Dicas e artigos

As 11 melhores comidas de rua pelas quais vale a pena escapar da dieta

Takoyaki

Você está de férias no exterior, explorando um mercado local. De repente um aroma tentador o cerca e faz você virar a cabeça à procura da sua origem. Há uma fila comprida de pessoas com fome, parecendo ter ciúmes das pessoas que se afastam mastigando algo que parece delicioso. O que eles estão comendo? Talvez você deva investigar e experimentar?

Mas você está de dieta. Você não pode. Não deve. Você jurou que não comeria, então nem olha.

Você espia de qualquer forma, e parece tão gostoso. Você poderia provar só dessa vez – você pode nunca voltar, então essa pode ser sua última chance. Pro inferno com a dieta, isso é uma importante pesquisa cultural. Seria desrespeitoso não experimentar.

Quais comidas valem a pena a culpa em potencial? Tentamos nos limitar às 10 comidas de ruas pelas quais vale a pena escapar da sua dieta, de verdade – mas, no espírito da indulgência, não conseguimos evitar aumentar a lista para 11 tentações culinárias do mundo todo:

1. Gordita – México

Gorditas são o paraíso portátil, uma combinação fofinha ao bom gosto mexicano. Em algumas barraquinhas, os cozinheiros vão apenas esquentar uma generosa porção de massa de farinha de milho numa chapa quente até que ela encorpe, para então recheá-la. Em outras, começarão o bolo de masa na chapa, e mais tarde o mandarão ao óleo fervente para um final perfeito. A massa cozida é partida, depois recheada com a sua escolha entre carne de porco moída, o apetitoso chorizo ou queijo e pimentão. Ela é complementada com um pouquinho de alface e cebola picadas e o costumeiro molho picante. Encontre uma das boas e ela será uma obra de arte comestível.

2. Gelato – Itália

Em sua forma mais básica, o gelato é um pudim congelado, aromatizado com todo ingrediente imaginável, de amaretto a zabaglione. O gelato italiano tradicionalmente não contém creme – deve ser feito com leite e ovos ou farinha de milho – e geralmente tem pouca gordura. Procure o realmente artesanal e será amor à primeira lambida – há aquele frisson correndo pela sua espinha e fogos de artifício parecem explodir no ar à sua volta. Esse, você pensa, é o gosto da felicidade.

3. Poutine – Quebec, Canadá

A base do poutine é um monte de batatas fritas (chips) quentinhas, enterradas num molho salgado e cobertas de queijo coalho fresco. O molho é geralmente feito de caldo de frango, mas você também verá vitela, carne bovina e até versões vegetarianas. Os melhores coalhos de queijo são tão frescos que fazem um barulho borrachento enquanto você mastiga. Poutine é gíria de Quebec para “uma confusão” – pode ser uma grande bagunça, mas é também uma grande delícia que você não pode perder.

4. Murtabak – Singapura e Malásia

Murtabak é essencialmente uma panqueca recheada, geralmente lembrando um crepe que foi enrolado e picado em quadradinhos. (Também vem numa variante doce na Indonésia, conhecida como martabak manis, que tem uma massa mais grossa cuja textura lembra um waffle macio.) Servida como um petisco, é encontrada em mercados, praças de alimentação e barraquinhas de rua, tanto em Singapura quanto na Malásia. Desde sua chegada na península malaia, os estilos de murtabak multiplicaram-se para refletir os gostos e ingredientes locais – cebola e ovo ao estilo chinês é o recheio preferido em Singapura, enquando uma guarnição de curry apimentado é comum na Malásia.

5. Currywurst – Alemanha

Em 1949, quando Berlim estava em ruínas, uma dona de casa empreendedora de nome Herta Heuwer conseguiu um pouco de curry inglês em pó com os soldados britânicos. Com este ingrediente raro (todo tipo de comida estava em escassez), ela criou um molho de curry à base de tomate e o espalhou generosamente sobre salsichas picadas. Assim nasceu o currywurst. Hoje há tantas variantes quanto há tipos de salsichas na Alemanha, e, como pode se esperar de um petisco alemão, ele é a comida perfeita para acompanhar uma cerveja.

