Dicas e artigos

Fontes termais na Europa: os 20 melhores lugares para se banhar

Pamukkale, Província de Denizli, Turquia

Por Sarah Reid

Entrar em uma banheira fumegante após um longo dia de caminhada é um dos pequenos luxos da vida, mas não há nada como restaurar o corpo e a mente em uma fonte – natural ou não – de água quente. Da idílica Lagoa Azul, na Islândia, às piscinas mais chiques da Suíça, aqui está uma lista dos melhores banhos termais da Europa.

 

Lagoa Azul, Islândia

Clima: ver para crer.

Aninhada em meio a um campo irregular de lava, a 30 minutos da capital Reykjavík, essa piscina de um turquesa vívido poderia ser facilmente confundida com a paisagem quase sobrenatural do país, mas se trata, na verdade, de um complexo fabricado pelo homem. Ela é abastecida pela água mineral da hidrelétrica geotérmica Svartsengi, ali perto. Banhos de lama branca, rica em sílica, são oferecidos aos visitantes, para que possam fazer as suas próprias máscaras faciais.

 

Therme Vals, Suíça

Clima: requinte alpino.

Esse complexo minimalista de fontes termais está tão na moda, que seus frequentadores não se importam de viajar 200 km de Zurique para se banhar em suas piscinas de hidroterapia. Mergulhos noturnos são um luxo dos hóspedes do hotel adjacente ao Therme Val (www.therme-vals.ch/en), reformado pelo arquiteto suíço premiado Peter Zumthor.

 

Thermae Bath Spa, Bath, Inglaterra

Clima: banhos britânicos românticos.

As águas curativas da única fonte termal da Grã-Bretanha têm sido desfrutadas por todos, dos celtas aos saxões, desde a descoberta feita pelo lendário príncipe britânico Bladud, em cerca de 863 a.C. Tirando proveito da fonte que alimenta o histórico museu dos Banhos Romanos, o Thermae Bath Spa possui saunas a vapor com ervas e quatro piscinas termais, entre as quais uma ao ar livre, com vista romântica para a Bath Abbey.

 

Banhos Széchenyi, Budapeste, Hungria

Clima: tem lugar para todos!

Conhecida como a Cidade dos Banhos, Budapeste ainda preserva muitos dos banhos turcos dos séculos 16 e 17. Com 18 piscinas diferentes e mais dez saunas e salas a vapor, o complexo neobarroco Banhos Széchenyi, no Parque da Cidade, é uma das melhores atrações da capital húngara.

 

Karlovy Vary (Carlsbad), República Tcheca

Clima: calmante de dentro para fora.

Descobertas pelo imperador romano Carlos IV, que fundou essa cidadezinha termal na Boêmia no século 14, as águas minerais de Karlovy Vary possuem, segundo o que se diz, propriedades curativas internas e externas. Muitos hotéis, como o famoso Carlsbad Plaza, oferecem banhos termais, mas também é possível experimentar a água das fontes em muitos dos complexos históricos da cidade, sempre decorados com colunas.

 

Termedi Saturnia, Toscana, Itália

Clima: Botox combina com isso?

Em uma paisagem verdadeiramente idílica da Toscana, as Termedi Saturnia (www.termedisaturnia.it) são um dos melhores destinos de banhos termais da Itália. Reabastecida a cada quatro horas por uma fonte vulcânica, a piscina principal mantém-se a relaxantes 37,5°C. Também aberto a quem não é hóspede, o complexo oferece, ainda, tratamentos à base de lama e um cardápio de tratamentos de spa medicinal.

 

Kaiser-Friedrich-Therme, Weisbarden, Alemanha

Clima: paisagem campestre de cair o queixo.

Celebrando seu 100o aniversário em 2013, o complexo em estilo art nouveau Kaiser-Friedrich-Therme foi construído no local de uma antiga sauna romana. Além das piscinas termais com propriedades restauradoras, ele ainda tem saunas russas e a clássica sauna finlandesa.

 

Aqua Dome, Tirol, Áustria

Clima: relaxamento em estilo futurístico.

Descoberta no século 16, a fonte geotérmica de Längenfeld acabou secando nos anos 1960. Perfurada novamente em 1997, agora ela banha essa pequenina cidade do Tirol, um verdadeiro playground alpino com três incríveis piscinas. Para os românticos, há banho ao luar no Aqua Dome às sextas-feiras.

 

Laugarvatn Fontana, Islândia

Clima: agradável e isolada da civilização.

Localizadas a 77 km de Reykjavík, as piscinas do novo Laugarvatn Fontana (www.fontana.is) abrem-se para o pitoresco lago geotérmico Laugarvatn, cujas areias, acredita-se, possuem propriedades que ajudam a amenizar a artrite. Construídas diretamente sobre uma fonte borbulhante, as saunas sulfurosas são particularmente atraentes.

 

Lago Heviz, Heviz, Hungria

Clima: retorno à natureza selvagem.

