Dicas e artigos

Crianças não poderão mais voar no colo dos pais?

Andrea Smith

O Comitê Nacional de Segurança em Transportes quer implementar novos regulamentos para que crianças com dois anos ou menos tenham seus próprios assentos em voos. Uma das recomendações recentemente publicadas para melhorar a segurança de aviões, trens e carros é que a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos proíba que crianças pequenas voem sentadas no colo de adultos.

 

O CNST quer que crianças pequenas tenham seus próprios assentos em aviões.  © Imagem: Biddiboo/Getty Images

O CNST fez essa recomendação porque acredita que turbulências podem causar ferimentos graves, e até morte, em crianças não protegidas o suficiente. De acordo com um membro do CNST, Earl Weener, a reação automática das pessoas é segurar-se durante uma turbulência, fazendo com que soltem a criança temporariamente e, assim, causando-lhe ferimentos.

 

O CNST quer que a AFA proíba que crianças voem sentadas no colo de adultos. © Imagem: Caiaimage/Agnieszka Olek/Getty Images

Uma vez que muitas crianças são pequenas demais para sentar em seus próprios assentos, o CNST sugere o uso de cadeirinhas para carros aprovadas pela AFA que possam ser presas no assento ao lado de um dos pais ou algum outro sistema de segurança aprovado. Embora essa medida aumente a segurança dos pequeninos, é improvável que os passageiros a recebam bem, já que será mais difícil acalmar os bebês quando seus ouvidos doerem – afinal, eles não estarão aconchegados no colo de um dos pais. 

 

Longe do colo dos pais, será mais difícil acalmar os bebês durante o voo. © Imagem: Chris Tobin

Se a AFA acatará a sugestão, ainda não se sabe, já que o CNST fez a mesma recomendação em 2014, 2016 e 2017 e nenhuma ação foi tomada. “Nós temos o cuidado de colocar nossas crianças em cadeirinhas enquanto dirigimos para o aeroporto; deveríamos ser igualmente cuidadosos a bordo de uma aeronave”, relatou o comitê de segurança em 2014.

Este artigo foi publicado em Novembro de 2019 e foi atualizado em Novembro de 2019.