Butão

Todas em Butão

‹ Anterior

de 2

  1. Ambient Café

    De localização central, claro e bem administrado, popular entre imigrantes, oferece wi-fi grátis, bom café espresso, bolos caseiros e especiais diários no almoço, inclusive sanduíches grelhados e wraps. Fica em um sobrado com vista para Norzin Lam.

  2. Arqueria Butão

    Atende à grande comunidade de arqueiros butaneses e é especializada em arcos da Marca Hoyt, fabricados nos Estados Unidos, que custam de US$600 a US$1300. As flechas são da marca Easton, com ponta de metal, e custam de Nu 550 a Nu 720. Arcos de bambu tradicionais são de fabricação caseira, normalmente, mas as flechas podem ser compradas no mercado de fim de semana.

  3. Artesanato Lungta

    As melhores compras são objetos grandes, como caixas de bambu, tapetes, jarros de metal e até selas para cavalo e trombetas monásticas. Todas as antiguidades têm selos da Comissão Nacional de Assuntos Culturais (CNAC), o que significa que podem passar por alfândegas. Como muitas lojas, pode providenciar transporte pela DHL, caro, mas conveniente.

  4. Bhutan Kitchen

    Este elegante restaurante apresenta a cozinha butanesa em um cenário espaçoso, mas acolhedor, que tem acomodações tradicionais e uma cozinha excelente. Foi planejado para grupos de turismo, por isso você pode mergulhar em ema datse e outros pratos locais sem ter que chamar os bombeiros. Comece por conta da casa com uma dose de arra (a aguardente local) ou sud-ja (chá de manteiga) no almoço.

  5. Centro Cultural Nehru-Wangchuck

    Este centro na frente do hotel Taj Tashi tem apresentações, documentários e palestras sobre a cultura do sul da Ásia, especialmente a Índia. Também tem uma biblioteca sobre cultura e religião do Sul da Ásia e Tibete, além de uma sala de ioga. Veja a página do Facebook para saber dos programas atuais.

  6. Centro de Tecelagem Gagyel Lhundrup

    Este centro particular no extremo sul de Thimphu produz têxteis  à mão e tem uma seleção de tecidos e roupas prontas à venda. É um dos poucos lugares onde você pode ver tecelões trabalhando. Uma kira finamente bordada pode levar um ano para fazer e custar mais de US$1000; as mais baratas custam a partir de US$50.

  7. Club Ace

    Lugar famoso na periferia do centro de Thimpu, com uma grande pista de dança, DJs e retumbantes batidas eletrônicas

  8. Clube de Golfe Royal Thimphu

    O Clube de Golfe Royal Thimphu tem um delicioso campo de nove buracos localizado acima do Dzong Trashi Chhoe. O brigadeiro-general TV Jaganathan, um indiano residente no local, pediu permissão ao Rei Jigme Dorji Wangchuck para construir alguns buracos no fim da década de 1960, e a pista foi formalmente inaugurada em 1971. Com que frequência você dá suas tacadas vendo um dzong butanês e tem que desviar de estupas aleatórias?

    Estudantes carregadores de tacos podem ser encontrados por cerca de Nu 300. Não é preciso marcar hora para jogar, mas pode haver espera nos fins de semana. O restaurante da sede (fechado às segundas-feiras) tem boa comida e belas vistas dos campos.

  9. Dewachen Hotel

    Este impressionante edifício de pedra e madeira no vilarejo Tabiting é a primeira opção para muitos viajantes. Os quartos são grandes e elegantes (os de canto são os melhores), e o bom restaurante tem janelas panorâmicas que oferecem grandes vistas do vale. O nome faz referência ao paraíso “Terra Pura” do Buda Amitaba.

    Nossos autores independentes visitaram o Hotel Dewachen Hotel e o selecionaram como um dos nossos  hotéis recomendados no Vale Phobjikha.

  10. Druk Hotel

    Por muito tempo foi o melhor em Thimphu, mas nos últimos anos tem tido um perfil inferior, apesar das extensivas reformas. Fica no centro da cidade, com vista para a Praça da Torre do Relógio, e tem um bar elegante, um restaurante multicuisine que se destaca especialmente pela comida Indiana, um centro de negócios 24h e um clube de bem-estar com academia, sauna e banho de vapor.

