Dicas e artigos

Melhorando sua conexão: a nova cultura cool de Quito

Julia Eskins

Deixe para Quito silenciosamente ocupar a posição de capital do cool na América Latina. Essa cidade equatoriana vem há tempos recolhendo títulos impressionantes, como o de primeira cidade a ser considerada Patrimônio da UNESCO em 1978, mas foi só recentemente que ela se tornou um destino para arte e cultura contemporânea.


Quito vale mais do que uma breve parada © Mike Matthews Photography / Getty Images

Hoje, Quito é mais do que uma conexão com herança histórica para os viajantes que seguem para as Ilhas Galápagos ou a floresta Amazônica – ela é lar de uma das cenas criativas mais vibrantes da América do Sul. Aqui, as pizzarias também servem como casa para shows alternativos ou leituras de poesia com cunho político, enquanto bairros boêmios são o lar de murais, estúdios de arte e festivais de food trucks. Se as exposições bem-conceituadas do Centro de Arte Contemporáneo (o único museu de arte contemporânea do Equador) são indicadores de algo, é que o apetite por novos talentos está mais forte do que nunca. Depois de ter visitado as catedrais coloniais do centro histórico e ter recuperado o fôlego a 2849 metros acima do nível do mar, abra espaço para algumas das atividades ecléticas da cidade.


Você não pode perder a fachada colorida do Ocho y Medio, pintada pela artista local Ana Fernández (Miranda Texidor) © Julia Eskins / Lonely Planet

Mergulhe nas artes

Para chegar no epicentro urbano da cena artística de Quito, vá ao bairro de La Floresta, lar de uma crescente comunidade de cineastas, artistas e escritores. O aluguel barato atraiu essa população criativa ao bairro nos anos 1990 e levou a um esforço comunitário por melhores políticas públicas para galerias independentes, produções cinematográficas e espaços colaborativos. Avance para 20 anos depois e você irá encontrar a área salpicada pelos frutos desse esforço, incluindo o No Lugar, um centro de artes contemporâneas e espaço para oficinas. A história continua nas ruas, onde murais pintados por lendas locais como La Suerte e Apitatán se tornaram a estrela de walking tours gratuitos pelo bairro. “É provavelmente o bairro com a maior concentração de empreendedores culturais no país” diz Antonio Portilla (também conhecido como Tuno), guia da Quito Street Tours. “O estilo dos artistas – vários deles mulheres – é muito diferente do de artistas em outros países. Há uma tendência a focar em plantas, animais, conservação da natureza e protesto social contra racismo e estereótipos machistas.”


Houve um boom nas cervejas artesanais do Equador e Quito possui diversas cervejarias locais © JUAN CEVALLOS / Getty Images

Embarque em um tour cervejeiro

Correntes de empoderamento cultural fluíram para a cena de cerveja artesanal de Quito, que cresceu até chegar a 20 microcervejarias na última década. Quito é conhecida como o primeiro lugar na América do Sul a fazer cerveja (graças a um monge flamenco que trouxe cevada e trigo para a cidade em 1535), mas só recentemente a tradição das  cervezas artesanales foi revivida. Dentre as cervejarias de nicho estão a Zambo Creek Microcervecería, uma cervejaria composta apenas por mulheres e fundada pelas irmãs Laura e Paulina Boada. Juntas, elas estão trabalhando para mudar a cultura cervejeira dominada pelos homens do Equador e incentivam a agricultura local: elas incorporam folhas de chás amazônicos, café e cacau ao processo. Outros gastropubs inovadores, como o Bandidos Brewing, convidam os clientes a misturar história e cervejas. Sua filial principal fica dentro de um edifício colonial espanhol com uma capela, uma forma refrescante de finalizar um dia de turismo no centro histórico. Junte-se a um tour de cerveja artesanal para ter a experiência completa, o que inclui conhecer alguns mestres cervejeiros, degustações e visita a lugares amados pelos locais como a Altar Cervecería.


A banda local Da Pawn toca em uma casa de Quito © Da Pawn

Ache os sons locais

Passeie pelas encantadoras ruas de paralelepípedos de La Ronda em uma sexta à noite e você provavelmente vai ouvir a música folk equatoriana escapando dos minúsculos bares. Salsa e canelazo (uma bebida feita de frutas cítricas, canela e aguardente) começam a fiesta, mas é o amor de Quito pela música que a mantém animada. Para além dos sons tradicionais, a cidade é lar de uma cena musical inovadora, pontuada por gêneros que vão do ska-jazz ao hip-hip andino. Graças a popularidade das bandas locais Swing Original Monks e Da Pawn, a música da cidade transcendeu as fronteiras do Equador. O baterista e empresário do Da Pawn, Pedro Ortiz diz, "A cena musical de Quito é incrivelmente vibrante e diversa. Artistas locais tocam música tradicional das ruas e praças e, ao mesmo tempo, você pode entrar em uma casa de shows e ouvir uma banda de heavy metal. O que torna a cena musical tão interessante é que a maior parte dos artistas que tocam ao vivo também produzem os shows. Então a cultura do faça você mesmo tem raízes profundas.” O trabalho musical da cidade pode ser ouvido em lugares descontraídos em qualquer noite: vá ao Cafe Democrático para shows ao vivo nas quintas, sextas e domingos, ao Dirty Sanchez para rock boêmio, à Casa Pukara para hip-hop e ao Parque La Carolina para batalhas de rap nos fins de semana.  

Com festivais o ano inteiro, é quase impossível passar pelas praças e parques de Quito sem esbarrar em artistas de rua. O destaque do verão é o Verano de las Artes (Verão das Artes), que acontece no bonito Parque Itchimbia em três fins de semana de agosto. O evento gratuito junta mais de 175 artistas equatorianos e do resto da américa latina, além de vendedores locais e food trucks.


Aproveite um saboroso café e almoço no Botánica © Botánica

Experimente os melhores sabores de Quito

A comida de rua é uma instituição em Quito, onde vendedores servem de tudo, de sopas fumegantes até tortillas de tiesto (panquecas de milho). Os Food Trucks tomaram a cidade e praças com esse estilo de empreendimento surgem em todo lugar, no entanto, os inovadores culinários da cidade mantiveram tradições da rua, em uma terra em que qualquer hora é hora da comida. Para provar pratos diversos, vá ao Bunker Food Park na Avenida Gribaldo Miño (abre nas noites de segunda a sexta e nas tardes de sábado e domingo). Em La Floresta, o parque de comida de rua La Platea fica na Avenida La Coruna com a Francisco Salazar (abre 12h-22h terça e quarta, 12h-00h sexta e sábado e 12h-17h domingo).

Uma viagem a Quito não está completa sem que você prove o chocolate premiado da Kallari, ou entre em um dos muitos cafés da cidade para uma xícara de café equatoriano. O antídoto perfeito para o frio andino pode ser encontrado no Botánica, um café-boutique que vende itens feitos de material reciclado. Fique um pouco e você com certeza irá apreciar Quito de uma maneira nova, uma antiga cidade de pedra que hoje exibe sua criatividade. Dentro desses espaços inovadores, a criatividade ruge.

Este artigo foi publicado em Outubro de 2018 e foi atualizado em Outubro de 2018.