Dicas e artigos

Como calcular o orçamento de uma grande viagem

Como calcular o orçamento de uma grande viagem

Para algumas pessoas, fazer as contas de quanto vai gastar na viagem é uma forma de se empolgar com a aventura que está por vir. Esse é o primeiro passo de seu planejamento e uma maneira de já mergulhar de corpo e alma no destino. Mas essas pessoas, claro, são um pouco loucas.

Para a maioria de nós, calcular gastos da viagem é como ir ao dentista após meses de abuso de açúcar. Mas fazer o orçamento é melhor do que ver seu dinheiro acabar na metade da viagem e ter de ligar pedindo socorro para amigos e parentes. A boa notícia é que são necessários apenas alguns passos simples para livrar você desse estresse. 

 

Descubra quanto vai gastar

Comece o orçamento com os maiores gastos – em geral, aqui entram os voos e a acomodação. Em The Big Trip, da Lonely Planet, apresentamos exemplos de preços para que você tenha uma ideia de quanto custa um quarto, um lanche na rua e uma refeição de restaurante. As páginas de destino deste site e de todos os lonelyplanet.com – por exemplo, lonelyplanet.com/china – também trazem informações específicas sobre os custos do país na seção “informações práticas”. 

Com uma ideia aproximada da duração de sua viagem, você pode calcular um custo diário baseado no preço da diária do hotel e das refeições. Adicione um pouco para as atividades, as entradas de museus, lembrancinhas e uma eventual ida ao concerto.

Dê espaço para um possível gasto maior. Por exemplo, você pode querer tomar um Singapore Sling no Long Bar ou pular de paraquedas no Lago Taupo. O pior tipo de orçamento funciona como uma corrente no pé, impedindo você de aproveitar o que há de melhor na viagem (mesmo que seja um pouco mais caro). Claro que pode sair mais barato comprar lanches no supermercado ou na rua durante sua temporada na Europa, mas, se não provar uma paella em Barcelona, por exemplo, sua viagem não será a mesma.

 

O que gastar antes de ir

No orçamento pré-viagem, inclua o custo do visto, de um seguro de viagem confiável e das vacinas. Alguns viajantes fazem vista grossa para o seguro, mas, se você não pode pagá-lo, é melhor nem viajar. Mesmo que nada se passe errado, ele dá tranquilidade de espírito e, se algum problema de fato ocorrer (perda de bagagem ou cancelamento de voos), você verá que fazer o seguro foi a melhor coisa.

Eu não gosto de investir demais em equipamento de viagem, mas bagagens de qualidade e sapatos confortáveis deixam tudo mais fácil. Adaptadores do tomada, um bom canivete e uma lanterna também podem fazer a diferença, mas sem perder de vista que levar pouca coisa é sempre melhor.

 

Como economizar para viajar

Uma vez que tiver concluído quanto precisará de dinheiro, transforme esse número numa meta. Algumas pessoas o colocam na tela do computador ou na geladeira para ganhar ainda mais motivação para trabalhar todos os dias. 

Vá economizando como se estivesse numa competição: o número total é o seu grande objetivo. Mas, se para você é difícil poupar, use softwares como Pear Budget ou Mint – este segundo inclui funções de contagem regressiva de economias (quanto falta para atingir a meta) e sugere modos de cortar despesas. Se não alcançar a meta, você pode voltar no orçamento inicial e fazer mudanças – e talvez provar o Singapore Sling em um bar mais barato. 

A regra mais importante para o orçamento é flexibilidade, de forma que ele permita um exagero aqui e ali (e também mais economia quando preciso), pois assim você tira boa parte do estresse da viagem e ainda não terá de lidar com uma enorme fatura de cartão de crédito na volta. Um pouco de planejamento no começo da viagem pode prevenir situações constrangedoras de contar moedas e negociar desesperadamente, sob o risco de aproveitar menos sua viagem por isso.

Como guardar o dinheiro quando estiver na estrada

Antes de ir, algum amigo com certeza vai querer emprestar para você uma daquelas pochetes horrorosas que já foi “tão útil” para ele. Não que haja algo de errado em carregar o dinheiro em cintos ou pochetes, mas também é prático simplesmente guardar as notas nos bolsos internos da jaqueta.

Levar dinheiro em formas diferentes e distribui-lo em lugares diferentes é sempre uma boa ideia. Diversifique levando um pouco de dinheiro vivo, um cartão de crédito e outro de débito, que possa ser usado nos caixas eletrônicos (se o de crédito não tiver essa função). Embora sempre haja bons caixas eletrônicos para Visa, Mastercard e outros cartões das principais companhias, eles podem quebrar ou ficar sem dinheiro bem na hora em que você precisar pagar aquele motorista de táxi meio assustador. Por isso, às vezes dinheiro vivo é a melhor opção. Gosto de levar uma “caixinha” – uma pequena quantidade de dinheiro solta (em bolsos, na mochila etc.) para pagar as coisinhas do dia a dia. Assim, caso algum trombadinha se arrisque com você, ele não fará a menor ideia de onde o dinheiro realmente está. 

Este artigo foi publicado em Novembro de 2012 e foi atualizado em Novembro de 2014.