Dicas e artigos

O melhor para 2014: regiões a visitar

Sikkim, Índia

1. Sikkim, Índia

Verde é a cor

Colecionando elogios por ser o estado mais limpo e mais inovador no que diz respeito ao turismo na Índia, Sikkim definiu novos critérios para o turismo responsável no país. City tours frenéticos logo foram substituídos por um turismo comunitário sustentável nas áreas menos desenvolvidas, enquanto políticas ecológicas dão vigor à paisagem virginal dos Himalaias, que emoldura essa região montanhosa. Na culinária, há também novidades. Produção orgânica é o novo mantra de Sikkim, que está sendo muito bem “entoado”. Boa parte da produção encontrada nos mercados locais já não contém agrotóxicos, e as metas do governo para converter Sikkim em um estado completamente orgânico estão sendo rapidamente alcançadas. Com a abertura de um novo aeroporto perto de Gangtok prevista para 2014, você poderá economizar muitas horas de trânsito e voar direto para a região. 

 

2. The Kimberley, Austrália

Escape das multidões

The Kimberley é uma das regiões menos populosas e mais selvagemente lindas do planeta, esculpida por penhascos gigantes, refrescada por piscinas profundas e banhada por um litoral tão lindo, que faz os australianos do leste chorarem de inveja. É também a região de culturas aborígenes e exóticas influências asiáticas,  onde os ricos vão gastar milhões com pérolas e as celebridades aterrissam para desfrutar da beleza de seu vasto território. Para os viajantes, sempre foi um desafio: a região é cheia de crocodilos, impossível de ser explorada sem veículo 4x4 e quase inacessível durante a estação molhada (novembro a março). Ainda assim, as gratificações são muitas. Desvende a área agora, antes de a indústria turística tomar conta.

 

3. Yorkshire, England

Em busca de novas medalhas

Era só uma questão de tempo para esse cavalheiro um pouco tímido chamar a atenção que merece. Os atletas nativos de Yorkshire somaram maior número de medalhas nas Olimpíadas de 2012 do que países como África do Sul, Espanha e até o novo anfitrião olímpico, o Brasil. Para levantar ainda mais a autoestima do condado, uma pesquisa do ano passado revelou que o balneário de Harrogate, em North Yorkshire, é o lugar mais feliz da Grã-Bretanha. Bradford tornou-se a primeira Cidade do Filme pela UNESCO, e há uma nova galeria de arte de primeira em Wakefield. Yorkshire tem agora mais restaurantes estrelados pelo Michelin do que qualquer outro condado, atrás apenas de Londres. Em 2014, essa região acolhedora, de regiões pantanosas selvagens, casas históricas e pubs aconchegantes, poderá se orgulhar ainda mais, quando a largada do Tour de France for dada em Leeds.

 

4. Hokuriku, Japão

Os turistas estão chegando

Hokuriku, na costa oeste de Honshū, é banhada pelo Mar do Japão e emoldurada pelos magníficos Alpes do Japão, além de ser saturada com cultura, história e impressionante beleza natural. A cidade de Kanazawa é a rainha local, mas acaba negligenciada por turistas com pouco tempo, que favorecem os atrativos mais acessíveis do leste. Mas isso tudo vai mudar. Em março de 2015, o primeiro dos esperadíssimos shinkansen (trens-bala) de Hokuriku vai chegar à cidade, tornando meteóricas as visitas partindo de Tóquio. Kanazawa perde apenas para Kyoto em sua população de geishas autênticas, ainda trabalhando. Bairros fotogênicos cercam o local do antigo Castelo de Kanazawa e do Kenroku-en, um dos mais lindos jardins do país. Alugue um carro e explore o cenário dramático da Península Noto, ou dissolva-se nas águas suntuosas e incomparáveis ryokans (hospedarias) da área de Kaga Onsen.

 

5. Texas, EUA

Sonho verde

Diga adiós aos chapéus de cowboy: a mensagem de 2014 para todos é que os dois extremos da imagem do Texas – homens rústicos e bairros endinheirados pelo petróleo – não são as únicas atrações do multifacetado “Lone Star State” (ou “Estado Estrela Solitária”). Para começar, a antiga ausência de verde está com os dias contados nas metrópoles do estado, com o Buffalo Bayou Park de Houston ganhando uma expansão de 9,3 hectares, cortada por trilhas e caminhos arborizados. O coração histórico de Fort Worth também ganha agora uma nova praça (adeus, congestionamento cinzento). E, ah, a comida... Chefs-celebridade dão nova vida ao banquete texano, e até fast-food tem exibido um jeitão gourmet. A Tex-Mex autêntica é sinônimo agora de milho mexicano para as suas tortillas e grãos dos Chiapas para o seu café.

