Dicas e artigos

As melhores cidades para 2019

Dez cidades para os seus planos desse ano

 

1. Copenhagen, Dinamarca

A capital dinamarquesa do cool é implacável. O restaurante de comida neo-nórdica Noma faz os gourmands se derreterem com suas novas instalações, fazenda urbana e menu escandinavo inovador. A efervescente cena de comida de rua da cidade também arrebenta no Refshaleøen, onde um antigo embarcadouro foi reformado para se tornar o Reffen, um mercado de comida e artesanato. O parque de diversão Tivoli Gardens espanta a melancolia do inverno com uma nova temporada em fevereiro, enquanto o Amager Bakke, um centro de conversão de detritos em energia, deixa todos boquiabertos com sua incrível pista de esqui e trilhas para caminhada. O Centro de Arquitetura Dinamarquesa se mudou para o faladíssimo BLOX, centro cultural desenhado por Ellen van Loon, e a linha de metrô Cityringer, com finalização prevista para o meio de 2019, tornará ainda mais fácil se aventurar por toda a cidade.


Porto de Nyhavn no centro Copenhagen © trabantos / Shutterstock


2. Shēnzhèn, China

Bem-vindo à cidade mais inovadora da China – Shēnzhèn – o “Vale do Silício” chinês. Atraídos por novos projetos de design e inovação tecnológica, profissionais criativos estão tomando a cidade, que fica  junto à fronteira de Hong Kong, na China continental. Antigamente conhecida por ter uma opção de vida noturna mais barata que Hong Kong, Shēnzhèn agora tem uma agitada cena de música alternativa, cafés descolados, um pequeno contingente de cervejarias artesanais e um novo distrito de artes que nasceu das ruínas de antigos depósitos. Os últimos três anos viram a inauguração da Design Society, em parceria com o Museu Victoria & Albert de Londres, além do Museum of Contemporary Art & Planning Exhibition (MOCAPE) e o complexo de arte OCT-LOFT.


O Distrito Financeiro de Ping An (Kohn Pedersen Fox) se destaca no horizonte de Shēnzhèn © HelloRF Zcool / Shutterstock


3. Novi Sad, Sérvia

Elegante, mas relaxada, Novi Sad brilha sob os holofotes, desafiando seu status de “segunda cidade” e fazendo valer seu apelido. O “novo jardim” da Sérvia é lar do agitado festival EXIT, cuja 20ª edição coincide com o reinado da cidade como Capital Europeia da Juventude de 2019. Para comemorar esse revival, a Cidade Baixa da Cidadela de Petrovaradin está ganhando uma reforma, e a dilapidada Chinatown floresceu em um distrito de cultura alternativa. Fervilhando com energia criativa, o novo Gradić Fest está reinvigorando Petrovaradin com música, cinema, teatro e arte, enquanto Novi Sad se preparara para receber mais uma coroa – a de Capital Europeia da Cultura de 2021.


Vista da igreja Nome de Maria em Novi Sad © vestica / Getty Images


4. Miami, EUA

Famosa por suas belas praias e vida noturna agitada, Miami há tempos cativa os viajantes que buscam um pedaço de paraíso tropical enquanto o resto da América do Norte treme de frio. Embora a Magic City ainda seja um bom lugar para escapar do inverno, os últimos anos viram Miami se tornar um agitado centro de artes, além de um destino gastronômico e inovador em design urbano. O centro da cidade continua a se renovar com a chegada de um celebrado museu de ciências de $305 milhões, enquanto o Design District se tornou um ímã cultural, com arquitetura chamativa (incluindo os novos Museum Garage e Institute of Contemporary Art), instalações de arte públicas e uma ampla nova programação cultural.


Quando em Miami… ande de skate na Ocean Drive © LittleNY / Shutterstock


5. Kathmandu, Nepal

Após o terremoto de 2015, notícias de Kathmandu mostravam uma cidade destruída e de luto, mas hoje a narrativa gira em torno de reconstrução e rejuvenescimento. Claro, ainda há trabalho a ser feito na restauração de monumentos magníficos que desmoronaram no desastre, mas lugares históricos estão tendo sua antiga glória devolvida, e ações para diminuir o trânsito cansativo da cidade (com seu barulho e nuvem de poluição) tornaram Kathmandu mais habitável do que em qualquer momento das últimas décadas. Há até o bônus do conforto de eletricidade confiável e wi-fi nas autênticas e labirínticas vielas da cidade velha.


