Dicas e artigos

Surpreenda-se (pra valer!) com a Nova Zelândia

Surpreenda-se (pra valer!) com a Nova Zelândia

Esse país pode ser sinônimo de esportes radicais, cenários épicos da trilogia cinematográfica O Senhor dos Anéis e do haka arrepiante do time de rugby All Blacks, mas a Nova Zelândia oferece várias experiências únicas e menos conhecidas para os viajantes. Na verdade, isso não é muito surpreendente — essa nação longínqua, isolada no Pacífico Sul, tem uma longa história de invenção e inovação.

 

Admire as “melindrosas” de Napier e steampunks em Oamaru

Os fãs de art déco que admiram a herança arquitetônica de Miami e Mumbai também deveriam voltar suas atenções para Napier, na Ilha Norte da Nova Zelândia. Reconstruído nos anos 1930 após um terremoto devastador de 7,8 graus de magnitude, o centro da cidade ostenta cores pastéis, edifícios graciosos e projetos geométricos. Todos os anos, em fevereiro, geralmente perto do Dia dos Namorados do hemisfério norte, os moradores de Napier se divertem com uma celebração que dura um fim de semana inteiro em homenagem a tudo dos anos 1930 — carros antigos, roupas de melindrosas, bares ilegais e bandas de metais. Em qualquer outra época do ano, conheça o Art Deco Centre, em frente à praia, e agende uma caminhada guiada para apreciar os detalhes que normalmente ignoraria.

Na Ilha Sul, a cidade beira-mar de Oamaru, negligenciada em outros tempos, permaneceu inalterada depois do auge econômico do século 19, deixando a maioria dos prédios vitorianos intactos. Na última década, uma invasão de criativos e boêmios transformou a cidade na “capital steampunk do mundo”. O movimento steampunk, que se desenvolveu a partir de um subgênero de ficção científica para abranger moda, filmes e outras artes, reinventa a tecnologia moderna num cenário de uma Inglaterra vitoriana movida a vapor. Comece a exploração dessa fascinante subcultura na Steampunk HQ, uma galeria no Meeks Grain Elevator Building de 1830. O distrito vitoriano da cidade também é lar de sebos, armazéns de antiguidades e lojas de artesanato.

 

Suba uma escada única em Wanaka

Queenstown, a capital dos esportes de inverno da Nova Zelândia, é um destino obrigatório independente da estação do ano, mas a vizinha Wanaka também deveria estar em seu roteiro. Entre os muitos pontos turísticos imperdíveis está a única via ferrata (um passeio nas paredes rochosas com escadas e cabos de auxílio) da Nova Zelândia. A Wildwire Wanaka é uma estrutura relativamente nova no sopé das montanhas do Parque Nacional do Tititea/Monte Aspiring, onde até o viajante mais avesso à aventuras pode se dar ao luxo de “basicamente subir uma escada”, como dizem os proprietários; porém, não é uma escada comum — essa sobe pela espetacular cachoeira de Twin Falls, proporcionando paisagens épicas como parte de uma experiência que vai te deixar pensando “eu realmente fiz isso!”. A Wildwire realiza excursões de meio dia e dia inteiro, dependendo do seu nível de preparo físico (e tolerância a vertigens).

 

Teste seus nervos num passeio pelas nuvens em Auckland

Mesmo que sua visita à Nova Zelândia seja tão breve que não possa sair de Auckland, você ainda pode vivenciar uma experiência eletrizante e tipicamente Kiwi (como são conhecidos os neozelandeses) para contar para os netos. O edifício mais alto do hemisfério sul — o Sky Tower, com 328 m de altura — fica localizado no centro da cidade. Na marca de seus 192 m fica um observatório onde os mais corajosos podem caminhar sobre o vidro e “passear no céu” em volta de uma estreita plataforma de metal. Há cordas de segurança, é claro, mas não há corrimão para segurar enquanto suas pernas se derretem, tornando a experiência ainda mais radical. Se a altura faz sua cabeça girar, concentre-se nas vistas de 360 graus do porto (e não na cidade abaixo!). Ainda não está satisfeito? Você também pode fazer um salto de bungee jumping do prédio.

