ChinaDicas e artigos

Sichuan: explorando uma província tradicionalmente chinesa

Stephen Lioy

Sichuan (四川) – A “China da China”. Esta província que fica ao oeste da China é o microcosmo de tudo o que atrai os turistas para o Reino do Meio. Culinária picante, pandas sonolentos, um conjunto diversificado de culturas antigas e paisagens naturais selvagens são apenas uma parte da gama de atrações permanentes de Sichuan.

E, em 2018, há mais motivos do que nunca para viajar para a terra dos quatro (四) rios (川). A capital de Sichuan se transformou em uma cidade moderna que conta com design e arte pelos quatro cantos; novas linhas ferroviárias começam a operar no interior da província – incluindo um trajeto para o conhecido “teto do mundo”, que transporta os viajantes para o Tibete – e um dos parques nacionais mais valorizados da China se recuperou depois de um terremoto avassalador.


Sichuan é conhecida pela variedade de pimentas extremamente picantes, capazes de entorpecer a língua © HelloRF Zcool / Shutterstock

Então, prepare-se para sentir um formigamento na língua porque chegou o momento de conhecer a maioria das províncias chinesas.

Chengdu – uma cidade antiga e moderna

Esta magnífica cidade é o centro de uma das quatro regiões culinárias mais conhecidas da China, com especiarias arrojadas e pimentas fortíssimas. Talvez isso também explique as famosas performances de ópera que ocorrem na cidade, com artistas que cospem fogo e apresentam números de transformação facial, o que, de certo modo, é uma demonstração ímpar das experiências gastronômicas (literalmente) acaloradas e disponíveis por todos os cantos da província.


A ponte Anshun de Chengdu foi mencionada por Marco Polo em seus escritos sobre a China do século XIII © Nick Wonnell / Shutterstock

Além dos templos antigos de Chengdu e das casas de chá centenárias, a cultura contemporânea está ganhando cada vez mais o reconhecimento dos viajantes: hotéis rebuscados, clubes badalados, cervejarias criativas e um punhado de museus que expõem desde relíquias do passado de Sichuan até arte contemporânea com obras de artistas locais e nacionais.

Uma visita aos pandas nas florestas de Sichuan

A Base de Pesquisa de Reprodução de Pandas Gigantes de Chengdu – uma tentativa de  conservação ex-situ que visa preservar os bambus – é sem dúvida o melhor lugar do mundo para se aproximar de um panda, mas não é a única opção de Sichuan. Fora da cidade de Ya'na, cento e cinquenta quilômetros a oeste de Chengdu, a Bifengxia Panda Base tem uma atmosfera mais natural, e aqui você vai poder subir num desfiladeiro de uma floresta, curtir cachoeiras e relíquias culturais, encontrar um pequeno grupo de pandas em meio a um agradável cenário arborizado e típico do centro e do sul de Sichuan.


Os numerosos centros de reprodução e reservas naturais de Sichuan o tornam um dos melhores lugares da China para encontrar um panda © Akkharat Jarusilawong / Shutterstock

Nas montanhas de Sichuan

Mais a oeste ou ao norte de Sichuan, as planícies da Bacia de Chengdhu dão lugar às escarpadas encostas do planalto tibetano. Os parques nacionais são o grande destaque desta região, com verdadeiras paisagens cênicas, como os lagos de água cristalina e azul e as enormes cachoeiras do Parque Nacional Jiuzhaigou, que reabriu para o público com número limitado de visitas depois que um terremoto em 2017 atingiu o norte de Sichuan e fechou o local por meses.

Mais a oeste, três vales serenos no Four Sisters Mountain National Park oferecem aos visitantes a oportunidade de caminhar por trilhas não pavimentadas sob a sombra de quatro picos imponentes, de frente para geleiras e lagos.


A Serene Yading Nature Reserve (Reserva Natural de Serene Yading) combina a incrível paisagem montanhosa de Sichuan e a espiritualidade budista © Monpisut Varaganont / Shutterstock

E no extremo sudoeste da província, a Reserva Natural de Yading foi renomeada como uma espécie de Shangri-la dos últimos tempos, combinando templos e cultura tibetanos com rotas de caminhada com duração de um a quatro dias, percorrendo a paisagem natural praticamente ilesa ao desenvolvimento moderno.

