Dicas e artigos

Por que agora é a hora de visitar o Uzbequistão

Bradley Mayhew

As joias do Uzbequistão são velhas conhecidas de exploradores aventureiros. As cidades da Rota da Seda, Bukhara, Samarkand e Khiva possuem alguns dos exemplos mais lindos de arquitetura islâmica no mundo. Bazares frenéticos, cidadelas meio escondidas pelo deserto, oficinas de seda e a chance de dar uma olhada no Mar do Aral, a caminho do desaparecimento, são atrações de primeiro nível e o país também é um conveniente ponto de partida para trilhas e viagens pela Ásia Central.  

As coisas que afastaram viajantes no passado – vistos complicados, um controle arraigado da era soviética e a situação ruim do país em relação a direitos humanos – começaram a mudar e mudar rápido.


As novas políticas do Uzbequistão tornaram mais fácil visitar seus impressionantes monumentos, como o Registan © Dinozzzaver / Shutterstock

Com o Uzbequistão abrindo as portas para os viajantes e o mundo, nunca houve momento melhor para essa tão sonhada viagem ao coração da Ásia Central, antes que o resto do mundo chegue lá.

Uzbequistão em contexto

Com a morte do presidente Islam Karimov em 2016, o Uzbequistão vem lentamente, mas com firmeza, saindo do congelamento politico (e turístico). O sucessor afeito a reformas de Karimov, Shavkat Mirziyoyev, instituiu diversas mudanças importantes, como reformas nos serviços de segurança e um encontro com o presidente dos Estados Unidos em maio de 2018. Um ar de esperança e otimismo reservado é notável no Uzbequistão atualmente.

Claro que nem tudo é perfeito. As violações de direitos humanos continuam, persistem os problemas sobre o suposto trabalho forçado na indústria de algodão e ainda não há uma oposição política organizada. Mas as coisas estão indo na direção certa. No ano que se seguiu às reformas de Mirziyoyev, o turismo no Uzbequistão teve um salto de 25%. Enquanto o país abandona seu passado repressor e os turistas mais convencionais descobrem as riquezas arquitetônicas e história da Rota da Seda desse país fascinante, o número de turistas deve continuar aumentando. Isso torna agora o momento perfeito para visitar o país, enquanto ainda está relativamente livre das multidões, mas facilmente acessível. 


Loja acesa durante a noite no átrio da medressa de Sher Dor em Samarkand © Dinozzzaver / Shutterstock

Vistos

O ambicioso plano do Uzbequistão para instituir viagens livres de visto – anunciado em 2017 – foi arquivado até 2021, mas a questão dos vistos já é muito mais fácil do que um ou dois anos atrás. Em 2018, o Uzbequistão introduziu vistos de 30 dias que substituíram os antigos vistos de 15 dias. Em seguida, viagem sem vistos foi instituída para turistas de Israel, Malásia, Japão, Coreia do Sul, Indonésia, Turquia e Singapura.

A antes complicada “Carta de Convite” já não é necessária para cidadãos de mais de 40 países, incluindo os EUA, Canadá, nações da União Europeia, Austrália, Nova Zelândia, Índia e China. Isso quer dizer que tirar um visto de 30 dias é agora um procedimento padrão, disponível em dois ou três dias em embaixadas de todo o mundo. E-visas vão entrar em uso em julho de 2018, começando pelos cidadãos indianos, com planos para que outras nacionalidades sejam incluídas.

Cruzando Fronteiras

Um desenvolvimento significante para viajantes é que muitas das fronteiras do Uzbequistão com o Tajiquistão, que passaram muito tempo fechadas, foram reabertas em 2018, incluindo a antigamente popular passagem de Samarkand para Penjikent. Isso quer dizer que os visitantes podem novamente usar Samarkand como ponto de partida para passeios de um dia até as ruínas de Sogdian na antiga Penjikent, ou para incríveis trilhas de vários dias nas Montanhas Fan, a apenas algumas horas de distância.

A abertura dessas fronteiras também torna muito mais fácil para os viajantes que gostam de pacotes completos viajar por terra pela Ásia Central, onde antes voos caros e vistos causavam dificuldades, atrasos e custos altos.