Monges em um monastério em Bodhnath © DET-ANAN / Shutterstock


6. Cidade do México, México

A capital mexicana foi testemunha de séculos de desenvolvimento arquitetônico e movimentos artísticos. As construções pré-hispânicas dos astecas se elevam do solo macio da cidade enquanto catedrais coloniais resistem ao tempo, e maravilhas modernas como o Museo Soumaya reluzem sob o sol onipresente. Por esses motivos, e outros mais, a Cidade do México foi nomeada Capital Mundial do Design em 2018. A CDMX (Ciudad de México) é a sexta cidade a receber esse título - e a primeira nas Américas. Conforme a classe criativa emerge, ela abraça a influência de séculos de antigas tradições, provando que o design é uma ferramenta eficiente para o desenvolvimento econômico, social e cultural.


O Palacio de Bellas Artes da Cidade do México fica ao lado do parque Alameda Central © Maria Swärd


7. Dakar, Senegal

Uma das cidades mais dinâmicas da África, Dakar oferece uma mistura vertiginosa de praias ensolaradas, mercados coloridos e casas noturnas movidas a mbalax, de onde dançarinos bem vestidos emergem para o sol da manhã enquanto o primeiro chamado para a reza flutua pela paisagem tropical. Apesar de sua miríade de atrações, a capital litorânea do Senegal é há muito tempo subestimada por muitos viajantes. Isso deve mudar com a cidade sendo posicionada como o novo hub aéreo do oeste africano. Para tal, foi inaugurado um novíssimo aeroporto, um empreendimento de $600 milhões que levou mais de dez anos para ser construído.  


As deliciosas praias da costa de Dakar © Dereje Belachew / 500px


8. Seattle, EUA

Inteligente, progressista e cheia de energia criativa, Seattle raramente sai dos holofotes globais. Em uma cidade que tem o hábito de transformar ideias locais em marcas internacionais, a Amazon é a manchete do momento. A maior loja on-line do mundo transformou radicalmente um bom pedaço do bairro de Denny Triangle, criando uma densa zona comercial com sofisticados prédios de escritórios ancorados por um trio de inovadoras “esferas” de vidro onde trabalhadores dividem o escritório com 40.000 plantas. Ali perto, o emblemático Space Needle recebeu sua maior reforma em 50 anos, enquanto, na beira da água, um túnel de um bilhão de dólares substituiu um feio viaduto de concreto.


O Space Needle, de 1962, se impõe no horizonte de Seattle © emperoroscar / Shutterstock


9. Zadar, Croácia

Zadar se ergueu das cinzas de seu passado de guerra e floresceu em uma cidade espirituosa e cosmopolita. Passeie pela Cidade Velha e sua coleção de ruas de mármore reluzente para descobrir bares legais e cafés tranquilos, antigas ruínas romanas, museus inovadores e restaurantes rústicos ao estilo das trattorias. A verdadeira fênix na transformação da cidade é seu criativo calçadão na orla, onde locais se reúnem para ouvir os sons mágicos do Órgão do Mar, ou admirar as luzes hipnóticas do Momumento ao Mar. O pequeno tamanho de Zadar rapidamente conecta os viajantes à vida e cultura locais, com qualquer receio de claustrofobia logo espantado pela ampla vista do Mar Adriático.


Drinques ao pôr do sol perto da orla de Zadar © PATSTOCK / Getty Images


10. Meknès, Marrocos

O famoso sultão guerreiro que moveu a capital do Marrocos para Meknès em 1672 estaria se revirando no túmulo se soubesse quão poucos visitantes a cidade recebe hoje em comparação a Fez e Marrakesh. Moulay Ismail saqueou os palácios de Marrakesh e as ruínas romanas de Volubilis, cidade próxima, para obter pedra e mármore para suas pesadas fortificações que ainda emolduram a cidade, gigantescos depósitos subterrâneos de comida e um magnífico bab (portão), feito para ofuscar até mesmo o Portão Azul de Fez. No coração da cidade, o elaborado mausoléu de Ismail é um tesouro nacional, e está previsto para ressurgir logo de uma restauração completa que levou dois anos, dando aos viajantes mais uma razão para vigiar essa subestimada cidade imperial.


Sol batendo na fachada dourada de Bab el-Mansour © Karol Kozlowski / Shutterstock

Este artigo foi publicado em Outubro de 2018 e foi atualizado em Outubro de 2018.