Dicas e artigos

O melhor da Ásia 2018

O melhor da Ásia

Pensando em fugir numa viagem pela Ásia? Os especialistas em viagens da Lonely Planet percorreram as charmosas cidades litorâneas, os arranha-céus tão altos que tocam as nuvens, e os muitos templos pré-históricos do continente asiático que estão em constante mudança, trazendo para você recomendações dos pontos turísticos mais interessantes para visitar nos próximos 12 meses.

 

1. Busan, Coreia do Sul

Escondida entre montanhas e o mar, Busan é uma confluência impressionante de paisagens, cultura e comida. Há tempos, o lugar é celebrado como um balneário doméstico, mas a segunda maior cidade da Coreia do Sul oferece atividades ecléticas para agradar qualquer viajante: faça trilhas que te levam a templos budistas, relaxe em águas termais e se delicie com comida do mar super fresca no Jagalchi, o maior mercado de peixe do país.

Nomeada Cidade da Cultura do Sudeste Asiático em 2018, Busan estará ainda mais vibrante este ano, com uma mistura de eventos interessantes que expõem a herança cultural do país, de festivais de arte de rua a shows de dança tradicional. Acrescente um prestigiado festival de cinema e parece que esse segundo lugar está pronto para roubar o foco.


O melhor momento para visitar a segunda maior cidade da Coreia do Sul © JS`s favorite things / Getty Images

 

2. Uzbequistão

O Uzbequistão há muito tempo habita a imaginação dos viajantes, com suas Mesquitas cobertas de mosaicos e aura exótica da Rota da Seda. Mas o país se mantinha majoritariamente fechado para o mundo exterior por conta do rígido controle governamental que se seguiu ao fim da União Soviética. Por sorte, a mudança parece estar finalmente chegando.

No fim de 2017, o Uzbequistão tomou medidas importantes para se abrir para o turismo, anunciando esquemas que dispensavam o visto presencial ou online, novas rotas aéreas e extensões em sua malha ferroviária de alta velocidade, o que tornou o acesso às cidades antigas e arquitetura preciosa mais fácil do que nunca. Embora o país tenha sido deixado para trás pelos vizinhos em muitos aspectos, especialmente no que diz respeito a direitos humanos, há um sentimento de esperança que, quando o Uzbequistão experimentar os benefícios de receber bem a todos, mudanças positivas virão.


Os tesouros históricos do Uzbequistão estão mais acessíveis do que nunca © Andrii Lutsyk / Shutterstock

 

3. Ho Chi Minh, Vietnam

Com sua fama de descolada conquistada há tempos, a metrópole do sul do Vietnam de alguma forma só fica cada vez mais cool.  Antigos blocos de apartamentos estão sendo colonizados por brechós e cafés independentes. Cervejarias inovadoras como a Heart of Darkness e a East West Brewing estão alimentando uma das melhores cenas de cerveja artesanal do sudeste asiático e um conjunto de casas de show ecléticas estão reforçando a cena musical local.

Acrescente a esses desenvolvimentos recentes as atrações essenciais da cidade como o War Remnants Museum, que detalha a história recente de HCM com painéis impressionantes, uma cena de comida de rua pioneira e hospedagens para todos os padrões – sem esquecer das excelentes conexões aéreas – e parece que essa agitada megalópole asiática não corre o risco de sair de moda.


Essa moderna mega-cidade não corre o risco de sair de moda © Dung Pham / 500px

 

4. Gates Ocidentais, Índia

As quentes montanhas do sul da Índia nunca receberam tanta atenção quanto as cidades montanhesas e a cordilheira do Himalaia, no norte da Índia, mas os Gates Ocidentais oferecem um oposto interessante a Shimla e Darjeeling, e ainda tem selva.

Tamil Nadu, Kerala, Karnataka, Goa e Maharashtra, essas montanhas rochosas que atravessam são listadas pela Unesco com uns dos lugares com mais biodiversidade no mundo, abrigo de elefantes selvagens e tigres a flores neelakurinji, que florescem apenas uma vez a cada doze anos, e pintarão as montanhas de roxo entre agosto e outubro de 2018. Visite agora e você encontrará plantações de café, chá e temperos, entrepostos coloniais charmosos, cachoeiras imponentes e até mesmo um trem a vapor, mas nada das multidões que lotam as cordilheiras do norte.  


Flores raras, trens a vapor e cidades peculiares nos Gates Ocidentais © Nate Hovee / Shutterstock

 

5. Nagasaki, Japão

Para a maioria dos turistas internacionais, Nagasaki é sinônimo da tragédia atômica de agosto de 1945. De forma notável, a cidade transformou a catástrofe em um chamado para a paz, exemplificado tanto no tranquilo Parque da Paz de Nagasaki, onde um simples monólito marca o centro da explosão e o Museu da Bomba Atômica onde hibakusha (sobreviventes da bomba atômica) fazem um pedido tocando pelo desarmamento nucelar internacional.

Mas a identidade de Nagasaki transcende esse ato violento: durante séculos a maior parte do comércio exterior do Japão aconteceu em seu porto antigo, o que trouxe um particular caráter de encontro entre ocidente e oriente e, principalmente, o cristianismo para a cidade, cuja influência é atualmente documentada em um novo museu instalado na igreja mais antiga do Japão. Atrações turísticas mais leves também são abundantes: do animado porto às rotas que serpenteiam pelos vulcões próximos.


