ÁsiaDicas e artigos

Veja pandas na China

O famoso panda-gigante

É a “caça” aos ursos! você vai subir montanhas, embrenhar-se nas florestas de bambu, enfiar os pés na neve... tudo para seguir os rastros do animal mais icônico e enigmático (e menos colorido) da China, o panda-gigante.

 

O panda-gigante é um dos melhores erros da natureza: um carnívoro vegetariano. Talvez seja graças ao seu porte rechonchudo e ao seu sorriso bobalhão que o ícone chinês em risco de extinção seja geralmente retratado como desengonçado e sempre faminto. Esta segunda característica não está tão distante da verdade – com um sistema digestivo inadequado à sua dieta composta 99% de bambu, o panda-gigante passa cerca de quatorze horas por dia comendo dez quilos ou mais dessa planta fibrosa. Por outro lado, como qualquer um que tenha tentado vê-lo em seu habitat natural pode dizer, ele é ligeiro o suficiente para driblar qualquer observador da vida selvagem.

Na verdade, apesar de rumores e de antigas lendas, o da xiong mao (“grande gato urso”, como é conhecido na língua local) era tão fugidio que ficou praticamente desconhecido até 1869, quando o padre católico, missionário e naturalista Père Armand David conseguiu uma pele sua; depois, houve outra espera por mais meio século até que um panda vivo fosse visto novamente por um ocidental. Hoje, só há pandas nas florestas altas de Sichuan, Gansu e nas Montanhas Qinling, na província de Shaanxi.

Parque Nacional de Jiuzhaigou, na província de Sichuan, onde pandas podem ser avistados
Foto por: lzf/iStock/ThinkStock

 

Pandas eram raros mesmo antes de começarem a caçá-los, e a destruição de seu habitat dizimou a sua população. Atualmente, porém, o número de indivíduos da espécie está aumentando, graças à implantação de uma faixa de mais de sessenta reservas naturais e da introdução de medidas protetoras, como a proibição da exploração madeireira. Uma pesquisa recente estimou uma população de cerca de 1.600 pandas.

As reservas vizinhas nas Montanhas Qinling – com destaque para Changqing e Foping, a sudoeste de Xi’an – oferecem as melhores oportunidades para avistar esses animais fofos. A densidade da população de pandas é relativamente alta – de até um panda por 1,5 quilômetro quadrado em Foping –, e trilheiros experientes conseguem levar os observadores aos pontos certos para avistá-los dentro das florestas. Mesmo assim, está longe de ser um passeio no parque: prepare-se para longos dias subindo encostas íngremes, passando por mata fechada e, com frequência, enfrentando temperaturas abaixo de zero. Reze para ter sorte. Você vai precisar dela – assim como os pandas.

Se por acaso não encontrar um panda-gigante, você ainda pode visitar um dos centros de reprodução da província de Sichuan, a sudoeste de Shaanxi. A Estação de Reprodução de Pandas na Reserva Natural de Wolong foi bastante destruída no terremoto de 2008, então é melhor ir à Base de Pesquisa de Reprodução do Panda-Gigante – trata-se do lar de muitos pandas-gigantes gerados ali a partir de uma população inicial de apenas seis animais trazidos em 1987. Ali você também poderá ver pandas-vermelhos e macacos-dourados.

O panda-vermelho pode não ser a estrela, mas também conquista os aventureiros
Foto por: Fuse/ThinkStock

 

Changqing tem várias trilhas, então é mais fácil percorrer o território do que em Foping. Esta última, porém, oferece uma experiência mais selvagem e, dizem, com mais pandas. Na cidadezinha de Huayang, ponto de partida para Changqing, há um hotel confortável. Quem visita Foping geralmente se hospeda de maneira bem simples, no edifício da administração ecológica da reserva. Reserve o transporte, a hospedagem e as trilhas com antecedência.

 

A pelagem dos pandas

A ciência não conseguiu explicar: talvez seja para camuflagem ou para intimidar inimigos. Uma lenda tibetana diz que, há muito tempo, uma valente pastora foi morta por um leopardo ao defender um panda de pele cor de marfim. Outros pandas se reuniram em sinal de luto, todos usando tarjas escuras, pintadas com cinzas, nos braços. Abraçando-se, as suas patas e os seus ombros escureceram graças ao contato com as cinzas; ao enxugar as lágrimas e colocar as patas sobre o rosto, os seus olhos e orelhas também escureceram. Desde então, pandas têm olhos, orelhas, braços e ombros negros.

Pandas brincando na Reserva Natural de Wolong
Foto por: Hung_Chung_Chih/iStock/ThinkStock

 

Aventura

Você está acordado desde o amanhecer e já abastecido com tigelas de congee (mingau de arroz) e chá verde. Aventurando-se em um vale verdejante em Foping, o seu guia local procura uma espécie de alho selvagem na folhagem. Quando encontra alguns, ele masca as folhas aromáticas, deixando para trás um cheiro forte pela trilha. Os pandas possuem um olfato altamente desenvolvido, e o apelido dessa planta é “alho de urso”.

Panda-gigante escalando árvore na Reserva Natural de Wolong
Foto por: Fuse/ThinkStock

 

Você tem sorte de estar seguindo um veterano. Antigo caçador, ele conhece cada canto e toca que pode abrigar um panda. Ele também é surpreendentemente hábil, escalando com destreza encostas vertiginosas por entre rochas cobertas de musgo e em meio a densas florestas de bambu, esperando que você seja capaz de ouvir o tilintar de bambus sendo partidos ou mastigados. Em pontos de maior altitude, ele mostra evidências de que pandas passaram por ali, com base em duas necessidades vitais: comer e evacuar. Ele pega um montinho de uma cor verde-viva, em formato de batata-doce. “Úmido, fresco”, diz. “Ontem à noite, ou hoje pela manhã”.

Os minutos tornam-se horas, manhãs tornam-se tardes, e o suor vira um incômodo, já que a camiseta está grudada nas suas costas. Mas, por uma fresta entre os bambus, você vê o que ele vê, e o seu coração para. Deitado de costas, com as pernas para cima e cercado de folhas de bambu rasgadas está um panda-gigante comendo metodicamente um caule. Parece a criatura mais satisfeita do mundo – e você também está se sentindo assim.

Depois de tanta aventura para ver esse ilustre gigante, a única coisa que você vai querer é descansar. Assim como esse panda bebê.
Foto por: silverjohn/iStock/ThinkStock

 

Experiências Essenciais

  • Aprender a rastrear um panda antes de conseguir dar uma olhada nesse urso selvagem por entre os bambus e pinheiros.
  • Mergulhar na autêntica vida de um vilarejo rural em um passeio pelas ruas calmas da parte antiga de Huayang, parando para admirar os íbis-do-Japão.
  • Experimentar a culinária de Shaanxi – noodles gigantes, alho em conserva e bolinhos, com um molho de pimenta espesso e gorduroso.
  • Explorar os vales e as colinas da Reserva Natural de Foping, passando por florestas exuberantes, templos em ruínas e moradias rurais.
  • Procurar takins e faisões-dourados nos picos nebulosos da Reserva Natural de Changqing.

 

Esta matéria faz parte do livro Grandes Aventuras, da Lonely Planet, que será lançado em setembro. Fique ligado!

Este artigo foi publicado em Maio de 2015 e foi atualizado em Maio de 2015.

Ásia