Dicas e artigos

As dez melhores cidades para 2018

As melhores cidades para ir no ano que vem

Os especialistas de viagem da Lonely Planet vasculharam o globo para encontrar destinos irresistíveis, experiências inesquecíveis e tendências do próximo ano que você não pode deixar de conhecer.

1. Sevilha, Espanha

Nos últimos 10 anos, Sevilha sofreu grandes transformações. Antes uma metrópole de trânsito congestionado, dependente de suas glórias históricas, Sevilha desabrochou como uma cidade de bicicletas e bondes, ansiosa para revigorar seu passado artístico. A metamorfose não passou despercebida. A capital da Andaluzia irá sediar o 31º European Film Awards em 2018 e exibe suas incríveis paisagens em Game of Thrones, série televisiva cheia de drama e fantasia. Adicionando cores a uma renascença artística atual, Sevilha está no meio das celebrações do 400º aniversário do pintor barroco Bartolomé Esteban Murillo, nascido e criado na região, com cerca de meia dúzia de exposições únicas que estarão em cartaz durante 2018.

A Plaza de España, uma praça semicircular cheia de colunas ornamentais de Sevilha, apareceu em vários filmes, inclusive em Star Wars e Lawrence da Arábia

© leoks / Shutterstock

2. Detroit, EUA

Após décadas de negligência, Detroit está com tudo outra vez. É como se o lugar estivesse com ideias brotando de todos os cantos. Jovens criativos deram uma repaginada na cidade, quando começaram a transformar aquele monte de prédios abandonados em destilarias, lojas de bicicletas e galerias. Isso criou incentivos para novas obras públicas, como a recente arena de hóquei e basquete e a rodovia QLine, que dá acesso aos principais pontos turísticos da cidade. Mais está por vir: três novos parques estenderão a trilha pela orla do rio (ideal para veículos de duas rodas, por meio do novo esquema de compartilhamento de bicicletas da Estação 43, na área do grande centro) e hotéis estilosos serão construídos onde eram uma loja de perucas e um estacionamento abandonado.

Os arranha-céus em art-déco do centro de Detroit, uma cidade que está se recuperando, depois de anos de decadência

© Reese Lassman / EyeEm / Getty Images

3. Canberra, Austrália

Frequentemente ignorada, Canberra tem um tremendo potencial para uma cidade tão pequena. Tesouros nacionais são encontrados em quase todos os cantos, e surgiram excelentes novos distritos de lojas de luxo, cheios de destaques gastronômicos e atrações culturais obrigatórias. Este é o primeiro ano que Canberra irá sediar uma partida internacional de críquete, no pitoresco Manuka Oval, e no fim de 2018, o Memorial de Guerra Australiano concentrará os holofotes, quando sediará o Aniversário de 100 anos do Armistício da Segunda Guerra Mundial. Notavelmente, Canberra estabelecerá um permanente Dia da Reconciliação no calendário de feriados nacionais a partir de 2018, para simbolizar o compromisso com a tolerância entre os australianos indígenas e não-indígenas.

 O Memorial de Guerra Australiano sediará o 100º aniversário do Armistício da Segunda Guerra Mundial.

© CoolR / Shutterstock

4. Hamburgo, Alemanha

Sua conclusão pareceu demorar mais do que ficar sentado ouvindo o ciclo inteiro das óperas de O Anel do Nibelungo de Wagner, mas a estonteante obra de €790 milhões do novo Elbphilarmonie Concert Hall fez valer a pena cada ano de espera. A teto de vidro reluz como velas cristalinas, enquanto a base reflete a estética dos tijolos dos agradáveis arredores históricos da região portuária de HafenCity. Daqui, a sedutoramente acessível Hamburgo irradia ao longo de seu vasto porto e do Rio Elba. O lugar é cheio de surpresas: bares praianos às margens do rio durante três estações, vida noturna que está entre as melhores da Europa e charmosas construções horizontais que brindam os transeuntes que utilizam as dezenas de velhos campanários da cidade como pontos de referência.

O Elbphilarmonie Concert Hall, na região chique de HafenCity, em Hamburgo.

© carol.anne / Shutterstock

5. Kaohsiung, Taiwan

Um imenso centro artístico e um complexo musical de cem mil metros quadrados, que conta com praças enfeitadas por figueiras e calçadas banhadas pelas ondas, está surgindo em frente ao agradável porto de Kaohsiung – a vitrine de Taiwan para arquitetura experimental do mundo todo. Além disso, haverá um espetacular terminal de cruzeiros, para aqueles que preferirem uma entrada triunfal pelo porto da cidade. Um elegante sistema de VLT com 36 estações interliga esses monumentos com o resto de Kaohsiung. Mais para o interior, na trilha de Xiaogang Shan, os andarilhos poderão avistar o Estreito de Taiwan de uma nova passarela com 27 metros de altura, um lembrete de que as águas estão por toda parte. Kaohsiung está fervilhando de possibilidades: visite antes que o mundo fique sabendo dela.

