Dicas e artigos

Como viver em Barcelona como um local

Esme Fox

A autora do Lonely Planet Esme Fox se apaixonou por Barcelona pela primeira vez dez anos atrás em uma viagem de trem pela Espanha, e hoje ela tem a sorte de chamar a cidade de lar. Particularmente, ela ama a maneira como Barcelona ainda a surpreende, mesmo depois de todo esse tempo. Toda vez que você vira uma esquina pode dar de cara com um festival animado, um show ao ar livre, uma nova arte de rua ou uma joia arquitetônica que nunca notou antes.


As chaminés de mosaico no telhado do Palau Güell © Lisa A / Shutterstock

Quando amigos vêm visitar… eu os levo a algumas das atrações mais subestimadas de Barcelona: o Recinto Modernista de Sant Pau, um antigo hospital que é hoje patrimônio tombado pela Unesco e o maior complexo modernista do mundo; e o Palau Güell, um dos primeiros prédios de Gaudí e muito menos cheio que os mais famosos La Pedrera e Casa Batlló. Eu nunca os levo a La Rambla. Pode ser icônico, mas é cheia demais e as lojas de kebab, pubs irlandeses e lojas de lembrancinhas não são a cara da cidade – as ruas laterais são muito melhores.


O Recinto Modernista de Sant Pau é o prédio favorito de Esme em Barcelona© Brian Kinney / Shutterstock

Quando estou a fim de sair à noite... eu vou a Gràcia, com sua vida noturna animada, praças vibrantes, restaurantes internacionais e bares excelentes. Um dos meus lugares favoritos é o El Ciclista Cocktail Bar, onde partes de bicicletas foram transformadas em mesas, luminárias e decoração. Eles também servem uma ótima seleção de gim-tônicas. Qualquer um dos bares com terraços na Plaça de la Virreina ou Plaça del Sol também são boas opções.


Esme (à direita) explorando a orla de Barceloneta © Esme Fox / Lonely Planet

Um fim de semana típico envolve... ir à praia no verão – com frequência está calor demais para qualquer outra coisa. Eu quase nunca vou às praias da cidade, porém, já que são cheias demais e não tão limpas quanto as que ficam fora. Em vez disso, eu pego 30 minutos de trem para o norte ou sul, para lugares como Caldes d’Estrac ou Sitges. Quando o tempo fica um pouco mais fresco, você me encontra fazendo trilhas nas colinas do Parc de Collserola, admirando a vista ou de olho nos javalis. Eu também aproveito ao máximo os eventos da cidade, como open days, mercados e exposições.


A Festa Major de Gràcia vê ruas locais decoradas todo mês de Agosto © Iakov Filimonov / Shutterstock

A melhor coisa em Barcelona é... os festivais. Há tantos que há algo em quase todos os fins de semana. Você encontra de festivais de café e vinho até semanas de arquitetura e fiestas celebrando a cultura local. Alguns dos meus favoritos são a La Mercé em setembro, quando a cidade inteira comemora com shows grátis, teatro de rua e paradas; o Santa Eulàlia, em fevereiro, com instalações de luz por toda a cidade; e a Festa Major de Gràcia em Agosto, quando os residentes competem pela rua mais bem decorada.

Para comer barato... seja internacional. Há muitos expatriados italianos que abriram vários restaurantes na cidade, e você encontra pizza ou piadina (um pão chato italiano recheado com diversos ingredientes) em toda esquina. Enormes fatias de pizza custam por volta de €2 cada e você pode comprar uma piadina substancial por €5. Para algo mais espanhol, vá a Carrer Blai em Poble Sec, onde toda a rua é cheia de bares de pinchos ao estilo basco. Aqui, esses petiscos saborosos custam entre €1–€1,50 cada.


Os claustros do século 14 do Museu-Monestir de Pedralbes © Martin Hughes / Lonely Planet

Barcelona pode ser bem turística, mas… se você souber onde ir é fácil achar seu canto. Há tantos bairros diferentes a explorar, cada um com sua própria personalidade, mas a maior parte dos visitantes tende a ficar nas mesmas áreas centrais. Vá além para explorar bairros tranquilos e experimentar o estilo de vida local, ao mesmo tempo que descobre atrações menos conhecidas. Tanto Sarrià quanto Pedralbes são boas opções e possuem diversos lugares intrigantes como o Pavellons Güell com seu intrincado portão de dragões e o Museu-Monestir de Pedralbes, um elegante monastério.


Castellers (pessoas que constroem castelos humanos) são uma visão comum durante os festivais de Barcelona © Ivan Smuk / Shutterstock

Os visitantes precisam saber… que eles estão na Catalunha, uma região única, com sua própria língua, história, cozinha e tradições. Não vá atrás de flamenco, paella ou sangria aqui: em vez disso, observe os locais dançarem sardana, coma butifarra (linguiça local), ou cargols (lesmas), e vá ver tradições locais como os correfocs (paradas com diabos e fogos de artifício) e os castellers (torres humanas). A Catalunha possui um forte movimento de independência, então evite fazer generalizações a respeito da Espanha pois você pode ofender as pessoas. Aprender algumas frases em catalão também ajuda a ganhar alguns pontos com os locais.

Quando eu quero sair da cidade… eu vou às praias ou montanhas – nós temos sorte de ter os dois. Uma das minhas áreas favoritas é a Costa Brava, cheia de vilas pitorescas, ilhas escondidas e trilhas por penhascos. Eu particularmente amo a charmosa cidade branca de Cadaqués e a vila medieval de Besalú, com sua fotogênica ponte de pedra.

Este artigo foi publicado em Setembro de 2018 e foi atualizado em Setembro de 2018.