América do Sul

Atrações em América do Sul

‹ Anterior

de 2

  1. Arcos da Lapa

    O aqueduto que é ponto turístico data de meados do início do século 18, quando foi construído para transportar água do rio Carioca para o centro do Rio. Em um estilo que lembra a antiga Roma, os 42 arcos ficam a 64m de altura. Eles levavam o bonde de e para Santa Teresa, até um trágico acidente em 2011, depois do qual o bonde foi tirado de serviço.

  2. Catedral Metropolitana

    Com suas 16 colunas curvadas e seu interior de vitrais ondulados, a Catedral Metropolitana é uma visão celestial. Na entrada estão as assombrosas estátuas dos Quatro Discípulos esculpidas por Ceschiatti, que também fez alguns dos anjos de alumínio que estão pendurados do lado de dentro.

  3. Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

    Esse complexo enorme e excelente inclui cinemas, espaços para performances, um bom café, um planetário e dois bons museus: o Museu de Arte Contemporânea (10h-20h ter-dom), e o Memorial da Cultura Cearense (10h-20h ter-dom), com exposições sobre o modo de vida e a cultura tradicional do Ceará. Passarelas elevadas unem blocos de diferentes ruas e tudo se mescla aos prédios antigos ao redor, muitos dos quais foram reformados para abrigar bares, restaurantes e ateliês. É um centro de convívio social de sucesso na cidade, muito popular entre os moradores.

  4. Estádio do Maracanã

    Em preparação para a Copa do Mundo de 2014, o famoso estádio carioca é palco de jogos espetaculares. Não perca a oportunidade de assistir a um dos times locais (Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama ou Botafogo) em ação. As partidas acontecem ao longo de todo o ano, em geral no sábado ou no domingo (início às 16 ou 18h), ou na quarta e quinta (aprox. 21h30). O ingresso pode sempre ser adquirido no dia do jogo, a um valor entre R$30 e R$60 para a maioria das partidas. 

  5. Forte dos Reis Magos

    (Entrada R$3,00) O forte onde Natal começou ainda tem o formato original, de uma estrela de cinco pontas, sobre o recife no bico
    da península no norte da cidade. A vista da cidade, a Ponte Nova e as dunas do outro lado do rio Potengi são fantásticas. O forte tem
    uma capela, um poço, canhões e acomodações de soldados – além do Marco de Touros, uma pedra colocada pelos portugueses em 1501 na
    praia do Marco, próxima a São Miguel do Gostoso, considerada o documento histórico mais antigo do Brasil. Você pode experimentar um
    sorvete de chocolate com pimenta na cantina do antigo presídio. Da praia de Areia Preta (à qual se chega com o ônibus 56 de Ponta Negra),
    um táxi para o forte custa R$12.

  6. Igreja da Ordem Terceira do Carmo

    (entrada por donativo) A igreja original, fundada em 1636, pegou fogo; a estrutura neoclássica atual é de 1828. Na nave, há um órgão francês e uma estátua espetacular de N. Sra. do Carmo. Historiadores alegam que a estátua foi feita à imagem
    de Isabel II, filha de Garcia d’Ávila, o maior proprietário rural do Nordeste. O escultor, conhecido como O Cabra, era um
    escravo sem treinamento artístico nenhum, e diz-se que estava louco pela jovem. O bebê Cristo aninhado no colo da estátua tem traços negros – era como O Cabra imaginava a criança fruto desse amor? O artista levou oito anos para finalizar a imagem de Cristo (1630) em tamanho real, com o sangue feito por 2 mil rubis. Ela está exposta no pequeno museu da igreja.

  7. Igreja e Convento São Francisco

    (entrada R$3) Uma das igrejas mais magníficas do Brasil, a barroca São Francisco está repleta de demonstrações de riqueza e esplendor. Um candelabro de prata de 80kg paira acima de esculturas de madeira folheadas a ouro, e os jardins do convento exibem azulejos portugueses pintados à mão. O complexo foi finalizado em 1723.Forçados a construir a igreja de seus senhores e proibidos de praticar a própria religião, os escravos africanos artesãos responderam com seu trabalho: o rosto dos querubins são distorcidos, alguns anjos são representados com genitálias enormes e outros parecem grávidos. A maioria desses toques criativos foi castamente coberta por sacristãos no século 20. A colorida imagem de São Pedro da Alcântara esculpida pelo santeiro Manoel Inácio da Costa mostra uma figura sofrendo de tuberculose – assim como o próprio artista. Um lado do rosto do santo é mais pálido que o outro, então ele parece ficar mais doente conforme você passa por ele. José Joaquim da Rocha pintou o teto do corredor de entrada usando a técnica de perspectiva, uma novidade no período barroco.

