Estados UnidosDicas e artigos

As melhores cidades dos Estados Unidos para se comer barato

Andy Murdock

Um dos maiores prazeres de se viajar é experimentar novas comidas e explorar os restaurantes e mercados de destinos desconhecidos. No entanto, viajar por si só já é caro antes mesmo de você considerar os altos preços dos restaurantes da moda. Então, aonde ir quando se é um gastrônomo com orçamento apertado?

Não há como evitar: algumas cidades simplesmente são mais caras, enquanto outras oferecem diversas opções de refeições baratas, mas que não representam a cultura ou as tradições do lugar. As cidades norte-americanas que citamos aqui, porém, têm o equilíbrio ideal entre personalidade e comida boa e barata, que conta a história das pessoas e do lugar utilizando ingredientes únicos.

 

A cena gastronômica de Houston apresenta uma mistura de influências de dar água na boca, inspirada em todos os lugares do mundo, da Coreia ao Caribe © Michael Shun / Getty Images

Houston, Texas

As grandes cidades dominam a imprensa gastronômica, exceto Houston – a quarta maior cidade dos Estados Unidos. A diversidade encontrada nela faz jus ao seu tamanho, oferecendo, assim, várias opções aos curiosos. Já que você está no Texas, então saboreie churrasco, tex-mex e grandes pedaços de bife, mas saiba que Houston também absorveu influências de Nova Orleans, do Caribe e também de muitos imigrantes da cidade, vindos do Vietnã, Índia, Coreia, Nigéria e mais. Os restaurantes de Houston, com frequência, misturam cozinhas para criar algo novo. A Coreia encontra o México no Oh My Gogi!, enquanto o Crawfish & Noodles une os sabores da cozinha Cajun com os da vietnamita, cujos imigrantes têm um importante papel na indústria pesqueira do golfo.

 

Tucson é o lar da chimichanga (embora nem todas sejam tão grandes quanto essa da foto) © Jackie Alpers / Getty Images

Tucson, Arizona

Talvez Tucson não seja uma cidade tão conhecida assim, mas é famosa nos círculos gastronômicos. Foi a primeira nos Estados Unidos a ser nomeada Capital da Gastronomia pela Unesco, que citou sua cozinha singular, refeições com herança local e seus mais de 300 anos de história agrícola. Tucson leva o crédito de ter inventado a chimichanga, um delicioso acidente causado quando um burrito do El Charro Café caiu, sem querer, em uma panela com óleo quente. Não deixe de provar o popular cachorro-quente de Sonora, um favorito que cruza fronteiras, feito com salsicha enrolada em bacon e coberta com salsa e feijões – prove-o no El Güero Canelo, onde assam os próprios pãezinhos ao estilo bolillo. O sempre cheio Mi Nitido serve a especialidade de Tucson, carne seca temperada e “crocantes de queijo” (torradas achatadas), além do prato do presidente – o favorito de Bill Clinton.

 

Chile verde – um dos ingredientes essenciais da cozinha do Novo México © Sergio Salvador / Getty Images

Albuquerque, Novo México

Quando se trata de restaurantes, há duas coisas maravilhosas em Albuquerque (e nenhuma delas vai pesar no seu bolso): lanchonetes americanas clássicas – fica na Rota 66, afinal – e a apimentada cozinha do Novo México. Vamos deixar claro: estamos falando de chile vermelho ou verde, cultivados no Novo México e adorados como em nenhum outro lugar. (Os locais também insistem em escrever “chile”, não importa o que diga o dicionário.) O Frontier reúne em um só lugar a comida do Novo México e o clima de lanchonetes tradicionais – universitários lotam o local, confirmando que é ótimo para o bolso comer aqui. Para saborear pães frescos, vá à Golden Crown Panadería, onde o pão de chile verde acaba assim que sai a fornada. Para provar algo do antigo Novo México, experimente o Pueblo Harvest Cafe, onde oferecem cozinha da região, à base de ingredientes cultivados nas redondezas e que servem de cobertura e recheio para enchiladas de milho azul e generosos tacos tewa.