 

6. Victoria Falls, Zimbábue e Zâmbia

A volta das cataratas

Não apenas o poder selvagem das Victoria Falls impressiona você visualmente, como o som constante de suas quedas d’água violentas e as gotas que você vai respirar e provar – e que deixarão você molhado dos pés à cabeça. Esse encontro com a mãe natureza é uma verdadeira festa para os sentidos. As cataratas de Victoria Falls são compartilhadas pelas cidades turísticas de Vic Falls (do lado do Zimbábue) e Livingstone (em Zâmbia). Em 2014, ambas estarão no auge, após reformas multimilionárias e de terem sido anfitriãs da Assembleia Geral da Organização Mundial de Turismo da ONU em 2013. Enquanto o Zimbábue pode parecer uma proposta arriscada para muitos turistas, tenha segurança de que tudo está de volta ao normal na cidadezinha de Vic Falls. Desde que o dólar americano substituiu a surrada moeda zimbabuana, a economia tem se recuperado dos anos de hiperinflação – tornando 2014 a melhor época para visitar o país em 15 anos. Enquanto isso, a década passada viu a tranquila Livingstone tornar-se o destino número um para visitar as cataratas.

 

7. Mallorca, Espanha

Amadurecendo com dignidade

Algumas partes dessa ilha espanhola do Mediterrâneo estão tomadas pelo turismo de “cerveja e futebol”, mas, nos últimos anos, Mallorca tem se reinventado como um destino mais elegante. E, claro, a reinvenção fica mais fácil quando se é uma ilha linda, diversificada e cheia de cultura. Sua animada capital, Palma de Mallorca, é repleta de galerias de arte e restaurantes fabulosos. As costas sul e leste são lar de praias de areia branquinha e águas azuis cintilantes, que deixarão você boquiaberto. Mas é o noroeste que mais desafia os clichês de Mallorca. Na cordilheira Serra de Tramuntana, oliveiras, florestas de pinheiros e vilarejos ocres debruçam-se sobre o Mediterrâneo cor de safira.

 

8. Costa Oeste, Nova Zelândia

Novos caminhos para a natureza selvagem

Banhada pelo Mar de Tasman e decorada pelos Alpes do Sul, a remota e pouco populosa Costa Oeste da ilha é dona de três parques nacionais e tem planos para outros três, que formam um estado de conservação que ocupa 90% de sua área. Em 2014, o Departamento de Conservação abrirá duas grandes trilhas para caminhar e pedalar em cooperação com parceiros locais, como parte da recente rede de ciclovias da Nova Zelândia. A colônia de focas Cape Foulwind pode ser visitada sobre uma passarela revitalizada, assim como os lagos-espelhos de Mathesone Hokitika Gorge, uma joia escondida. Novas estradas cortam agora antigas florestas, ligando vilarejos como Franz Josef e Fox Glaciers. Quem pensa que já viu de tudo deve se preparar para incríveis surpresas.

 

9. Hunan, China

A próxima estrela da China

Essa província já nasceu com talento para estrela – de beleza incomparável e riquíssima culturalmente, com cantos remotos ainda não explorados. Até as últimas décadas, as montanhas do noroeste eram conhecidas apenas pelas minorias que as habitam. Agora, tornar o local de nascimento de Mao Zedong um destino turístico é uma prioridade do Partido, e a província está nadando em dinheiro. Trens de alta velocidade novinhos em folha, rodovias bem acabadas e voos regulares para as cidades de Hunan facilitam o acesso. O mais alto arranha-céu do mundo Sky City (10 m mais alto do que o Burj Khalifa de Dubai) e as primeiras linhas do extenso Metrô de Changsha Metro serão finalizados em 2014. Essa mistura confortável de velho e novo é o que você espera da China, e é por isso mesmo que você deveria ir para lá.

 

10. Ha’apai, Tonga

Chegue antes de todo mundo

Seria difícil ser mais remoto do que as 62 ilhas do Reino de Tonga, bem no meio do Oceano Pacífico. É preciso ser aventureiro para chegar lá, e muito mais para chegar ao grupo central de ilhas de Ha’apai… Mas estamos falando aqui de ilhas exuberantes, cercadas por arrecifes e pontilhadas de palmeiras e montes arredondados, banhadas pelo sol tropical e por águas navegadas por peixinhos coloridos, perfeitas para a prática de caiaque, além de um vulcão – tudo em meio ao sonolento e sedutor estilo de vida tonganês. Mais cedo ou mais tarde, o mundo ficará sabendo de tudo isso, portanto a melhor hora para ir para Ha’apai é agora, antes das multidões. Quando chegar lá, parabenize-se e entre no ritmo dos locais, com um sorrisão no rosto... Don’t worry, be Ha’apai!

 

Este artigo foi publicado em Outubro de 2013 e foi atualizado em Novembro de 2014.