América do NorteDicas e artigos

Hospedagens inusitadas nos EUA

Wigwam Village Motel, em Holbrook

Katrina Woznicki

Todos sabemos que a hospedagem pode fazer toda a diferença em uma viagem, mas dormir em um lugar único – uma tenda, um ninho gigante ou até debaixo d’água – pode tornar as suas férias inesquecíveis.

O espírito empreendedor norte-americano não tem limites, o que inclui hospedagens inusitadas que você não encontraria em outro lugar. Para os que querem fugir das redes hoteleiras de sempre, vale considerar um destes lugares, que variam de aconchegantes e rústicos a algo parecido com um aquário.

Aconchegue-se ao ar livre

O único “Ninho Humano” dos Estados Unidos pode ser alugado no Treebones Resort (treebonesresort.com), um acampamento de luxo em Big Sur, Califórnia. Construído para hospedar duas pessoas pelo ecoartista Jason Flynn, o Ninho tem vista para o Pacífico e deve ser reservado com meses de antecedência. O design pode ser um pouco “espinhoso”, mas, se você não se importar de perder um pouco de privacidade, o ninho oferece uma vista única: você dorme em uma árvore, sob as estrelas (não chove muito em Big Sur). "Embora o ninho seja completamente aberto a esses elementos, com nenhum conforto além de um colchão ao ar livre, por sua vista espetacular para o mar, é a nossa acomodação mais concorrida”, diz a gerente Megan Handy, filha dos proprietários, John e Corinne Handy. “É uma experiência muito única. Temos hóspedes do ninho que vêm todos os anos”.

Big Sur, Califórnia

 

Se você preferir uma experiência única, vá para o Falls Brook Yurts (fallsbrookyurts.com), em Minerva, no estado de Nova York, escondido no coração das Montanhas Adirondack, que fazem parte da Trilha Apalache, que vai até a Geórgia. Essa é uma ótima opção para amantes das atividades ao ar livre que não querem gastar muito, nem com a hospedagem nem com equipamentos para acampar. Dentro das barracas completamente equipadas, há uma pequena cozinha, mesas, cadeiras, sofás e beliches para seis pessoas. O banheiro coletivo fica a apenas 15 passos da porta. Não há água corrente lá dentro; você pode trazer garrafas na caminhada de 20 minutos entre o estacionamento e o acampamento, ou usar os baldes oferecidos para trazer água de um riacho próximo, mas nesse caso não deixe de ferver a água antes de usá-la para tomar banho ou beber. (Eu tomei banho lá fora – não há ninguém em um raio de milhas de distância – usando várias garrafinhas de água mineral.)

Montanhas Adirondack

 

Pizza debaixo d’água

O que começou como uma estação de pesquisa subaquática acabou inspirando o Jules Undersea Lodge (jul.com), em Key Largo, na Flórida, um dos poucos hotéis debaixo d’água do mundo. Mergulhe a mais de 6 metros da superfície e fique em uma das câmaras subaquáticas, onde você pode dormir, comer e observar tudo que passa nadando pela sua janela. É preciso mergulhar com equipamento para chegar lá embaixo, mas iniciantes podem fazer um breve curso introdutório oferecido pelo Jules antes de desfrutar das suas acomodações. Esqueça camareiros! Sua bagagem é levada até você em contêineres herméticos. Se bater uma fominha na sua cápsula, peça uma pizza – ela também chega em um contêiner protegido. O fundador e proprietário Ian Koblick, que é presidente da Marine Resources Development Foundation, diz que os vizinhos aquáticos ficam tão curiosos com os visitantes quanto vice-versa. “O que será que os peixes veem?”, brinca Koblick. “Há também peixes-boi na lagoa, e peixes que vêm e vão. É uma experiência única e o mais perto que você chegará de outro mundo sem ter de se lançar no espaço sideral”.

