ÁsiaDicas e artigos

10 coisas para se fazer em Guangzhou, China

Cathy Adams

Terceira maior cidade da China, Guangzhou é o coração das megalópoles do Delta do Rio das Pérolas. A localização na costa do mar da China Meridional há muito tempo tornou Guangzhou um dos portos comerciais mais importantes da China, com uma história colonial e uma sociedade culturalmente diversa.

Mas conforme a população da região aumentou (hoje em torno de 130 milhões de pessoas chamam o Delta do Rio das Pérolas de lar), o mesmo aconteceu com a reputação de Guangzhou.


A ultra- moderna Zhujiang New Town © Cathy Adams / Lonely Planet

Hoje, a capital da província de Guangdong, antigamente conhecida como Cantão, encontrou seu lugar como uma metrópoles fervilhantes cheia de arquitetura de vanguarda, saborosa comida cantonesa e diversos bolsões interessantes a serem explorados. Uma surpresa é que Guangzhou é também uma das únicas cidades na China em que mandarim e cantonês são falados quase igualmente.

Aqui estão as 10 coisas que você não pode perder em Guangzhou.

Guangzhou Opera House

A peça de arquitetura mais impressionante da cidade é a chamativa Guangzhou Opera House, desenhada por Zaha Hadid. O espaço de performances possui as curvas fluídas que são a marca registrada de Hadid e que, segundo a arquiteta, foram inspiradas por duas pedras desgastadas pelo Rio das Pérolas. A casa de ópera, inaugurada em 2010, é tão futurista por dentro quanto por fora; os espetáculos vão de clássicos a óperas cantonesas. 


Vieiras no Huangsha Seafood Market © Cathy Adams / Lonely Planet

Comida Cantonesa

Guangzhou, há tempos o lar espiritual da comida cantonesa, é também uma das cidades mais saborosas da China – um status que está prestes a se tornar oficial com o lançamento de um Guia Michelin da cidade no fim desse ano. Como você esperaria de um centro cosmopolita, Guangzhou possui uma boa quantidade de restaurantes de ponta, mas há também uma pulsante cena local. Explore-a com o Eating Adventures, que coordena tours gastronômicos de meio dia por Liwan, o bairro tradicional da cidade. O destaque é o Huangsha Seafood Market, um dos maiores mercados de peixe do sul da China, onde restaurantes no andar de cima cozinham os frutos do mar que você acabou de comprar no andar de baixo.

Xiaobei

Uma alta migração vinda da África tornou Guangzhou uma das cidades mais diversas da China. O bairro de Xiaobei, que se espalha em volta da Baohan Straight Street, é lar de uma grande concentração de residentes africanos, além de Uyghurs do noroeste da China. É um bairro interessante para se explorar – ao lado de mercados de atacado você pode encontrar a melhor comida Uyghur da cidade (pense em macarrão feito a mão e cordeiro assado no carvão).


Uma viela em Liwan, o coração tradicional de Guangzhou © Cathy Adams / Lonely Planet

Liwan

O coração tradicional da cidade é Liwan, o bairro antigo, onde as casas não têm mais que alguns andares e o cantonês ainda é a língua dominante. Visite o Mercado de Medicina Chinesa de Qingping e passeie pelas ruas onde vendedores ambulantes se sentam em cadeiras de plástico, às vezes oferecendo punhados de insetos, as vezes jogando mahjong. O calçadão de Shangxiajiu, o primeiro de Guangzhou, possui uma mistura de música de estourar os tímpanos e lojas tradicionais com um certo charme europeu.

Parque Xiaogang

A vida cotidiana na China é vivida em lugares públicos como os parques. O amplo Parque Xiaogang, no sul de Guangzhou, é o lugar ideal para um passeio preguiçoso de fim de semana – especialmente em volta do lago que fica no centro. Há um excelente restaurante vegetariano, o Bingsheng Zen Tea House, bem na entrada, perfeito para um almoço longo.


A Torre de Televisão do Cantão vista do Four Seasons Hotel, IFC © Cathy Adams / Lonely Planet

Torre de Televisão do Cantão

A estrutura mais alta da cidade, a esguia Torre de Televisão do Cantão se tornou o marco da moderna Guangzhou – reconhecível por sua forma retorcida que se ilumina com as cores do arco-íris à noite. A plataforma de observação, a 488m de altura, oferece um panorama de tirar o fôlego de Guangzhou e do bairro ultra moderno de Zhujiang New Town. Melhore a experiência ao pegar um bubble tram: essas cabines de acrílico transparente sobre trilhos rodeiam lentamente o topo da torre.

Sun Yat-sen Memorial Hall

Na ponta sul do parque Yuexiu Park fica o imponente Sun Yat-sen Memorial Hall, que comemora o primeiro líder da China moderna. O epônimo médico, nascido no norte de Guangdong em 1866, foi imortalizado em bronze do lado de fora dessa impressionante sala octogonal que acomoda mais de 3000 pessoas para performances. Ainda nos passos de Sun, algumas paradas adiante na linha 2 do metrô, você pode visitar o Sun Yatsen Memorial Museum, na residência onde Sun viveu nos anos 1920.


As arborizadas ruas da Ilha Shamian, perfeitas para um passeio © Baiterek Media / Shutterstock

Ilha Shamian

Essa ilha de 300m², uma antiga concessão europeia, é uma das partes mais bonitas de Guangzhou. Há ruas de pedra, avenidas ladeadas por árvores banyan e placas de ferro fundido – um contraste total com o resto da cidade. O Starbucks daqui, em uma antiga mansão colonial, deve ser uma das filiais mais charmosas do mundo, enquanto o lobby do cinco estrelas White Swan Hotel vale a visita por seu lago absurdo e mini-cachoeira.

Compras

Se você quer um resumo da Guangzhou moderna, visite a Beijing Road – um barulhento e agitado calçadão cheio de camelôs e o que parece ser a população de uma cidade inteira em certas horas do dia. Uma experiência de compras mais refinada pode ser encontrada em Tianhe, um distrito de negócios que está se gentrificando rapidamente e é popular com as pessoas que vêm de Hong Kong no fim de semana (é convenientemente perto da estação de trem Guangzhou East). O shopping Taikoo Hui é uma experiência muito mais calma, com mais de 180 grandes marcas. Para antiguidades, genuínas ou nem tanto, vá a Xiguan Antique Street.


Dim sum: siu mai no restaurante Yu Yue Heen © Cathy Adams / Lonely Planet

Dim sum

O tradicional yum cha (literalmente “tomar chá”) é levado muito a sério em Guangzhou, e há diversos restaurantes que dizem ter a melhor seleção dos tradicionais dim sum (os pequenos pratos comidos na yum cha). Alguns dizem que o melhor da cidade é o Dian Dou De, em Liwan (587 Longjin Zhonglu) – parte do tour da Eating Adventures tour – que serve (de longe) o melhor pastel de nata servido fora de Portugal. Para algo mais formal, há o Lai Wan Market, um restaurante de dim sum (com mesas enfiadas em tradicionais barcos sampans), do bloco de concreto que é o Garden Hotel. Finalmente, há o tradicional “jardim restaurant” Panxi, uma coleção de salas de jantar que ficam em volta de um maravilhoso jardim e onde se serve cestas fumegantes dos clássicos pasteizinhos e bao buns.

Este artigo foi publicado em Outubro de 2018 e foi atualizado em Outubro de 2018.

Ásia