Estação de Bukhara: o trem de alta velocidade que liga Bukhara a Samarkand foi inaugurado em 2016 © Julia Drugova / Shutterstock

Novas conexões de trem

Se locomover pelo Uzbequistão fica mais fácil a cada dia. Trens de alta velocidade agora conectam Tashkent a Bukhara e Samarkand (essa última parte abriu em 2016). A linha irá, no fim de 2018, se estender por todo o deserto até a antiga Khiva, oferecendo uma bem-vinda alternativa a longa viagem de carro cruzando o deserto de Karakum. Rotas de trem agora também evitam passar pelos vizinhos Turcomenistão e Tajiquistão, o que dispensa o controle de passaporte. Em 2017, a abertura de um trem direto entre Tashkent e Andijon passando pelo túnel Kamchik tornou muito mais fácil chegar ao vale de Fergana, com trens diários rápidos e confortáveis.

Em junho de 2017, um novo trem foi inaugurado ligando o Uzbequistão a Astana, no Cazaquistão, acrescentando novas rotas de viagens para os visitantes de toda a região.

Voos

Conexões aéreas diretas entre Tashkent e Dushanbe (a capital do Tajiquistão) recomeçaram em 2017 pela primeira vez em 25 anos, representando um importante degelo nas relações entre os dois países. Em 2018, a Turkish Airlines começou com voos duas vezes por semana entre Samarkand e Istanbul, o que significa que você não precisa mais passar por Tashkent para chegar à reluzente capital histórica de Tamerlane.

Voos entre Tashkent e Kabul também começaram em 2018, e voos diretos à vizinha Ashgabat estão nos planos, reconectando o Uzbequistão ao vizinho Turcomenistão pela primeira vez em mais de uma década. Por toda a Ásia Central, os fios da Rota da Seda estão sendo reamarrados, conectando antigas rotas de comércio e abrindo novas opções de viagens pela região.


Além de desmantelar o mercado negro, devido à inflação o Uzbequistão introduziu a nota de 50.00 som em 2017, para facilitar. © Megan Eaves / Lonely Planet

Dinheiro

Em 2017, o mercado negro do Uzbequistão foi abolido, literalmente do dia pra noite. Os viajantes não precisam mais trocar escondido notas de US$100, em bazares mal iluminados e com grupos suspeitos de homens de moletom. Agora você pode simplesmente entrar num banco e receber a mesma taxa de câmbio que no mercado aberto. Com as taxas de banco e mercado equalizadas, finalmente faz sentido (pela primeira vez em anos) usar caixas eletrônicos no Uzbequistão. Outra dor de cabeça do viajante foi sanada.

Comunicações

Aplicativos de comunicação como Skype, Viber e WhatsApp voltaram a funcionar em 2018, depois de serem “inutilizáveis” por três anos. Facebook, Instagram e outras redes sociais também funcionam bem aqui, o que é bom para os viajantes que querem registrar aquela foto perfeita do pôr do sol rosa neon sobre os azulejos reluzentes de Registan.


Povo hospitaleiro: artistas demonstram música e dança uzbeques tradicionais na antiga cidade de Khiva, que em breve será conectada ao trem de alta-velocidade © Christophe Cappelli / Shutterstock

Atmosfera relaxada

Igualmente tangível é a mudança de humor dentro do país. A polícia e oficiais de imigração uzbeques não precisam mais ser evitados a qualquer custo. As propinas diminuíram em toda parte, de guardas de trânsito a oficiais de aeroportos. Uma atmosfera mais relaxada pode ser sentida por todo o país. Agora você pode tirar fotos das impressionantes estações de metrô de Tashkent pela primeira vez desde sua construção na era soviética.

Embora seja importante reconhecer que o Uzbequistão ainda fique atrás de alguns países vizinhos, especialmente no que diz respeito a direitos humanos, mudanças para melhor estão definitivamente a caminho. Há um sentimento de otimismo, de que os viajantes irão responder aos esforços do Uzbequistão para melhorar e se abrir e nós esperamos que mudanças positivas possam continuar acontecendo através da atitude hospitaleira do Uzbequistão em relação a pessoas de todos os cantos.

Este artigo foi publicado em Dezembro de 2018 e foi atualizado em Dezembro de 2018.