Coberta por lilases aquáticos e cercada por parques impecáveis, a bela Heviz abriga o maior lago medicinal, natural e biologicamente ativo, do mundo. Seu complexo de banhos (www.spaheviz.hu/en) convida a visitas no inverno, principalmente, mas, com a temperatura de água beirando os 38°C no verão, os mergulhos também são uma boa atividade ao ar livre nos meses mais quentes.

 

Bains de Dorres, Pirineus, França

Clima: excelência em vistas panorâmicas.

Uma alternativa mais tranquila às casas de banhos e spas medicinais mais sérios da França, esse pequeno complexo termal permite que hóspedes mergulhem em águas a 37-40°C com lindas vistas para os vales lá embaixo. Próximo da fronteira com a Espanha, os Bains de Dorres (www.bains-de-dorres.com) datam dos tempos romanos.

 

Pantelleria, Itália

Clima: badalação do mundo da moda.

Essa pequena ilha vulcânica, no estreito da Sicília, não muito distante da Tunísia, abriga uma série de piscinas naturais. Uma das mais badaladas fica no porto em Gadir, onde os locais (entre os quais ninguém menos que Giorgio Armani, que possui uma casa aqui) se banham em águas restauradoras, que, dizem, ajudam a combater o reumatismo e a artrite.

 

Rogner Bad Blumau, Styria, Áustria

Clima: se a Terra Média tivesse banhos termais...seriam assim.

Uma verdadeira Babilônia artística e aquática, esse complexo de banhos termais descoladíssimo, no sudeste da Áustria, exibe a marca do excêntrico arquiteto austríaco Friedensreich Hundertwasser.“Alimentado” por duas fontes termais curativas, o Rogner Bad Blumau (blumau.com) dispõe de uma gruta de sal do Mar Morto, além de piscinas, saunas e salas de tratamento. O hotel ao lado, com jardins no telhado, parece uma vila de hobbits futurista.

 

Pamukkale, Província de Denizli, Turquia

Clima: o que há de incrível em fenômeno natural.

“Castelo de Algodão” em turco, esse deslumbrante complexo de piscinas naturais tem sido usado há séculos para tratar diferentes males físicos. Tirando proveito de minerais carbonados, as fontes termais em camadas ficam às margens das ruínas da antiga cidade bizantina e greco-romana de Hierápolis.

 

Palia Kameni, Grécia

Clima: banho de lama natural.

Ainda pouco comercial, o que pode ser diferente e bem-vindo, esse complexo de piscinas azul-turquesa próximo à ilha vulcânica de Santorini é conhecido por sua lama terapêutica, rica em enxofre. Palia Kameni (“Queimadura Antiga”, em grego) é acessível de barco, partindo de Santorini. É preciso nadar do barco até a principal fonte à beira-mar.

 

Banos Arabes, Granada, Espanha

Clima: antiga opulência árabe.

Conhecido como o primeiro hammam tradicional reaberto na Europa depois que governos cristãos na Espanha fecharam as casas de banho mouras de Andaluzia, no século 16, os opulentos Baños Arabes (granada.hammamalandalus.com/en) oferecem uma experiência de banhos termais verdadeiramente luxuosa.

 

Terme Rogaska, Rogaska, Eslovênia

Clima: pura elegância do leste europeu.

Conectadas ao Grand Hotel Rogaska, em estilo belle-époque, o Terme Rogaska (www.terme-rogaska.si) é o mais elegante e conhecido complexo termal da Eslovênia. Lá você encontra várias piscinas termais, cascatas terapêuticas e banhos com massagem aquecidos por uma fonte de água rica em cálcio, que, acredita-se, possui minerais que facilitam a digestão.

 

Andorra la Vella, Andorra

Clima: para a turma que acabou de praticar esqui.

Com mais de 6 mil m² de piscinas, o cavernoso complexo Caldea (www.caldea.com/es/es.html), na capital de Andorra, tem o privilégio de ser “banhado” por fontes de água ricas em enxofre e é o maior complexo termal do sul da Europa. Quem busca uma experiência mais intimista talvez prefira um dos hotéis com spa da cidade, como o Roc Blanc (www.rocblanc.com/en).

 

Chateau des Thermes, Chaudfontaine, Bélgica

Clima: para se autopresentear.

Aproveitando a mais quente das fontes termais naturais da Bélgica, esse discreto spa perto de Liège, no vale Vesdre, também abriga banhos turcos, uma banheira romana e uma sala de sal – esta última usada para tratar uma série de problemas de pele. Parte de um hotel, o Chateau des Thermes (www.chateaudesthermes.be/en), esse spa único também possui um ótimo restaurante francês.

 

Piestany, Eslováquia

Clima: hotéis grandiosos com fontes termais.  

A lama é a atração principal em Piestany (www.spapiestany.sk), a principal cidadezinha de fontes termais da Eslováquia. Nela há vários resorts, sobretudo no lado oeste do vilarejo, a 86 km de Bratislava. Eles se concentram em meio à paisagem exuberante de um parque conhecido como “ilha das fontes”.


 

Este artigo foi publicado em Outubro de 2013 e foi atualizado em Novembro de 2014.