Peixes curtindo em Key Largo

 

Volte no tempo

A Rota 66 estende-se por mais de 3.800 quilômetros de lindos cenários entre Chicago de Los Angeles, e uma das paradas mais inusitadas do caminho é o Wigwam Village Motel (galerie-kokopelli.com/wigwam), em Holbrook, no estado do Arizona, onde você pode dormir em uma tenda de estilo indígena. É uma verdadeira volta no tempo. Com 15 tendas (ou ocas) de um e dois quartos, o motel é registrado como Lugar Histórico dos Estados Unidos. Aberto ainda nos anos 1950, ele tem um charme de meio do século, com carros retrôs estacionados na propriedade, entre os quais um Studebaker que pertencia ao proprietário. Cada tenda tem 6,5 metros de largura na base e 8,5 metros de altura e é equipada com móveis de nogueira, camas, uma pia e um banheiro com chuveiro. Há também uma pequena coleção de artefatos indígenas e objetos vintage da Rota 66.

O Wigwam Village Motel - puro estilo!

 

Você ama animais? Seus anfitriões também

A cerca de 185 quilômetros ao norte de Manhattan fica a Woodstock Farm Animal Sanctuary (woodstocksanctuary.org), perto da lendária Woodstock, onde brilhou o movimento hippie em 1969. Aberta em 2012, a nova pousada desse santuário, uma casa de fazenda do século 19 restaurada, tem quatro quartos, uma cozinha e uma sala na área comum e 23 acres de bodes, galinhas, vacas, porcos, perus, ovelhas e um burrinho chamado Diane. Seja voluntário na fazenda, limpando esterco e outras atividades sujinhas, e receba um desconto na hospedagem (nós já visitamos e fomos voluntários algumas vezes!). Diz Jenny Brown, cofundadora e diretora: “As pessoas amam assistir a toda essa atividade da janela e da varanda da frente. Realmente gera uma sensação de tranquilidade ver esses animais resgatados e, ao mesmo tempo, desfrutar de um café da manhã saudável, vegano e orgânico”. O lucro com a pousada é revertido diretamente aos cuidados com os mais de 300 animais.

Já o Dog Bark Park Inn (dogbarkparkinn.com) na Rodovia 95, em Cottonwood, no estado de Idaho, é a criação do escultor Dennis Sullivan e sua mulher, Frances Conklin. Juntos, eles construíram o maior cãozinho beagle dos Estados Unidos, conhecido carinhosamente como "Sweet Willy", uma pousada de dois quartos aberta de abril a outubro. Dormir na casa-cachorro é uma ótima forma para relaxar: não há telefone nem televisão no Sweet Willy. Mas você se delicia com o café da manhã com ovos, bagels, pâtisseries, iogurte, queijo e a receita de granola da família. Para comprar lembrancinhas, não deixe de ir à lojinha, onde há versões em miniatura do Sweet Willy e seus amigos.

A cidade de Taos, no Novo México – conhecido pela cultura herdada dos nativos indígenas, pelo esqui e pelo cenário artístico vibrante – foi o pano de fundo escolhido por Richard Spera para instalar a sua casa-galinha. Anos depois, esse conjunto de casitas conhecidas como Casa Gallina (casagallina.net) oferecem aos visitantes que vêm para o Sudoeste Americano uma vista fantástica das montanhas Sangre de Cristo, confortos caseiros e uma verdadeira experiência artesã. As casitas – decoradas por artistas locais – têm cozinha, sala e sala de jantar. Atrás delas, ficam as “meninas”, algumas dúzias de galinhas que ficam felizes com qualquer sobra de comida que você der a elas. Como bônus, Spera, que já foi gerente em um restaurante nova-iorquino, gosta de mimar os seus convidados com tapas, biscoitos e tortas.

Katrina Woznicki é escritora em Nova York e espera visitar mais hotéis excêntricos. Para segui-la no Twitter: @katrinawoz.

Este artigo foi publicado em Julho de 2014 e foi atualizado em Novembro de 2014.

América do Norte

Destaques