Ilhas do Caribe

Atrações em Ilhas do Caribe

‹ Anterior

de 3

  1. Bibliothèque

    Marco mais visível de Fort-de-France, a Bibliothèque Schoelcher é uma construção colorida, com abóbada bizantina e um interior ornamentado. Obra do arquiteto Henri Pick, contemporâneo de Gustave Eiffel, foi construída em Paris e exposta na World Exposition, em 1889. Depois, foi desmontada, enviada em partes para Fort-de-France e remontada em sua localização atual. A seção da frente contém livros antigos, móveis de época e uma série de exposições temporárias sobre arquitetura e história local, e a parte de trás é uma biblioteca pública em funcionamento.

  2. Blackbeard’s Castle

    (ingresso US$12)  A partir desse castelo, situado no topo do Government Hill, pode-se ver a cidade. Conta-se que, no século 18, sua torre de alvenaria foi o posto de observação usado pelo pirata Edward Teach, conhecido como Barba Negra. Contudo, os historiadores não dão muito crédito a esse relato. A única certeza é que os dinamarqueses, na época colonial, construíram a torre como instalação militar em 1678. Se quiser uma bela vista do porto, suba as escadas.

  3. Bob Marley Museum

    Para muitos, a Jamaica é sinônimo de reggae e de Bob Marley. A grande casa colonial onde ele viveu e gravou desde 1975 até sua morte, em 1981, é a atração mais visitada da cidade. A construção é protegida por um muro pintado e adornado com fotos e murais rastafáris, inclusive um com seus sete filhos homens. Os discos de ouro e platina de Marley (Exodus, 1977; Uprising, 1980; e Legend, 1984) também estão expostos nas paredes, junto de mantos religiosos rastafáris.

  4. California Lighthouse

    Perto da Arashi Beach, procure pela estrada que leva à ponta norte da ilha. Essa torre foi nomeada em homenagem ao antigo navio naufragado California. A visão do terreno plano que se tem da varanda do farol se estende em todas as direções e, quando o tempo está bom, dá para enxergar até Oranjestad. As ondas quebram e as dunas se prolongam até boa parte do interior.

  5. Calle Mercaderes

    O calçadão de paralelepípedos da calle Mercaderes foi restaurado pelo Gabinete do Historiador da Cidade e hoje
    é quase uma réplica literal da esplêndida rua que foi no século 18. Intercalados com museus, lojas e restaurantes são verdadeiros projetos sociais. A maioria dos museus tem entrada grátis, incluindo a Maqueta de La Habana Vieja (Mercaderes, 114; visita sem guia/guiada CUC$1/2; 9-18h), uma maquete em escala de 1:500 de Habana Vieja acompanhada por uma autêntica trilha sonora que imita o som da vida na cidade. Também há a Casa de la Obra Pía (Obrapía, 158; entrada CUC$1; 9-16h30 ter-sáb, 9h30-12h30 dom), típica residência aristocrática cubana construída em 1665 que hoje abriga um dos projetos sociais mais importantes do departamento histórico da cidade: uma cooperativa de costura e bordado dentro de uma pequena loja que vende roupas e
    tecidos na Calle Mercaderes.

  6. Callwood Rum Distillery

    (entrada US$2) Perto da North Coast Rd., na ponta oeste de Cane Garden Bay, essa é a mais antiga destilaria em operação do Caribe oriental. A família Callwood produz rum Arundel ali há mais de trezentos anos, usando tanques
    de cobre e tonéis de madeira para envelhecimento. Uma pequena loja vende a deliciosa bebida local e oferece tours pela alegre estrutura (altamente recomendado).

  7. Catedral Primada de América

    A mais antiga catedral em funcionamento das Américas. Diego Colombo lançou a pedra fundamental em 1514, mas a construção só começou com a chegada do primeiro bispo, em 1521. Vários arquitetos trabalharam na catedral até 1540, por isso a mistura: sua abóbada é gótica, seus arcos, românicos e sua ornamentação, barroca. Placas em inglês e espanhol ao lado de cada uma das quatorze capelas interiores e outros artigos descrevem a história do local. É proibido usar shorts e blusas curtas para visitar o local.