 

Auroras e observação de estrelas na Ilha Sul

A aurora boreal (luzes do norte) atrai muito mais atenção, mas você sabia que existe um espetáculo luminoso equivalente no hemisfério sul? Trata-se da aurora austral (luzes do sul). Esse fenômeno celestial pode ser visto do ponto mais ao sul na Ilha Sul da Nova Zelândia, especialmente entre março e setembro. Vá até The Catlins, Invercargill e Lago Tekapo, além de Dunedin, se tiver sorte, para presenciar o espetáculo. Você precisará encontrar uma localidade rural, longe da poluição luminosa, em uma noite escura e de lua nova para aumentar suas chances. Para os observadores do céu noturno que vieram até aqui, mas perderam a aurora, o Lago Tekapo é uma das Reservas Internacionais de Céu Noturno ao redor do mundo e um dos melhores lugares na Nova Zelândia para quem leva a sério a contemplação da galáxia. Excursões noturnas vão até o observatório no Monte John para vistas sensacionais da Via Láctea usando os telescópios da Universidade de Canterbury.

 

Passeio de helicóptero pela vulcânica Ilha Branca

Não é uma experiência muito barata, mas você jamais vai esquecê-la: imagine subir a bordo de um helicóptero na renomada Rotorua (que já deveria constar em sua lista de “lugares obrigatórios” pela atividade geotérmica e cultura maori) e depois voar até o único vulcão permanentemente ativo da Nova Zelândia para explorá-lo a pé. Localizada perto da costa leste da Ilha Norte neozelandesa, os visitantes da Ilha Branca podem caminhar pelo solo vulcânico e ver formações de enxofre, fumarolas e fontes termais bem de perto. Como a ilha é privada, a experiência toda dá uma sensação de que, a qualquer momento, você pode se deparar com o esconderijo de um vilão dos filmes do James Bond. As vistas aéreas do vulcão e do distrito dos lagos de Rotorua são consideradas insignificantes se comparadas ao todo.

 

Fique enlameado na Mudtopia de Rotorua

Seu desejo infantil ainda não realizado de ficar coberto por barro grosso e marrom dos pés à cabeça pode, finalmente, ser materializado se visitar Rotorua em dezembro. O Mudtopia é um festival de música e lama, com três dias de duração, que ocorre nesse centro de atividades ao ar livre na Ilha Norte. Para os devotos do bem-estar, há um spa com massagens de lama e tratamentos faciais e corporais com lama (a lama de Rotorua é repleta de minerais revigorantes). Para todos os outros, existem piscinas de lama para se esbanjar, jogos na lama, corridas na lama e um circuito de obstáculos enlameados — descrito pelos organizadores do evento como uma versão “sem noção” de um castelo inflável infantil, só que coberto de lama escorregadia.

 

Faça seu próprio sashimi de truta-arco-íris no Lago Taupo

As águas incrivelmente cristalinas e surpreendentemente aquecidas do Lago Taupo, rodeadas pelos picos cobertos de neve do Parque Nacional de Tongariro, tornam essa experiência fascinante para os amantes da natureza que gostam de caminhadas, pedaladas ou canoagem pelo lago. É também um paraíso para pescar trutas, já que a maioria dos pescadores sempre consegue pegar um ou dois peixes. Mesmo que você não leve muito jeito para pesca, com certeza alguém vai lhe trazer um peixe dessas águas bem abastecidas, portanto, por que não experimentar suas habilidades com as facas e fazer um sashimi para o almoço? Após essa refeição imbatível, dê um mergulho no lago cristalino e, em seguida, faça uma excursão para conhecer as gravuras rupestres de Mine Bay.

 

Um museu para motoqueiros e fashionistas em Invercargill

Aonde você iria para ver o maior museu particular de caminhões e carros do mundo? Itália? Estados Unidos? Vá a Invercargill, a cidade mais ao sul da Nova Zelândia. Num galpão de 15.000 m2 você encontrará o Bill Richardson Transport World, repleto de veículos restaurados que variam desde o Ford modelo T até as Kombis da Volkswagen, e tudo mais que você puder imaginar. Num estilo típico das loucuras Kiwi, essas máquinas são complementadas por exibições de arte vestível criada na Nova Zelândia. Se viajar em junho, você pode reservar ingressos para o baile Wearable Art Gala, um espetáculo de cor e criatividade. Bill Richardson também não deixa o admirador de motocicletas na vontade. Em 2016, o museu adquiriu uma coleção de 300 máquinas restauradas e não restauradas feitas a partir de 1902, e as levou de Nelson para um novo museu, o Classic Motorcycle Mecca, no centro da cidade de Invercargill.

Este artigo foi publicado em Janeiro de 2018 e foi atualizado em Janeiro de 2018.