir só chá.

  9. Bazar-e Honar

    Se procura peças em ouro, o seu lugar é o Bazar-e Honar.

  10. Madraseh-ye Chahar Bagh

    Essa madrasa foi construída entre 1704 e 1714 como parte de um grande complexo que incluía um caravançarai (hoje o Hotel Abbasi) e o Bazar-e Honar, e é um dos edifícios mais importantes em Esfaha. Infelizmente, está fechado ao público durante quase todo o ano (exceto durante o noruz). A entrada para estudantes é através de uma porta imponente de madeira e prata na rua Chahar Bagh Abbasi. No interior, há um jardim interno arborizado rodeado por dois andares de varandas que conduzem aos quartos dos estudantes. Também há uma sala de oração com um mihrab espetacular, dois belíssimos minaretes da dinastia Safávida em Esfahan, além de lindos mosaicos e uma bela cúpula. 

  11. Masjed-e Shah (Masjed-e Imam)

    (entrada US$0.50) 

    A riqueza de detalhes dos mosaicos de azulejo azul e a arquitetura de proporções perfeitas da época do Império Safávida fazem dessa mesquita um monumento visual impressionante,retrato da imaginação de Abbas I e das habilidades do seu arquiteto. 

    A construção da mesquita começou pelo seu magnífico portal de entrada em 1611, que demorou quatro anos para ser concluído. As pequenas imperfeições na simetria desse portal, aparentemente perfeito, são propositadas e pretendem demonstrar a humildade do artista em relação a Alá. Foi apenas em 1629,  último ano do reinado de Abbas I, que a cúpula e a mesquita foram inauguradas. Desde então, pouco mudou.

    Apesar de todos os elementos da mesquita serem verdadeiras obras de arte, é a unidade da obra o que mais impressiona. No entanto, o objetivo original do famoso portal de entrada tinha mais a ver com a sua localização na praça do que com ambições espirituais: sua função era ser um contraponto ao portal Qeysarieh, na entrada do Bazar-e Bozorg. As pedras da base são de mármore branco de Ardestan e o portal em si, com cerca de 30 m de altura, está decorado com magníficos moarraq kashi (mosaicos islâmicos com desenhos geométricos, motivos florais e caligrafia) feitos pelos melhores artistas da época. Os espetaculares nichos, que lembram estalactites, possuem um complexo padrão de favos de mel, e cada painel tem o seu próprio design.

    Apesar do portal ter sido construído virado para a praça, a mesquita é orientada para a Meca, e um pequeno corredor curvo conecta a praça até o jardim interno, com uma piscina para abluções e quatro imponentes iwans. O jardim interno possui belíssimas varandas cobertas emolduradas com haft rangi (azulejos pintados) azul-escuro e amarelo. Cada iwan conduz a um santuário abobadado. Os santuários a leste e oeste são decorados com motivos florais especialmente detalhados, sobre fundo azul.

    A entrada do santuário principal está no iwan sul. Encontre um local tranquilo para se sentar e contemple a riqueza do teto abobadado com padrão rosa dourado (o cesto de flores) rodeado por círculos concêntricos de intricados mosaicos sobre fundo azul-escuro. O teto interior tem 36,3 m de altura, mas o exterior chega a 51 m, devido à cobertura dupla utilizada na construção. O espaço oco entre eles é responsável pelos ecos que se ouvem quando alguém pisa nas pedras pretas sob o centro da cúpula. Apesar dos cientistas terem medido até 49 ecos, apenas 12 deles são audíveis para o ouvido humano, o que é mais do que suficiente para se ouvir alguém do outro lado da mesquita. O mirabe e o minbar (o púlpito de uma mesquita) também são muito bem desenhados.

    O santuário principal oferece belas vistas para os dois minaretes turquesa sobre o portal de entrada. Cada um deles está rodeado por varandas projetadas, decoradas com caligrafia geométrica com os nomes de Maomé e Ali.

    A leste e a oeste do santuário principal estão os jardins interiores de duas madrasas. Ambas oferecem uma bela vista da cúpula principal: um belo espetáculo de azulejos azul-turquesa. 

  12. Mohammad Shahsavandi

    Guia muito experiente. Fala inglês fluentemente.

  13. Pontes sobre o rio Zayandeh

    Existem poucas formas melhores de passar a tarde do que passear ao longo do rio Zayandeh e atravessar suas pontes históricas. Esses passeios são especialmente agradáveis no final da tarde e no início da noite, quando a maior parte das pontes está iluminada. No total, 11 pontes (seis novas) cruzam o rio Zayandeh, e todas menos uma das pontes do período Safávida se situam a leste da rua Chahar Bagh St – a exceção é a pequena Pol-e Marnan (ponte Marnan) – mas a maior parte das pessoas se dá por satisfeita com um passeio de Pol-e Si-o-Seh (ponte Si-o-Seh) até Pol-e Khaju (ponte Khaju Bridge) .

    Tradicionalmente, os esfahanis dão uma pausa nas suas tarefas diárias para tomar chá e fumar  narguilé em uma das casas de chá tradicionais nas pontes de Khaju, Chubi e Si-o-Seh. Infelizmente, a maior delas fechou nos últimos anos, e apenas a casa de chá Pol-e na parte norte de Pol-e Si-o-Seh permanece aberta.

    Especulam-se vários motivos para esse encerramento. Alguns habitantes dizem que as autoridades fecharam as casas de chá devido a questões de preservação do patrimônio (com receio de que as grandes botijas de gás utilizadas para aquecer água pudessem explodir e danificar as pontes). Outros estão convencidos de que a ascensão ao poder de conservadores religiosos é a causa para o fechamento das casas de chá, visto que esses são locais populares de socialização entre homens e mulheres.

  14. Sofreh Khaneh Sonnati

    Esse restaurante está localizado logo na saída da praça Imam, e possui um ambiente que lembra o período Qajar (com um toque turístico), decorado com vitrais, azulejos coloridos e    takhts (camas). A comida é espetacular. Recomendamos o biryani típico esfahani e o khoresht-e bademjan (cozido de berinjela), que são muito bem preparados e têm preços razoáveis.

  15. Teria Ani

    Esse é considerado o café mais antigo de Esfahan, e o seu interior escuro, clientela fiel e personagens peculiares, faz com que seja um legítimo bar local.