 

A herança alemã de Cincinnati deixou a sua marca na cena gastronômica da cidade © Marlene Rounds / Getty Images

Cincinnati, Ohio

Conhecer a superbarata cena gastronômica de Cincinnati requer aprender coisas novas. Por exemplo, o chili de Cincinnati. Primeiro, ele é servido com macarrão, não em uma tigela. Segundo, ele parece um molho de carne com canela. Terceiro, você precisa saber quantos ingredientes deseja adicionar ao prato: se três (macarrão, chili, queijo), quatro (acrescente cebola ou feijão aos três anteriores) ou cinco (acrescente todos), e, ainda, se quer finalizar com pedaços de biscoitos por cima. A Skyline Chili induz um fervor quase religioso entre seus fãs (ei, há outras opções!). No bairro Over the Rhine, cujo nome é em homenagem à história dos imigrantes alemães de Cincinnati, não faltam opções de gastronomia com toque alemão. A especialidade local é o goetta, muito popular no café da manhã, que consiste em: uma salsicha tipo alemã em um pão de grãos – a refeição não ganhará nenhum concurso de beleza, mas, com certeza, tem uma legião de admiradores; há até um festival de goetta todo verão.

 

Sabia que Portland é o lar dos donuts mais loucos do mundo? © VW Pics / Getty Images

Portland, Oregon

Mesmo que você nunca tenha ido a Portland, é provável que saiba um pouco sobre sua cena gastronômica. A cidade é o lar dos loucos e originais donuts da Voodoo Doughnut e há muito tempo está encantada com food trucks, brunch e comida em geral. Talvez a maior atração para os gastrônomos econômicos, no entanto, seja o happy hour de Portland. Na maioria dos lugares, happy hours funcionam como chamarizes de clientes nos horários menos movimentados e em noites mais calmas. Em Portland, quase todo bar e pub oferecem um happy hour que inclui pratos todos os dias, e essa competição pela sua atenção significa que você consegue descolar bons preços. Os restaurantes também entraram nessa onda, como o Bamboo Sushi e o Ash Bar, no NomadPDX, e o Imperial oferecendo jantares mais em conta para os clientes que chegam mais cedo.

 

Para além dos parques temáticos, Orlando é um ótimo lugar para os amantes da cozinha vietnamita © Danita Delimont / Getty Images

Orlando, Flórida

Em 2017, 72 milhões de pessoas visitaram Orlando, e temos uma boa ideia de onde a maioria delas estava. Mas vamos deixar algo claro: não há nada de barato (ou especialmente interessante) em fazer refeições nos parques temáticos. Tome sua cerveja amanteigada, mas não se esqueça de explorar o restante da cidade. Muitos dentre os milhares de refugiados da Guerra do Vietnã, nos anos 1970, instalaram-se em Orlando. Hoje, no distrito de Mills 50, há vários tentadores – e econômicos – restaurantes e supermercados vietnamitas, incluindo o Pho 88, conhecido pela sopa deliciosa e barata que dá nome ao lugar. E, como estamos na Flórida, é claro que a gastronomia cubana também está presente em Orlando, que oferece aos seus visitantes lugares como Black Bean Deli, uma antiga revendedora de carros convertida em restaurante causal que serve ropa vieja (carne cozida com vegetais), sanduíches cubanos e um poderoso café.

 

O combo favorito de Detroit: coney dogs e fritas com chili em Lafayette Coney Island © Bloomberg / Getty Images

Detroit, Michigan

Temos uma boa notícia para aqueles que estão com muita fome: Detroit não trabalha com ostentação. A prova disso é que um dos clássicos de Detroit é o coney, um cachorro-quente coberto de chili e cebolas. Se você ainda sentir fome depois de uma refeição no Lafayette Coney Island, experimente o segundo favorito da região: fritas com chili. Lanchonetes modernas, como a Parks & Rec, estão reavivando o amor de Detroit pelas clássicas lanchonetes norte-americanas, mantendo os preços bons. No início dos anos 1900, imigrantes gregos mudaram a cena gastronômica de Detroit para sempre, e hoje a cozinha grega é encontrada em toda a cidade. Não vamos discutir aqui quem tem o melhor gyro ou faz a blakava mais crocante, mas a sua carteira não ficará lisa se você tentar descobrir isso sozinho.

Este artigo foi publicado em Outubro de 2019 e foi atualizado em Outubro de 2019.

Estados Unidos

Destaques