    Nossos autores independentes visitaram o Hotel Druk e o selecionaram como um dos nossos   hotéis recomendados em Thimphu.

  11. DzongTrashi Chhoe

    Este esplêndido dzong, no norte da cidade à margem oeste do Wang Chhu, parece se encaixar perfeitamente à paisagem, dando à cidade esplendor real e peso monástico. O dzong foi o lugar da exuberante coroação formal do quinto rei em 2008 e é palco da maior festa anual da cidade, o colorido festival tsechu.

    O prédio que você vê não é o dzong Thimphu original. Em 1216 o Lama Gyalwa Lhanangpa construiu o Dzong Dho-Ngen (Dzong Pedra Azul) na colina sobre Thimphu onde Dechen Phodrang está agora. Alguns anos mais tarde o Lama Phajo Drukgom Shigpo, que levou a linhagem Drukpa Kagyu ao Butão, assumiu o dzong. Em 1641 o Zhabdrung adquiriu o dzong dos descendentes do Lama Phajo e o renomeou Dzong Trashi Chhoe (Fortaleza da Religião Gloriosa). Ele fez arranjos para acomodar tanto monges quanto oficiais civis no dzong, mas o lugar era muito pequeno, e ele construiu outro mais abaixo, no vale, para os oficiais civis. O 13° Druk Desi, Chhogyel Sherab Wangchuck (1744–63), mais tarde aumentou o Dzong Trashi Chhoe para poder acomodar oficiais civis e monges.

    O dzong original mais no alto foi destruído pelo fogo em 1771 e abandonado em favor do mais embaixo, que foi expandido. Esse dzong também sofreu um incêndio em 1866, e mais dois desde então. A utse (torre central) de cinco andares foi danificada no terremoto de 1897 e reconstruída em 1902.

    Quando mudou a capital para Thimphu em 1962, o Rei Jigme Dorji Wangchuck começou um projeto de cinco anos para renovar e aumentar o dzong. O arquiteto real fez os reparos sem tocar o utse, Lhakhang Sarpa (Novo Tempo) ou qualquer uma de suas capelas no centro. Além dessas estruturas, todo o dzong foi reconstruído à maneira tradicional, sem pregos ou planos arquitetônicos. O dzong já abrigou a Assembleia Nacional e hoje abriga o secretariado, a sala do trono e gabinetes do rei, e os ministérios dos assuntos internos e finanças.

    A estrutura externa caiada de dois andares do dzong tem torres de três andares nos quatro cantos projetando-se sobre as muralhas e cobertas por telhados vermelhos e dourados de três camadas. Há duas entradas principais no lado oriental. A entrada ao sul leva à seção administrativa (proibida para visitantes), enquanto a entrada ao norte leva à área monástica, a residência de verão do dratshang (corpo central de monges).

    Ao entrar no dzong pela entrada nordeste você é recebido pelos quatro reis guardiões, enquanto os degraus são flanqueados por imagens de Drukpa Kunley, Thangtong Gyelpo e Togden Pajo e consortes. Ao entrar no dochey (pátio) é difícil não se impressionar com as proporções esplêndidas da arquitetura, o silêncio fechado rompido apenas pelo voo de pombos, pelo arrastar de pés e pelo ruído das rodas de oração. Um grande utse separa o pátio monástico ao norte e seu Lhakhang Sarpa do pátio administrativo ao sul. A sala de reunião ao norte tem uma grande estátua de Sakyamuni (o Buda histórico) e os tronos do atual rei, do rei anterior e Je Khenpo. Olhe para cima e veja as belas mandalas pintadas no teto.

    Às vezes é possível entrar no utse. Se conseguir entrar, procure no terceiro andar a estupa funeral do 69° Je Khenpo, onde peregrinos recebem a bênção da noz de bétele de seu recipiente de nozes. Se isso o intriga, siga para a porta ao lado e visite o banheiro do Zhabdrung em sua antiga sala de estar.

