América do SulDicas e artigos

A América do Sul e as melhores paradas do Orgulho Gay

A América do Sul e as melhores paradas do Orgulho Gay

A América do Sul sabe como dar uma festa e, quando o assunto é o orgulho gay, algumas das maiores celebrações do mundo sem dúvida acontecem nesta porção do continente, que atrai ativistas e foliões de todo o mundo para celebrar a comunidade LGBTQI+ em cores vivas. As festividades destes países contrastam com as da América do Norte e da Europa Ocidental, e, com uma energia caleidoscópica e mensagens de amor e aceitação, esses eventos vão atrair você.


A América do Sul sedia algumas das maiores Paradas do Orgulho LGBT © Victor Moriyama/Getty Images

Embora boa parte dos países da América do Sul ainda mostre atitudes muito conservadoras quando o assunto é a homossexualidade, em grande parte devido à forte influência da Igreja Católica, a maioria desenvolveu leis progressivas e favoráveis à comunidade LGBTQI+ e sediam eventos do orgulho gay todos os anos.

Em comemoração ao mês do Orgulho Gay, preparamos para você uma lista com as melhores Paradas do Orgulho Gay da América do Sul.


Parada do Orgulho de São Paulo é considerada a maior do mundo © Rubenschavez / Getty Images

Orgulho de São Paulo – Brasil

Esqueça Madri, Nova Iorque, San Francisco, Londres e Toronto – A Parada de São Paulo é o maior festival de orgulho gay do mundo, tanto que foi reconhecida como tal no Guiness Book of World Records, que pôs São Paulo anos luz à frente de outros países. A cidade recebe entre três e cinco milhões de pessoas todos os anos para o evento.

A Parada do Orgulho LGBT de São Paulo acontece todos os anos, no mês de maio ou junho. Começou como um evento modesto, em 1997, com apenas dois mil participantes, com o objetivo de aumentar a visibilidade da comunidade LGBTQ e cresceu significativamente desde então. Apesar da dimensão e da popularidade, a parada continua transmitindo uma forte mensagem sócio-política: o slogan de 2016 foi “Lei de identidade de gênero, já! Todas as pessoas juntas contra a transfobia!”, já o de 2017 era: “Independentemente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um estado Laico!”.

A parada percorre a principal artéria da cidade, a Avenida Paulista, e chega à Praça Roosevelt, onde o público é recebido com um show ao vivo. A melhor recomendação para os turistas é que cheguem cedo no dia do evento para garantir um bom lugar próximo ao MASP – Museu de Arte de São Paulo, na própria Avenida Paulista. Depois da parada, a maioria do público vai para o The Week, o maior clube gay do Brasil.


Foliões alados se beijam durante a Parada do Orgulho do Rio de Janeiro na praia de Copacabana © CARL DE SOUZA / Getty Images

Rio de Janeiro – Brasil

A parada do Rio, embora não seja tão grande quanto a de São Paulo, é tão divertida quanto. O evento é uma festa enorme e colorida que ocorre na famosa praia de Copacabana, e você vai encontrar um clima carnavalesco com a energia do samba por toda a cidade. As comemorações se estendem até a madrugada do dia seguinte em diferentes bairros – como em Madureira, na zona norte da cidade – e, nos arredores, acontecem pequenos desfiles.

Embora a Parada do Rio tenha historicamente ocorrido em novembro, mês de verão na cidade, a de 2018 foi transferida para setembro. Depois do desfile principal, os foliões vão para o clube Papa G, e, do lado de fora dele, multidões se espalham pelas ruas.


Adeptos do orgulho participam do desfile em Buenos Aires © JUAN MABROMATA / Getty Images

Buenos Aires – Argentina

A Marcha Del Orgullo é o maior evento LGBTQ da Argentina. Começou em 1992, como um protesto, e contou com a participação de apenas trezentas pessoas, a maioria usando uma máscara para esconder o rosto. Hoje, a Marcha se tornou uma das paradas do orgulho gay mais populares da América do Sul e recebe de cem mil a duzentos mil pessoas de todo o mundo, todos os anos.

A parada acontece no primeiro ou no segundo sábado de novembro e começa em frente à Casa Rosada, na Plaza de Mayo. O desfile segue, então, por onze quarteirões da Avenida de Mayo e segue até a Plaza Congreso, onde acontece um show ao vivo. Se for à cidade por conta do evento, não deixe de conhecer o Queer Tango Festival e o Asterisco Film Festival, que celebra a diversidade sexual com uma série de filmes.

Buenos Aires tem uma atmosfera gay vibrante e a rica cultura do tango em San Telmo é o reduto de muitas milongas queer (clubes de tango). Uma curiosidade: quando começou, no início da década de 1880, originalmente o tango era dançado entre dois homens nas vielas de Buenos Aires. Nos últimos vinte anos, tem ocorrido o renascimento da cultura queer de tango, especialmente no La Marshall e no Tango Queer Milongas, que oferecem aulas para a comunidade LGTBQ.


Membros da comunidade LGTBQIA+ participam da Parada do Orgulho Gay em Bogotá, Colômbia © GUILLERMO LEGARIA / GettyImages

Orgulho de Bogotá

A Colômbia evoluiu muito na última década, tornando-se um dos destinos mais seguros e progressistas da América do Sul. O casamento gay foi legalizado no país em 2016 e o direito à adoção para casais homossexuais tornou-se legal em 2015. A primeira parada do orgulho gay do país ocorreu em Bogotá, em 1982, com apenas 32 participantes e quase cem policiais controlando o evento. Por vários anos a parada deixou de acontecer e só voltou às ruas em 1997, ano em que, inclusive, tornou-se um evento anual.

Hoje, o Dia do Orgulho Gay é comemorado em todo o país, entre o final de junho e início de julho, com desfiles que ocorrem na maioria das grandes cidades. A maior é a Marcha del Orgullo Gay, em Bogotá, que atrai mais de cinquenta mil pessoas e se estende do Parque Nacional ao Plaza de Bolívar, com discursos políticos seguidos de música ao vivo.

Música e dança são a essência da cultura colombiana – afinal, a Colômbia é o país que nos concebeu Shakira, Maluma, Carlos Vives e J Balvin – e a Parada de Bogotá também não fica pra trás. A cidade abriga o maior clube gay da América do Sul, o Theatron, e é aqui que os foliões vão aproveitar a melhor parte da festa; um enorme complexo de boates com treze clubes gays espalhados por cinco andares, capazes de acomodar aproximadamente cinco mil pessoas. Dentre os clubes, há opções para todos os gostos: ambiente com os sucessos dos anos 1980, com salsa, só para homens, outro apenas para as mulheres e por aí vai!

PUBLICADO em maio, 2018.

Este artigo foi publicado em Setembro de 2018 e foi atualizado em Setembro de 2018.

América do Sul

Destaques