A identidade de Nagasaki transcende o ato violento © SeanPavonePhoto / Getty Images

 

6. Chiang Mai, Tailândia

Com sua legião de templos e muralhas gastas, a antiga capital do Reino de Lanna parece ter saído das páginas de um livro de história. Lá, os visitantes passeiam por barraquinhas de joias antigas enquanto o cheiro familiar de tilápia grelhada em folha de bananeira enche o ar.

E, ainda assim, apesar da atmosfera de antiguidade, uma população jovem e criativa se instalou na cidade, trazendo animação para suas ruas arcaicas. Agora, ao lado de majestosos chedis (estupas) dourados, ficam cafés conhecidos por seus lattes artísticos, restaurantes com grafites nas paredes que se especializam em cozinha fusion e experimenta, e o novo e premiado Museu de Arte Contemporânea MAIIAM, que, como a própria  Chiang Mai, atrai elogios para sua mistura perfeita de tradição e influências modernas.


Uma nova energia envolve a antiga Chiang Mai, evidente em sua inovadora cena culinária © Kseniia Ivanova / EyeEm / Getty Images

 

7. Lumbini, Nepal

Durante décadas, Lumbini era um lugar por onde os viajantes passavam rapidamente no caminho da Índia para o Nepal, muitas vezes sem saberem que haviam passado a metros do lugar de nascimento do histórico Buddha. Hoje, graças aos esforços da comunidade budista internacional, Lumbini está em ascendência, mas apesar de sua história, esse lugar sagrado permanece sendo um tranquilo desvio da rota dos mochileiros.

No entanto, a mudança está a caminho: um novo aeroporto internacional está sendo construído e oferecerá uma rota nova e mais segura para o Nepal e templos cada vez mais impressionantes estão surgindo. Embora essas melhorias possam finalmente ser os catalizadores que trarão a Lumbini a atenção que merece, a principal atração da cidade permanecerá sendo sua tranquilidade– encarnada nos raros grous indianos que passeiam nos pântanos ao redor do Pagoda da Paz.  


A mudança está a caminho na tranquila Lumbini © AlexFox / Getty Images

 

8. Baía de Arugam, Sri Lanka

Apesar do Sri Lanka ter se tornado um dos destinos mais na moda atualmente, a Baía de Arugam, uma cidade litorânea na costa leste do país, milagrosamente conseguiu manter sua calma. Enquanto turistas lotam as antigas cidadelas e estações de trilha do país, aqui você encontrará hóspedes de pés descalços relaxando nas varandas de cafés veganos e placas feitas à mão são penduradas nas portas dos hotéis dizendo “fui surfar, volto logo”.

Conhecida há tempos como um paraíso surfista, a cidade ostenta ondas que satisfazem surfistas de todos os níveis, além de diversas escolas que prometem colocar todo mundo em cima da prancha. Se as águas turquesas não te atraírem, Arugam também cultivou ofertas terrestres com um número cada vez maior de bares à beira mar e festivais de música improvisados. Além de ser próxima do Parque Nacional de Kumana, lar de leopardos, elefantes e crocodilos.


A Baía de Arugam exibe uma vibe relaxada e ondas para todos os níveis © Shanti Hesse / Shutterstock

 

9. Sìchuān, China

Vilas isoladas, skylines modernos, pandas gigantes e uma cozinha aquecida: a província de Sìchuān é um microcosmo da China moderna e 2018 está estourando de razões para te levar até lá.

A cosmopolita Chéngdū se tornou um dos centros de design e tecnologia do país, o que também quer dizer uma infestação de cervejarias atraentes e hotéis butique. A partir de 2018, os viajantes poderão viajar na primeira parte do trem Sìchuān-Tibet (que eventualmente ligará Chéngdū a Lhasa em apenas 15 horas) em direção ao oeste para visitar vilas tibetanas perdidas no tempo e encolhidas pelas dramáticas montanhas ao redor. Ao norte, o excepcional Parque Nacional Jiǔzhàigōu reabriu para um número limitado de visitantes depois do terremoto de 2017, enquanto ao sul as experiências espirituais reinam supremas: ganhe perspectiva ao ver o Grande Buddha de  Lè Shān ou suba o  Éméi Shān para absolver seus pecados.


Sìchuān é um microcosmo da China, com uma seleção de atrações antigas e modernas © akedesign / Shutterstock

 

10. Parque Nacional de Komodo, Indonésia

Lar do fascinante dragão de Komodo, o Parque Nacional de Komodo é o nirvana dos entusiastas da natureza. Além de ver o famoso lagarto, os visitantes desse arquipélago cercado de cerúleo nas  Pequenas Ilhas de Sonda podem fazer trilhas até mirantes no Padar, relaxar nas praias em Kanawa e mergulhar com uma diversidade absurda de vida marinha nos corais logo fora de Komodo.

Novas conexões aéreas e barcos para Labuanbajo tornaram o parque mais acessível do que nunca, levando as autoridades locais a examinarem formas de proteger as espécies de Komodo. Limite de visitantes e aumentos nas taxas de entrada são prováveis, mas os viajantes devem fazer sua parte ao optarem por passeios de barco menores e responsáveis, o que minimiza a pressão nos guias e recursos do parque.


Embora ver um dragão seja o ponto alto, Komodo é rico em outras atrações selvagens © Anna Kucherova / Shutterstock

Este artigo foi publicado em Julho de 2018 e foi atualizado em Julho de 2018.