    A nordeste do dzong há um exemplo excelente de uma ponte cantilever tradicional. A sudeste fica a despretensiosa residência do rei atual, e do outro lado do rio você pode ver o impressionante edifício SAARC, onde funciona a Assembleia Nacional. O pequeno Neykhang Lhakhang, a oeste do dzong, abriga as divindades protetoras locais Gyenyen Jagpa Melen e Dorji Daktshen, e não permite visitantes. O grande pátio ao ar livre no lado norte do abriga as danças do festival anual tsechu em setembro. O imenso Sangay Tsokhorsum Thondrol (uma imagem religiosa pintada/bordada) do dzong é aberto aqui no clímax do tsechu.

  12. Instituto Nacional de Zorig Chusum

    O instituto, conhecido como “a escola de pintura”, oferece cursos de quatro a seis anos sobre as 13 artes tradicionais do Butão. Os alunos se especializam em pintura (móveis, thangkas – imagens religiosas pintadas normalmente em telas), entalhe em madeira (máscaras, estátuas, vasilhas), bordado (tecidos decorativos, sapatos, roupas) ou escultura (argila).

    A maioria das operadoras de turismo inclui a escola no programa de visita a pontos turísticos. Grandes grupos de visitantes podem perturbar as aulas, mas as demonstrações de artesanato são o sonho dos fotógrafos, e é difícil não se impressionar com a habilidade e a disciplina dos jovens estudantes.

    Há várias lojas de artesanato perto dali.

  13. Mercado de fim de semana

    O Mercado de Fim de Semana tem barracas nas duas margens do Wang Chhu, ao norte do Estádio Changlimithang. Vendedores de toda a região começam a chegar quinta e sexta-feira, e ficam ali até domingo à noite.

    Ande por lá e você vai encontrar uma pungente seleção de peixe seco, tiras de gordura de porco e bolas de datse (queijo caseiro macio). No inverno você pode até escolher uma perna de iaque (ainda com o casco). A área do incenso é uma das seções mais interessantes, cheia de ingredientes naturais deliciosamente aromáticos, além de cubos rosados de açafrão que parecem dados, mas são usados para dar sabor à água sagrada dada aos peregrinos em lhakhangs. Os grãos e ervas misturados em sacos são para jogar para o ar durante rituais religiosos.

    Dependendo da estação, procure cachos de banana, jaca e os frondes enroladas da samambaia conhecida como nakey. A seção de cereais tem arroz vermelho e tsampa, a cevada torrada e moída adorada pelos tibetanos e butaneses das terras altas.

    Do outro lado da passarela conhecida como Kundeyling Baazam, na margem oeste, há uma coleção de barracas de roupas e um mercado de artesanato. Produtos incluem vasilhas de madeira, contas mala, blocos de impressão, amuletos, caudas de iaque e rodas de oração, algumas delas feitas no Nepal. Há alguns tesouros no meio da tralha. Negociar é necessário; seu guia pode orientá-lo sobre a qualidade da compra que você pretende fazer.

  14. Musk

    Na Praça da Torre do Relógio, é um ótimo lugar para se juntar aos locais que se sentam do lado de fora para aproveitar a brisa e fumar seus cigarros discretamente. O cardápio consiste principalmente de pratos butaneses, mas também tem alguns tailandeses e indianos. Na quinta-feira tem Nepali thali (refeição definida) e sexta-feira é dia da bangchung (quentinha) butanesa.

  15. Taj Tashi

    A impressionante arquitetura do tipo dzong do cinco estrelas Taj Tashi sugere o luxo discreto, mas estiloso, encontrado no interior. O bar e a varanda externa são lugares elegantes para um drinque tranquilo. Os quatro quartos de luxo com varanda têm solário e sofá-cama, e são uma boa escolha. Os quartos de canto também são muito procurados pelas vistas excelentes. Os hóspedes desfrutam de uma academia de ponta e piscina coberta; e os casais vão amar a massagem com óleo de aromaterapia à luz de velas, seguida por um banho de pétalas de rosa e uma garrafa de champanhe.

    Nossos autores independentes visitaram o Taj Tashi e o selecionaram com um dos nossos hotéis recomendados em Thimphu.