  8. Instituto de Arte Contemporânea Inhotim

    Gigantesco parque permeado por 21 requintadas galerias de arte moderna e inúmeras esculturas ao ar livre, que fica 50km a oeste de BH, próximo à cidade de Brumadinho. Grande parte da coleção de arte brasileira e internacional aqui exposta tem dimensões monumentais, e as galerias foram construídas sob medida, a fim de acomodar as obras. Os jardins do parque, abertos ao público em outubro de 2006, e em constante expansão, contêm mais de 4 mil espécies de plantas (incluindo a maior coleção de palmeiras do mundo), pavões e lagos com cisnes. Você pode simplesmente passear pelo agradável local, ou participar de visitas guiadas por profissionais qualificados nas áreas de artes visuais e ciências naturais. Dez lanchonetes/
    restaurantes espalhados pela propriedade servem de tudo, desde cachorro-quente a sofisticados pratos gourmet internacionais. Terça-feira é um excelente dia para ir até lá, já que a entrada é gratuita; no fim de semana, o lugar fica lotado, porém há mais visitas guiadas.

    De terça a domingo, a Saritur tem ônibus diretos (R$32,50 ida e volta, 1h e 30min somente ida), de Belo Horizonte a Inhotim, às 9h15, retornando às 16h30. A alternativa é pegar um dos três ônibus diários da Saritur, de BH a Brumadinho (R$16,35, 1h e 20min) e de lá pegar um táxi até o centro de arte (R$15).

  9. Instituto Ricardo Brennand

    Localizado em uma cópia de castelo medieval, numa adorável área arborizada, esse instituto contém uma coleção enorme de espadas, armaduras, artefatos históricos e arte europeia e brasileira.

    Entrada: R$15

  10. Jardim Botânico

    Esse exótico jardim de 137ha, com mais de 8 mil espécies de plantas, foi desenhado a pedido do príncipe-regente dom João (mais tarde dom João VI) em 1808. O jardim é tranquilo e sereno durante a semana e desabrocha com famílias e música nos finais de semana. Os destaques de uma visita ali incluem a fileira de palmeiras (plantadas quando o jardim surgiu), a seção Amazonas, o lago coberto de vitórias-régias e o orquidário, lar de 600 espécies de orquídeas.

  11. Memorial JK

    A tumba de JK está embaixo do bonito e assustador vitral realizado pela artista francesa Marianne Peretti, dentro do memorial JK. O museu abriga ainda a biblioteca pessoal de 3 mil livros do ex-presidente, assim como um museu da história pictórica de Brasília. Não deixe de ver o Ford Galaxie
    1973 de JK, que está do lado de fora da porta dos fundos do museu. Valor: adulto/crianças R$12/6

  12. Memorial Minas Gerais – Vale

    Principal destaque do projeto de restauração da praça da Liberdade em 2010, este museu contemporâneo registra a cultura
    de Minas entre os séculos 17 e 21 em três andares de galerias interativas com arte vanguardista e instalações audiovisuais.

  13. Mercado Municipal

    Esse mercado fechado é uma criação da belle époque, decorado com vitrais coloridos e grandes abóbodas. É um ótimo lugar para provar algumas das iguarias clássicas paulistanas: sanduíches de mortadela e pastéis. Em vários domingos há música ao vivo, mas lembre-se de que aproximadamente um domingo por mês o mercado fecha para manutenção. Infelizmente, não há uma agenda regular para tal evento.

  14. Mercado Municipal

    O Mercado Municipal, do outro lado do terminal de ônibus, possui a primeira ala de comida orgânica do Brasil, a rua 24 Horas, perto da praça General Osório: uma agradável rua coberta e transformada em praça da alimentação (não fica aberto 24h!). A franquia local Spich possui um bufê com dez pratos (R$4,95).

  15. Museu de Arte do Rio Grande do Sul

    Um passeio para pedestres chega à praça da Alfândega, um quarteirão arborizado onde está o Museu de Arte do Rio Grande do Sul. O prédio neoclássico é um espaço imponente destinado aos artistas da região. No térreo, o convidativo Bistrô do
    MARGS faz bom uso da área externa arborizada, que é um lugar adorável para almoçar.