6. Takoyaki – Japão

Uma bolinha de massa de farinha de trigo fofa e crocante reveste um naco tenro de polvo. A mistura é despejada numa chapa quente projetada especialmente com dentículos, como bolas de pingue-pongue cortadas ao meio. Um punhado de cebolinha verde pode ser jogado em cima, e então a coisa toda grelha até dourar. Quando pronta, é polvilhada com aonori (pó de alga verde), salpicada com katsuobushi (flocos de bonito) ou mergulhada em maionese ou molho takoyaki, parecido com um grosso molho inglês. A casquinha fica firme e borrachuda, abrindo-se para revelar uma massa escaldante e cremosa. O grande naco de polvo é o prazer final, algo para saborear enquanto você ataca a próxima.

7. Chivito al Pan – Uruguai

Este sanduíche empanturrado de carne – a vistosa especialidade nacional do Uruguai – oferece uma das maneiras mais baratas e saborosas de provar a famosa carne assada do país. Uma bomba de colesterol, o chivito começa com dois pedaços de pão caprichados na maionese que recebem uma pilha de camadas de carne grelhada, presunto, bacon, ovo frito ou cozido e queijo mussarela. Alguns vegetais simbólicos são jogados lá dentro para equilibrar: alface, tomate e pimentões vermelhos grelhados são o padrão, enquanto alguns lugares adicionam picles, azeitonas, champignon ou palmito.

8. Kelewele – Gana

Uma combinação sublime de sabores, o kelewele é como a versão picante e com banana-da-terra das batatas fritas, só que melhor. Bananas maduras são fatiadas em tiras longas, temperadas com sal, gengibre e pimenta fresca, e fritas em óleo vegetal, talvez em fogão à lenha. É servido numa folha de papel como uma sobremesa. A banana-da-terra tende a encaracolar na panela, formando pequenas espirais de delícia gordurosa. Crocante, ela é doce e picante, e os sabores de gengibre e da banana disputam a sua atenção enquanto o calor da pimenta faz cada mordida arder. O gostinho do depois é de doçura e puro fogo – mas ainda assim você vai querer mais.

9. Yangrou Chuan – Noroeste da China

Imagine-se num passeio ao anoitecer na China urbana, talvez num dos bairros hutong  de Pequim ou numa rua lateral de Xi’an. O cheirinho de carne grelhada defumada e um traço de cominho invadem o ar. Você vê um cara centro-asiático abanando o fogo de uma pequena grelha e girando espetos de carne, anunciando em mandarim: “Yangrou chuan! Yi tiao yi kuai!” (“Kebabs de carneiro! Um yuan por espeto!”). A presença de uma pequena multidão em volta da grelha, comprando espetinhos tão rápido quanto o vendedor pode prepará-los, é um bom sinal. Junte-se ao tropel e peça meia-dúzia – eles são o petisco perfeito para a noite.

10. Pastel de Belém – Portugal

O Pastel de Belém é uma pequena torta assada com massa folhada, recheada de um manjar doce e cremoso à base de ovos, às vezes polvilhado com canela. O pastel mais sublime – e “original” – é o da Antigua Confeitaria de Belém, em Lisboa. Faça fila com as hordas que os pedem para levar (incríveis 19 mil pastéis são vendidos diariamente). Apenas três pessoas conhecem a receita supersecreta, e a preparação acontece atrás de portas fechadas. Sinta o aroma do açúcar e da canela, dê uma mordida na massa crocante e deixe sua língua demorar-se com o delicioso manjar. Um doce pecaminoso.

11. Charque Suíno – Jamaica e ilhas do Caribe

Um dos grandes pratos caribenhos, o charque suíno (carne curada) é originalmente defumado sobre lascas e frutos de pimenta-da-jamaica. Isso adiciona um sabor extra, junto com uma pitada de pimenta-malagueta, cravo-da-índia e qualquer outro tempero ou erva à mão. A carne deve ser tenra e suculenta. O calor vem primeiro, uma explosão frutada de pimenta, seguida por uma doçura para mitigar o fogo. E a borda... Ah, aquela borda: escura e grudenta, contendo a quintessência do charque. Uma porção nunca é o suficiente.

Seleções escritas por: Tom Parker Bowles, Kate Armstrong, Gregor Clark, Carolyn B. Heller, Emily Matchar, Joshua Samuel Brown, Amy Karafin e Barbara Sarpong

 

Este artigo foi publicado em Setembro de 2013 e foi atualizado em Novembro de 2014.