  8. Cayman National Museum

    A coleção do museu inclui peças sobre a história cultural e natural da ilha e uma interessante apresentação audiovisual. O museu fica na casa mais antiga de George Town, datada de 1830. Mergulhadores vão gostar da maquete que mostra como recifes e paredões se formam.

  9. Chalk Sound National Park

    As águas dessa baía de 4km de extensão, 3km ao sudoeste do centro cidade, são turquesa. A cor é uniforme: um vasto carpete azul magnificamente cravejado de inúmeras pequenas ilhotas. A esguia península isola o som do estreito.
    Ela é recortada por baías alinhadas de praias, com a Sapodilla Bay. Uma estrada esburacada corre ao longo da península, portanto, embora seja acessível, dirija com cuidado. Infelizmente, casas grandes de veraneio enchem os dois lados da península, do começo ao fim, o que arruina a vista e impede o acesso público das estradas para o mar e as praias. No extremo leste da Sapodilla Bay, uma colina rochosa tem gravuras rupestres que datam de 1844. As de rocha são entalhadas com letras românicas que registram nomes dos marinheiros aparentemente naufragados ali e as datas de sua permanência. Uma trilha rochosa, que leva às gravuras, começa 180m a leste do hotel Mariner e sobe 180m até o cume, que oferece vistas maravilhosas da ilha e da enseada Chalk.

  10. Château Dubuc

    Na ponta da península, ficam as ruínas de um casarão do século 17, uma das mais extensas da Martinica, e há um pequeno museu no local. O dono da propriedade ganhou notoriedade por usar uma lanterna como chamariz para os navios – as embarcações encalhavam perto da praia e o homem se lançava à pilhagem. Várias trilhas começam no estacionamento, inclusive uma caminhada de 30min para um farol histórico com uma vista maravilhosa.

  11. Cheddie’s Carving Studio

    O mestre entalhador Cheddie mostra obras em seu estúdio na avenida principal de West End, perto da saída para
    Meads Bay. Passe para testemunhar a mágica transformação de pedaços de madeira esquecidos em esculturas sensacionais.

  12. Devon House

    Essa casa colonial restaurada fica em um terreno ajardinado na ponta noroeste da Hope Rd., no cruzamento com a Waterloo
    Rd. Foi construída em 1881 por George Stiebel, um fabricante de rodas que subiu na vida e se tornou o primeiro negro milionário da Jamaica. Os jardins arborizados atraem os locais que buscam um lugar agradável para ler ou namorar.

  13. Dominica Museum

    Esse museu dá um panorama da história da Dominica e de seu povo. Além de fotos do jovem Jean Rhys, você encontrará artefatos indígenas como machados de pedra e outras ferramentas, adornos (estatuetas de argila dos índios aruaques) e canoas. Painéis informativos detalham o estilo de vida dos caraíbas, a cultura crioula e o comércio de escravos. Fotos e pinturas antigas traçam a história de Roseau, de quando era um charco pantanoso até se tornar a maior cidade da ilha.

  14. Fort Amsterdam

    Esse forte abriga escritórios governamentais e oficiais. Dentro de seu grande jardim, você pode observar as cores vivas da arquitetura colonial holandesa. Partes das antigas muralhas ainda podem ser vistas pelo complexo e há um museu na igreja.

  15. Fort Fincastle e Queen’s Staircase

    Com formato de barco a vapor, esse forte em cima de um morro foi construído pelo lorde Dunmore em 1793 para proteger o porto. Nunca usado, foi convertido em farol. O forte em si não é fascinante, mas pela vista panorâmica do topo vale. Jovens “guias turísticos” tentarão oferecer seus serviços – você não precisa deles. A Queen’s Staircase mostra o caminho até o topo. Entalhada em granito por escravos, a escadaria é um dos cartões-postais mais duradouros da ilha.