Bélgica

Atrações em Bélgica

‹ Anterior

de 1

Próxima ›
  1. Begijnhof

    O delicioso begijnhof de Bruges data do século 13. Embora o último begijn tenha falecido há muito tempo, entre as residentes atuais do belo complexo caiado com jardins estão as freiras beneditinas de um convento. Apesar das hordas de turistas no verão, o begijnhof continua a ser um refúgio tranquilo. Na primavera, um tapete de narcisos acrescenta exotismo à cena. Fora do portão levadiço de 1776 fica uma série de restaurantes tentadores, apesar dos preços para turistas, lojas de rendas e vendedores de waffles.

  2. Brabo Fountain

    Assim como em qualquer grande cidade flamenga, o coração medieval de Antuérpia é o clássico Grote Markt. É flanqueado dos dois lados por fotogênicas fachadas e dominado por um impressionante estilo ítalo-flamengo renascentista. Há ainda a stadhuis (prefeitura), finalizada em 1565. A principal atração é uma voluptuosa fonte barroca representando o herói romano Brabo que, depois de ter matado o gigante que aterrorizava a cidade, cortou seu braço e atirou-o pelo ar. Essa improvável Hand Wepen (mão arremessada) é citada como a origem do nome Antwerpen.

  3. Choco-Story

    (adulto/criança €7/4) Esse museu de chocolate super interessante acompanha a semente de cacau desde que ela era uma moeda asteca, mostra vídeos da produção da planta e fornece amostras de bombons feitos como você vê (última demonstração às 16h45).

  4. Galerias St-Hubert

    Primeiro centro comercial da Europa, aberto desde 1847, com arcos neoclássicos envidraçados e ladeados por pilastras de mármore. A oeste, há duas vias encantadoras e coloridas de restaurantes de peixes (Rue Petit e Rue des Bouchers), mas cuidado: muitos deles são notórias armadilhas para turistas.

  5. Groeningemuseum

    (adulto/desconto €8/6) A mais célebre galeria de arte de Bruges tem onze salas e uma coleção incrivelmente rica. São
    pinturas flamengas primitivas soberbas, entre elas a obra-prima radiante, ainda que estranha, de Jan van Eyck, Madonna
    do Cônego George Van der Paele (1436), principal atrativo. Gêneros artísticos mais recentes também estão presentes.

  6. Manneken Pis

    Essa pequena estátua em uma fonte, de um garoto fazendo xixi alegremente, é um símbolo nacional perfeito da surreal Bélgica. É mais comum a nudez da pequena estátua estar coberta por um traje comemorativo: seu guarda-roupa sempre crescente fica exposto no Maison du Roi (Musée de la Ville de Bruxelles; Grand Place).

  7. Museu Magritte

    (adulto/menor de 26 anos/BrusselsCard €8/2/grátis) Aberto em 2009, esse bonito museu acompanha o desenvolvimento estilístico do mais famoso artista surrealista belga, René Magritte, do colorido estilo cubista de Braque em 1920 passando pela fase Dalí e o período do fim dos anos 1940, emque explorou a pincelada de Kandinsky. Sessões regulares de um documentário de 52 minutos dão uma ideia da vida nada convencional de Magritte. Você consegue desconto na entrada se visitar também os Museus Royaux des Beaux-Arts, ao lado.

  8. Onze‑Lieve-Vrouwekathedraal Catedral

    (adulto/desconto €5/3) ) A mais incrível catedral gótica da Bélgica levou 169 anos para ser construída (1352–1521). Onde quer que se ande na cidade, sua graciosa torre de 123 metros aparece e provoca suspiros de admiração. Tours guiados às 11h00.

  9. Rubenshuis

    (adulto/criança €8/1, audioguia €2) Restaurado e mobiliado como no original, o edifício de 1611 foi construído como
    casa e ateliê do celebrado pintor Rubens. A esplêndida coleção de arte inclui dez telas dele, como uma em que Eva parece olhar com cobiça para a folha de parreira do Adão (número 50 no guia).