Dicas e artigos

Delícias terrenas: os melhores jardins botânicos do mundo

Andy Murdock

Você é um amante de plantas? Se não, pode ser uma surpresa saber que flores atraem milhões de visitantes para jardins botânicos todos os anos, com os mais famosos recebendo mais de um milhão de visitantes cada.

O que torna um jardim realmente bom? Segundo o arquiteto Luis Barragán, ele deve “combinar o poético e o misterioso com uma sensação de serenidade e contentamento”. Botânicos e jardineiros acrescentariam legendas precisas e raridades espetaculares à lista de exigências; para viajantes, refletirem um lugar e cultura é a chave; crianças, por outro lado, podem querer outras coisas para olhar além das plantas – e provavelmente guloseimas.

Os jardins botânicos que fazem sucesso hoje em dia encontraram formas novas de chamar a atenção: arborismo, concertos ao ar livre, instalações artísticas, restaurantes, áreas de recreação e mais. Aqui vão alguns dos mais espetaculares, que com certeza agradarão os antófilos convictos e novos convertidos.


Uma passarela elevada serpenteia acima do Kirstenbosch National Botanical Garden, em Capetown © EcoPic / Getty Images

Kirstenbosch National Botanical Garden, Cape Town

Ao lado do Table Mountain National Park, na África do Sul, o Kirstenbosch National Botanical Garden possui um cenário invejável. Dos mais de 500 hectares do parque, menos de 10% são cultivados; o resto é selvagem. Essa área protege a fauna indígena e o peculiar fynbos da África do Sul, uma vegetação rasteira que inclui membros de diferentes famílias, além de um arbusto familiar aos amantes de chá: rooibos e  honeybush. Trilhas levam os visitantes do jardim formal para a terra selvagem e incluem duas rotas que sobem a Table Mountain para os mais aventureiros. O jardim também é o lar de uma coleção de esculturas que inclui um busto de Nelson Mandela, diversas esculturas de pedra africanas além de dinossauros em tamanho real passeando por entre as palmeiras.


Superárvores nos futurísticos Jardins da Baía de Singapura © Nikada / Getty Images

Jardins da Baía, Singapura

Como é o futuro da construção ecológica? Pode ser algo como os Jardins da Baía de Singapura, que certamente são futurísticos (e ecológicos). Os jardins, que custaram meros 1 bilhão de dólares, incluem um enorme Domo das Flores, que replica climas como o mediterrâneo, florestas de altitude e uma poderosa queda d’água, além de uma passarela que serpenteia por entre o topo das arquiteturais “superárvores”, isso sem falar no parque aquático no jardim das crianças e um encantador show de luzes à noite. Se seu gosto é mais tradicional, a apenas 7km de distância fica outro concorrente: o histórico Jardim Botânico de Singapura, lar do Orquidário Nacional.  


A Alameda das Palmeiras Reais, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro © Ferdi Merkx / Getty Images

Jardim Botânico, Rio de Janeiro

Olhe para baixo do alto do Corcovado e ali, embaixo do icônico Cristo Redentor, você verá os 140 hectares do Jardim Botânico, parte jardim desenhado, parte floresta tropical. Os 134 espécimes da frequentemente fotografada Alameda das Palmeiras Imperiais são todos descendentes de uma única árvore da época da fundação do jardim, em 1808. Os fãs de orquídeas devem ir ao orquidário para ver algo em torno de 600 espécies, enquanto os amantes de plantas aéreas e abacaxis terão muito para ver entre as 15.000 espécies de bromélias na estufa do bromeliário ou espalhadas por aí.


Dentro da nova Temperate House do Kew Gardens, a maior estufa vitoriana do mundo © Charles Bowman / Getty Images

Kew Gardens, London

Kew Gardens tem tudo que faz um ótimo jardim botânico: história, diversidade, plantas raras, sinalização clara, pesquisa ativa, paisagismo e atrações para visitantes que não sabem a diferença entre stamem e stigma. A uma pequena viagem de trem do centro de Londres, Key é um paraíso pacífico e arborizado que pode ser explorado durante dias. Não perca a recentemente restaurada Temperate House (a maior estufa vitoriana do mundo), a passarela suspensa de 200m de comprimento e a 18m de altura, ou A Colmeia, uma escultura multissensorial que te permite conhecer as vidas das abelhas de Kew. Os visitantes da primavera recebem o bônus de uma multidão de flores roxas forrando o chão.