Explorando a cultura tibetana em Kham            

Uma nova linha férrea, a Tibete-Sichuan, com previsão de inauguração para 2025, ligará Chengdu a Lhasa com um percurso de quinze horas. Para quem quiser evitar as burocracias de agência de viagens (e despesas) e de acesso para visitar a Região Autônoma do Tibete, deve procurar a região próxima a Western Sichuan, que corresponde a Kham, uma das três províncias histórico/culturais tradicionais do Tibete.


Cerca de dez mil monásticos vivem no Tibetan Buddhist Yarchen Gar, na prefeitura de Garzi, ao oeste de Sichuan © DavidWebb / Shutterstock

Esta área abriga um mosteiro de duzentos anos de idade e seu prelo, em Dege. Cerca de quarenta mil monges vivem na Seda's Larung Gar Buddhist Academy e outros dez mil monges e freiras residem na Yarchen Gar Buddhist Academy. Cidades pitorescas e monásticas, localizadas nas montanhas, como Langmusi e Garze são uma ótima pedida para aprender sobre a cultura e a religião tibetanas, ou simplesmente para curtir as encostas das redondezas. Pela localização privilegiada, entre as áreas culturais tibetanas, Sichuan é um dos melhores destinos da China.

Lugares sagrados de Chengdu

Vários locais religiosos próximos a Chengdu são uma ótima opção para escapar da agitação da cidade e desfrutar da história diversificada deste país. Le Shan é o lar do famoso Grande Buda, que tem setenta e um metros de altura, esculpidos em um penhasco na tentativa de acalmar as águas dos três rios poderosos que convergem aqui. A área atrai peregrinos de todo o país que chegam por via térrea ou marítima para se maravilhar com este poderoso Buda.


O cume de Emei Shan, uma das quatro montanhas mais sagradas da China © M.A. Cynthia / Shutterstock

Alguns preferem ir para Emei Shan, percorrendo a paisagem da floresta (ou a vista área por meio de passeios rápidos de teleférico) que passam por templos do século IX e chegam ao pico, a 3099 pés de altura. Acorde bem cedo para poder assistir ao fenômeno do nascer do sol, conhecido como “Halo do Buda”, quando a luz ascendente reflete nas nuvens, criando uma auréola mística no céu em formato de figuras humanas.

O destaque taoísta de Sichuan é o Qingcheng Shan. Este complexo montanhoso de templos antigos e florestas nebulosas é conhecido como berço desta tradicional religião chinesa, e o local foi ocupado por peregrinos por mais de dois mil anos, que se hospedavam em mosteiros onde permaneciam meditando diante da beleza da região.

China antiga

As cidades ribeirinhas e históricas de Sichuan são o local perfeito para quem quer desacelerar e relaxar um pouco. Geralmente localizadas ao longo da “Tea Horse Road”, uma rota comercial histórica entre o Tibete e Sichuan (conhecida também como Southern Silk Road), essas cidades descontraídas oferecem uma ótima combinação entre lazer de uma região pequena, arquitetura histórica e paisagem bucólica.


O histórico e descontraído Langzhong é uma boa opção para descobrir a cultura e a literatura chinesas antigas © Meiqianbao / Shutterstock

Casas de chá à beira do rio e uma porção de sendas agradáveis valem a visita a Liujiang.  Pousadas charmosas e a arquitetura restaurada da Dinastia Qing, além de conexões históricas com o Romance dos Três Reinos (uma das mais importantes sagas literárias da China) fazem de Langzhong um ótimo refúgio. E o fácil acesso ao transporte  de ônibus que oferecem percursos direto de Chengdu, fazem de Pingle a vila mais simples de se chegar. Seja qual for a sua escolha, você não se arrependerá. Todas são ótimas opções para relaxar depois de explorar um dos mais diversos conjuntos de experiências da China de toda a região de Sichuan.

PUBLICADO em maio de 2018.

Este artigo foi publicado em Setembro de 2018 e foi atualizado em Setembro de 2018.

China