A maioria dos pagodes e templos ao redor do Lago Lótus de Kaohsiung foram construídos no século 20, inclusive os Pavilhões da Primavera e do Outono, em 1953

© Fabio Nodari / Moment RF / Getty Images

6. Antuérpia, Bélgica

Antigamente a maior cidade do norte europeu, hoje a Antuérpia é um de seus segredos mais bem guardados. A capital não-oficial dos Flandres é repleta de riquezas históricas e lar de artistas com renome mundial, e este ano exibirá suas relíquias culturais, com uma celebração de seu apogeu barroco. Inspirada no residente mais famoso da cidade, Rubens, o Antwerp Baroque 2018 contará com mestres flamengos lado a lado com talentos modernos, num calendário que abrange paradas, concertos, arte de rua, shows e workshops multimídia. Não que os residentes da Antuérpia precisem de uma desculpa para liberar sua criatividade: a cidade, principalmente nas antigas docas, possui inúmeros bares descolados, restaurantes de alimentos orgânicos e atrações arquitetônicas.

 A Antuérpia não tem medo de exibir modernidade em meio à arte barroca – o museu vanguardista Aan de Stroom abriu as portas em 2011

© repistu / iStock Editorial / Getty Images

7. Matera, Itália

Uma coroa de casas de pedra cor de mel em cima de uma ravina, Matera tem uma paisagem impressionante. Mas essa é só metade da história: serpenteando por baixo da superfície, encontra-se um labirinto de residências, igrejas e monastérios esculpidos nas cavernas que remontam há mais de 9.000 anos – tornando-a uma das cidades mais antigas do mundo. Após um vasto projeto de restauração para tirá-la das ruínas, Matera agora tem capitalizado com suas atrações cavernosas, entre hotéis, restaurantes e bares, criando um cenário tão inusitado quanto suas paredes de rochas entalhadas. Existe uma enxurrada de eventos planejados antes de ela receber o título de Capital da Cultura Europeia para 2019, portanto aproveite para visitá-la agora, antes que esse destino subterrâneo seja o centro das atenções.

Ruínas de túneis, vielas e moradias de pedras emergem das encostas de Matera, na região de Basilicata na Itália

© bluejayphoto / iStockphoto / Getty Images

8. San Juan, Porto Rico

San Juan é um lugar onde o velho encontra o novo, onde o passado colonial da cidade mescla-se harmonicamente com uma emergente urbanidade moderna. A Velha San Juan é um refúgio murado com estradas de paralelepípedos, praças arborizadas e igrejas e fortes históricos. Além dos muros, a moderna San Juan é decorada com pinturas de murais, e seu conjunto de museus e galerias formam uma cena artística dinâmica. Nos últimos anos, muitos restaurantes inovadores foram abertos com foco em alimentos orgânicos, o que atraiu apreciadores da gastronomia e o público em geral. A exuberante vida noturna – danceterias, lounges, bares, cassinos – é bem conhecida há bastante tempo, sem falar nas praias estonteantes de San Juan. Em setembro de 2017, o Furacão Maria atingiu a costa de Porto Rico, tornando-se a maior tempestade a assolar a ilha em 89 anos. Embora San Juan não tenha escapado da fúria do cataclismo, sem dúvidas irá se reerguer e continuar sendo a cidade encantadora que sempre foi.

Na Velha San Juan, as ruas arborizadas de paralelepípedos da era colonial são encantadoras para quem gosta de um bom passeio.

© mikolajn / iStockphoto

9. Guanajuato, México

Das minas de extração de prata para as telas de cinema, a pequena cidade de Guanajuato, nas terras altas do México, dá um show quando se trata de paisagens tropicais. A riqueza produzida pelos veios de prata locais criaram uma paisagem visualmente incrível, e conta com igrejas ornamentadas, lindas praças e casas coloridas, espalhadas por todo o vale verdejante de Guanajuato. As belezas naturais e criadas pelo homem chamaram a atenção dos produtores da Pixar, que usaram a cidade como base na vida real para a Terra dos Mortos, no novo filme Viva - A vida é uma festa.

Fundada como uma cidade de extração de prata pelos espanhóis no século 16, as coloridas construções montanhosas de Guanajuato são hoje um patrimônio cultural da Unesco

© ferrantraite / Getty Images

10. Oslo, Noruega

Por muitos anos, a capital da Noruega tem sido obliterada por seus estilosos vizinhos escandinavos. Mas Oslo, junto com o resto do país, está prestes a realizar um importante evento: em 2018, os amados rei e rainha da Noruega celebram 50 anos de casamento. Espere fanfarras e ostentações aos montes, além de um calendário lotado de eventos – cívicos, gastronômicos e culturais. Como bônus, o Opera House, principal ponto turístico de Oslo, está programado para comemorar seu 10º aniversário em 2018, e fará uma temporada de celebração com concertos e performances, portanto você não poderia escolher um melhor ano para fazer uma visita.

 As linhas diagonais limpas do Opera House de Oslo têm sido uma atração desde 2007, o que indica o gosto da cidade por arquitetura inovadora

© Mats Anda / Moment RF

Este artigo foi publicado em Outubro de 2017 e foi atualizado em Outubro de 2017.