É difícil acreditar nisso agora, mas o Butchart Gardens costumava ser uma pedreira © Cybernesco / Getty Images

Butchart Gardens, Vancouver Island

Butchart Gardens, a uma breve viagem de carro de Victoria, começou sua vida como uma pedreira para uma fábrica de cimento. Quando o depósito de calcário terminou, a proprietária Jennie Butchart quis algo mais bonito em seu quintal e começou a criar o que é hoje o Sunken Garden, em uma das atrações mais populares da Ilha de Vancouver. Os jardins são famosos por sua coleção de rosas, as cores de outono no jardim de bordos japoneses é como um lugar para um chique chá da tarde. Sua localização à beira mar dá aos visitantes a opção de chegar de barco (ou hidroavião, se você por acaso tiver um à mão), uma opção prática e bonita, já que te permite cortar a fila da entrada principal.


Se você é louco por musgos, o Saihō-ji, em Kyoto, é seu lugar © Moment Open / Getty Images

Saihō-ji, Kyoto

Como em outros jardins pelo Japão, você pode encontrar folhas vermelhas caindo pelas bordas no outono e ramos altos de bambu ondulante, mas os jardins de Saihō-ji são famosos por algo menor: musgo. Mais de 120 espécies de musgo atapetam o chão (e as paredes) desse templo de mais de 1200 anos e listado pela Unesco, daí seu apelido “koke-dera” (Templo do Musgo). Não espere pequenas placas com nomes em latim: a menos que você traga uma lupa, o jeito certo de apreciar esse jardim é observar as mudanças sutis de verde, as texturas variadas e a forma como as paisagens humanas e naturais alcançaram harmonia ao longo de séculos. Se planeje com antecedência: Saihō-ji limita fortemente o número de visitantes para manter a atmosfera religiosa do templo e os visitantes devem conseguir uma reserva enviando um pedido por correio com pelo menos três semanas de antecedência (uma carta modelo está disponível online).


O Limahuli Garden – parte do National Tropical Botanical Garden, que opera em diversas localidades em Kaua'i’ © SUNGJIN AHN PHOTOGRAPHY / Getty Images

National Tropical Botanical Garden, Kaua’i

Com seu centro em Kaua’i, as diversas partes do National Tropical Botanical Garden trabalham para preservar a diversidade da flora tropical e proteger espécies raras à beira da extinção. A maior parte dos visitantes vai para os jardins de Allerton e McBryde, na costa sul, perto de Po’ipu. O Allerton Garden é o sonho tropical de um paisagista, enfiado bem no meio do vale de Lawaʻi e completo com um rio e uma praia. O jardim e as figueiras de Moreton Bay, com seus troncos ondulantes, já apareceram em diversos filmes e séries de TV, de Ao Sul do Pacífico a Parque dos Dinossauros. Para um tour independente, os visitantes podem pegar um shuttle no McBryde Garden e explorar os 20 hectares em que habitam importantes espécies etnobotânicas nativas do Havaí, especiarias tropicais de todo o mundo e “plantas de canoa” trazidas pelos primeiros polinésios a chegarem ali. Na costa norte, o Limahuli Garden é uma viagem quase mística no tempo, de volta aos primeiros jardins dos que chegaram ali.


Isola Madre pode não ser o maior jardim nessa lista, mas é difícil bater sua localização no Golfo Borromeo © Matteo Colombo / Getty Images

Isola Madre, Lagos Italianos

As vezes o principal em um ótimo jardim é sua localização. É difícil imaginar um lugar mais romântico que a Isola Madre, umas das minúsculas Ilhas Borromeas no Lago Maggiore na Itália. Com um cenário emoldurado pelos picos nevados dos Alpes, esse luxuoso jardim cerca um palazzo construído entre os séculos 16 e 17. Dentro você pode ver a coleção de bonecas da Condessa Borromeo, incluindo uma coleção bem assustadora de marionetes demoníacas. Melhor ficar do lado de fora, com os pavões brancos, além de uma coleção notável de rododentros, camélias e outras plantas exóticas. Ali perto, a Isola Bella tem mais jardins, mais pavões e um dos palazzos mais chiques da Itália e pode ser visitada com um bilhete combinado de balsa.


As flores não são a única coisa que vale a visita no Jardim Botânico de Denver – ele também é famoso por suas esculturas © Helen H. Richardson / Getty Images

Denver Botanic Gardens, Colorado

Um dos jardins mais visitados da América do Norte, o Jardim Botânico de Denver prova que uma altitude elevada não é obstáculo para a beleza. As especialidades incluem plantas alpinas e plantas do oeste americano. O Mordecai Children’s Garden não é um simples playground: é um tour de seis ecossistemas locais para ajudar crianças (e pais) a se conectarem com a natureza. Se as plantas não te atraírem, provavelmente a música ou a arte vão: a série de concertos no verão sempre apresenta grandes nomes e as instalações de artistas renomados mundialmente aparecem com regularidade. Do Dia de Ação de Graças até o Ano Novo, o York Street Garden se transforma em uma floresta reluzente de cores para a celebração anual Blossoms of Light.

Este artigo foi publicado em Março de 2019 e foi atualizado em Março de 2019.